ELEIÇÕES 2020: Enquete para prefeito já está no ar. Conheça quem é quem 1

(Post atualizado às 20h58 para fazer o seguinte reparo: Na verdade o recordista de votos nas eleições de 2018 para deputado federal foi Josemar do Maranhãozinho (PR) e não Eduardo Braide, que em verdade foi o mais votado de São Luis e não no estado todo) – A enquete Em quem você votaria para prefeito de São Luis em 2020?já está no ar.

Conforme o Blog do Robert Lobato anunciou ontem, apresenta-se um breve perfil de cada nome que conta na enquete para o leitor saber quem é quem no processo, muitos deles com chances reais de serem mesmo candidatos a prefeito da capital maranhense em 2020. Vamos lá.

Adriano Sarney (PV) – Economista, empresário, administrador e deputado estadual de segundo mandato, Adriano é filho do ex-deputado federal e ex-ministro Sarney Filho, portanto, neto do ex-presidente José Sarney. É uma das principais, se não a principal aposta do grupo Sarney para o futuro, que pode ser dar logo em 2020 como candidato a prefeito de São Luis. Na Assembleia Legislativa tem sido uma das poucas vozes de oposição ao governo Flávio Dino. O deputado obteve 4.977 voto em São Luis na eleição de 2018 de um total de 50.679 votos.

Alan Garcês (PSL) – Médico, natural de Belém (PA), Alan Garcês foi um dos primeiros apoiadores e organizadores, no Maranhão, do movimento em torno da candidatura do agora presidente eleito Jair Bolsonaro. Polêmico, o médico vez e outra está envolto a controvérsias seja na Ufma, onde é professor no curso de Medicina, ou na sociedade, quando ganhou notoriedade com divulgação de vídeos nas redes sociais atacando o PT e as esquerdas em geral. Alan Garcês atualmente integra a equipe de Transição de Governo indicado pelo próprio Jair Bolsonaro. Em 2018 foi candidato a deputado federal e teve 20.288 votos, sendo que 8.303 deles em São Luis.

Astro de Ogum (PR) – Atual presidente da Câmara Municipal de São Luis, já está no segundo mandato à frente da casa, o vereador Martiniano Moreira Leite, popular Astro de Ogum, já anunciou que será “candidato de qualquer jeito”. Ligado à cultura e ao mundo dos “santos”, Astro já detém quatro mandatos de vereador e em 2016 foi eleito com 9.703 votos.

Duarte Júnior (PCdoB) – Eleito deputado estadual com surpreendentes 65.144, dos quais 46.685 somente em São Luis, o advogado Duarte Júnior soube fazer bom uso da máquina do Procon-MA, do qual foi presidente até se licenciar para concorrer às eleições, e também das mídias em geral, tanto as redes sociais quanto da imprensa convencional. Pode ser considerado um “homem de mídia”. Se conseguir apoio do seu partido, Duarte Júnior pode ser dar trabalho aos adversários em 2020.

Eduardo Braide (PMN) – Recordista de votos nas eleições de 2018 na cidade de São Luis, o deputado Eduardo Braide desponta atualmente como um dos nomes favoritos para prefeito em 2020. Sua meteórica ascensão política se deu em virtude de se tornar a “zebra” na eleição para prefeito de São Luis em 2016, quando surpreendeu meio mundo da política ao chegar ao segundo turno daquele pleito com uma estrutura mínima de campanha e sem tempo no horário eleitoral. Mesmo assim, por pouco não derrotou o atual prefeito Edivaldo Júnior. Consagrou-se o deputado federal em 2018 com 189.843 votos, destes 131.553 somente em São Luis, a maior votação da capital.

Eliziane Gama (PPS) – Atual mandatária do cargo de deputada federal, Eliziane Gama já foi deputada estadual por duas vezes e também por duas vezes disputou a prefeitura de São Luis: em 2012, quando chegou em terceiro lugar; e em 2016 quando de favorita acabou amargando um quarto lugar com apenas 6.19% dos votos válidos. Dois anos depois, como uma “Fênix”, Eliziane ressurge das cinzas e elege-se senadora da República com 1.539.916 votos, sendo que 227.856 em São Luis, o que a torna uma potencial candidata à prefeita em 2020.

Empresário Janderson Landim (Sem partido) – Eis uma novidade que surge entre os possíveis candidatos a prefeito de São Luis. Empresário bem sucedido, Janderson Landim é o que costuma-se chamar de outsider da política, embora sempre esteve próximo dela e dos políticos na condição de marqueteiro. Aliás, marqueteiro bem sucedido dentro e fora do Maranhão. Janderson tem a convicção de que a gestão pública deve dar resultado tal como uma empresa, com a diferença que o lucro da gestão pública são os bons serviços prestados à população. É com essa concepção da política e dos negócios públicos que o empresário deverá se apresentar em 2020 como candidato a prefeito de São Luis.

Fábio Câmara (PSL) – Ex-vereador de São Luis, Fábio Câmara disputou uma vaga para a Assembleia Legislativa do Maranhão obtendo 14.838 votos, todo conquistas a partir do seu trabalho nas comunidades mais carentes. Na capital foram 10.520 votos, superando muitos nomes da política tradicional maranhense e ludovicense. Em 2020, Fábio assegura que estará na disputa pela sucessão de prefeito Edvaldo Júnior e aposta em concorrer pelo mesmo PSL do presidente eleito Jair Bolsonaro.

Felipe Camarão (DEM) – No comando da Secretaria de Educação desde março de 2016, o procurador federal Felipe Camarão se tornou uma espécie de “coringa” do governador Flávio Dino e por pouco não foi o seu vice nas eleições de 2018 ou mesmo deputado estadual. Publicamente, o secretário nega que tenha planos eleitorais em mente, mas, de repente, pode aparecer com aquela clássica história: “Eu não quero, mas se o povo quiser…”. Tudo vai depender da conjuntura até 2020 e principalmente dos planos de Flávio Dino para o seu grupo político.

Ivaldo Rodrigues (PDT) – Pedetista histórico, vereador licenciado, atual secretário de Governo da Prefeitura de São Luis, Ivaldo Rodrigues é um dos nomes que o PDT tem na “manga” para lançar nas eleições municipais daqui a dois anos. Militante social e político desde a juventude, vereador atuante, Ivaldo ganhou maior popularidade e também prestígio político com o advento da “Feirinha de São Luis”, idealizada e coordenada por ele. Por ser do PDT, mesmo partido do prefeito, pode ajudar no projeto do líder trabalhista em 2020. Já no terceiro mandato de vereador, Ivaldo Rodrigues foi eleito com 5.115 votos em 2016.

Márcio Jerry (PCdoB) – Querido e odiado em um só tempo, o presidente estadual do PCdoB foi eleito deputado federal com 134.223 votos, uma boa votação, mas aquém do que poderia obter na condição de segundo “homem forte” do Palácio dos Leões abaixo apenas do governador Flávio Dino. Márcio Jerry nunca tratou da possibilidade de ser candidato a prefeito de São Luis, até pela responsabilidade que possui na condição de presidente do seu partido, de líder político ligado ao grupo governador e agora na condição de deputado federal. Foram 17.246 votos em São Luis. Márcio Jerry pode não ser carismático a ponto de virar candidato a prefeito de São Luis, por outro lado é um erro crasso os adversários subestimarem a capacidade política do comunista. Com certeza as eleições de 2020 passará por Márcio Jerry.

Neto Evangelista (DEM) – Uma das mais promissoras lideranças da nova geração de políticos maranhenses, o deputado estadual reeleito Neto Evangelista é um homem afeto a desafios. E deixou isso claro quando aceitou o convite do governador Flávio Dino para deixar o seu mandato de deputado estadual e assumir a gigantesca Secretaria de Desenvolvimento Social. Neto tirou de letra o exercício do cargo de secretário da Sedes, tornando-se um dos melhores secretário do atual governo do Maranhão, se não o melhor. Em 2018 obteve 49.480 votos, destes 12.510 em São Luis. A passagem pela Sedes credencia Neto Evangelista a tentar viabilizar um projeto mais ambicioso que é ser prefeito de São Luis. Mas, até 2020, há muito chão pela frente.

Pedro Lucas Fernandes (PTB) – Outra grata liderança da nova geração de políticos do Maranhão, o vereador por São Luis Pedro Lucas Fernandes teve uma excelente votação para deputado federal elegendo-se com 111.538 votos, boa parte deles divididos entre o seu trabalho exercido na Câmara Municipal e o legado do seu pai, o ainda deputado federal Pedro Fernandes. Um dos vereadores com maior prestígio tanto com o prefeito Edivaldo quanto o governador Flávio Dino, Pedro Lucas saiu das urnas de 2018, em São Luis, com 32.825 votos, nada mal para quem entrou recentemente na política. Com certeza é um nome que deve crescer até 2020.

Wellington do Curso (PSDB) – Considerado de longe um dos deputados estaduais mais atuantes, propositivos, assíduos e pontuais da Assembleia Legislativa do Maranhão, o empresário Wellington do Curso teve a sua excelente atuação parlamentar reconhecida pelo povo maranhense que o reelegeu com 24.950 votos, 17.328 votos só na capital São Luis. Incansável, Wellington deverá ser a principal voz da posição ao Palácio dos Leões na próxima legislatura. Em 2016, disputou a eleição de prefeito de São Luis ficando em terceiro lugar com 19.80% votos válidos, o que corresponde a exatos 103.951 votos. Portanto, Wellington do Curso é uma “foto” que pode reaparecer as urnas em 2020.

Zé Inácio (PT) – “Baixadeiro da Gema”, petista histórico desde os tempos de estudante, Zé Inácio é atualmente o único deputado petista com assento na Assembleia Legislativa do Maranhão e continuará sendo a partir de fevereiro de 2019. Defensor de causas dos trabalhadores do campo e da cidade, direitos humanos e minorias em geral, Zé Inácio tem pautado o seu mandato também com apresentação de bons projetos para a sociedade. Além da experiência no parlamento, Zé Inácio possui experiência administrativa relevante, como ex-delegado Regional do Desenvolvimento Agrário e ex-superientende estadual do Incra, ambos exercidos nos governos Lula e Dilma. Zé Inácio tem defendido o debate sobre candidatura própria do PT à prefeitura de São Luis, e com certeza deverá ser um nome que o partido apreciará dentro do calendário eleitoral próprio do PT.

PS: A cada seis mesesm até as eleições municipais de 2020, o Blog do Robert Lobato fará enquetes atualizando com novos nomes que forem surgindo.

ELEIÇÕES 2018: Roberto Rocha vence debate da TV Mirante e mostrou que está preparado para governar o MA 15

O debate da TV Mirante, como já sustentado pelo Blog do Robert Lobato em outros posts, pode ser um divisor de águas nesta reta final das eleições e consolidar a realização de segundo turno para o governo do Maranhão.

Quem assistiu o debate da TV Mirante entre os candidatos ao governo do Maranhão na noite de ontem, terça-feira, 2, saiu convencido de Roberto Rocha teve melhor desempenho.

Pelas redes sociais, opiniões na sociedade e a maioria dos blogs, alguns até hostis ao candidato do “45” reconhecem que o tucano venceu a peleja televisa na Mirante e mostrou  que está preparado para governar o Maranhão.

O Blog do Robert Lobato faz uma rápida e desprendida análise do que foi o debate do TV Mirante. Vamos lá.

Flávio Dino (PCdoB) – O candidato comunista iniciou o debate com a mesma arrogância e empáfia de costume (até água mineral importada levou para não tomar água da Caema), além de achar que era o mesmo Flávio Dino candidato oposicionista de 2014. Logo de início foi confrontado com a candidata Maura Jorge (PSL) que o chamou de “machista” em alusão à forma como foi tratada em ato do Governo do Estado realizado em Lago da Pedra, em julho do ano passado, quando o comunista não deixou que a então prefeita tivesse a franquia da palavra na própria cidade que administrava. Mentiu, desviou de conversa, não respondeu a uma pergunta da candidata de Roseana Sarney (MDB) que queria saber ao menos três obras marcantes feitas nesses quatro anos de governo, enfim, em nada lembrou o Flávio Dino do debate da TV Mirante de 2014 quando deitou e rolou. Desta vez, não foi apenas massacrado como desmascarado pelos seus concorrentes. E para piorar, acumulou ao seu seu perfil pessoal a condição de debochado. Haja “Kriptonita” pela madrugada a dentro.

Maura Jorge (PSL) – Para quem não tinha experiência com debates do tipo, a candidata do “17” saiu-se muito bem. Maura Jorge percebeu que num debate como o da TV Mirante não dá tempo, até pelas regras, para que os candidatos aprofundem nas suas propostas. Ao perceber essa realidade, a brava candidata aproveitou para ir na “papada” de Flávio Dino em diversos momentos e ainda fez com que o candidato comunista saísse com a fama de “Pinóquio”. Além de, claro, fazer propaganda para o seu candidato a presidente Jair Bolsonaro, que lidera as pesquisas na corrida ao Palácio do Planalto.

Odívio Neto (PSOL) – Outro candidato que não tinha experiência em debates do nível daquele de ontem. Odívio Neto foi sereno durante a maioria do tempo do debate, mas soube ser duro,quando preciso, ao confrontar todos os candidatos com perguntas e respostas inteligentes. Tal como os demais candidatos oposicionistas, o candidato do “50” foi pra cima do candidato à reeleição Flávio Dino, com destaque para os questionamentos sobre a falta de concurso públicos, principalmente na área de saúde e de educação. Ao fim, Odívio Neto saiu com um saldo muito positivo do debate.

Roberto Rocha (PSDB) – O tucano venceu o debate. Experiente nesse tipo de evento, Roberto Rocha (45) fez o que deve ser feito em um debate entre candidatos a governador quando se está na oposição: mostrar por que deseja governar o estado, apresentar propostas e desconstruir quem está no exercício do cargo de chefe do executivo estadual ao confrontar o que é fato e o que mentira na gestão do mesmo. Pois foi exatamente o que Roberto Rocha fez. Deixou claro que é o candidato na medida certa para governar o Maranhão, apresentou propostas, em especial a implantação da Zona de Exportação do Maranhão (ZEMA) e “lacrou” quando desmontou mais uma mentira Flávio Dino desafiá-lo para tomar um banho na Lagoa da Jansen, já que o comunista havia afirmado que ela está “completamente despoluída”. O tucano também desmontou o candidato à reeleição ao perguntar se o fim das blitzen e dos confiscos de motos e carros dos cidadãos foi por conta do calendário eleitoral. Para sacramentar o massacre, Roberto Rocha lembrou que Flávio Dino já gastou milhões em contratos com aviões e helicópteros, enquanto o estado enfrenta grave situação financeira e fiscal.

Roseana Sarney (MDB) – Quatro vezes governadora do Maranhão, Roseana Sarney teve um desempenho razoável, mas não foi um “fracasso” como tentam fazer crer os seus desafetos, principalmente os asseclas de Flávio Dino. A candidata do “15” fez questão de deixar claro aos eleitores que o governo Flávio Dino é praticamente a continuação do seu e o deixou completamente sem resposta quando pediu para que o candidato comunista apresentasse ao menos três obras que marcassem a sua gestão. Flávio Dino, sem ter como responder a emedebista, foi em Marte mas não revelou as obras. Roseana Sarney pecou em não revelar as obras que fez em São Luis, obras que lhes dão o título de “melhor prefeita” que a capital já teve.

Resumindo: O debate da TV Mirante, como já sustentado pelo Blog do Robert Lobato em outros posts, pode ser um divisor de águas nesta reta final das eleições e consolidar a realização de segundo turno para o governo do Maranhão.

ELEIÇÕES 2018: Quem merece renovar o mandato na Assembleia Legislativa e na Câmara Federal e quais candidatos proporcionais merecem eleger-se 6

A partir de amanhã, segunda-feira, 26, o Blog do Robert Lobato inciará uma série de postagens analisando quais os deputados estadual e os federais que merecem renovar os seus mandatos, bem como quais os candidatos que merecem uma vaga na Assembleia Legislativa do Maranhão e na Câmara Federal.

As análises serão feitas a partir do perfil e atuação/produtividade dos atuais parlamentares estaduais e federais, assim como de alguns candidatos que estão de olho em um mandato.

É a partir de amanhã.

Não percam!

Por que algumas pessoas bem conceituadas resistem em disputar eleição? 14

Muitos quadros qualificados que poderiam sair candidatos nas eleições de 2018 e qualificar o debate político local resistem a essa ideia sempre dizendo: “Deus me livre”

Há um fenômeno interessante em curso na sociedade.

Com o desgaste amplo, geral e irrestrito de partidos e políticos no Brasil, aflorou movimentos que tentam lançar candidatos de fora do mundo da política tradicional como forma de dar uma, digamos, “repaginada” na classe política nacional.

No Maranhão é diferente.

Contudo, percebe-se que muitas personalidades públicas resistem à ideia de candidaturas num momento em que o povo brasileiro clama por nomes novos e novos nomes nas eleições deste ano.

Chega a impressionar como algumas pessoas qualificadas, sérias, éticas e fichas limpas “pulam fora” quando são desafiadas a lançarem-se num projeto de candidatura a esse ou aquele eletivo.

O Blog do Robert Lobato pode citar alguns, tipo: Natalino Salgado (ex-reitor da Ufma); Flávio Braga (advogado e técnico do TRE-MA/TCE-MA); Pedro Maranhão (economista e empresário); Eden Júnior (técnico da CGU); Zé Antônio Heluy (turismólogo e ex-secretário de Estado); Francisco Soares “Chicão” (engenheiro); José Linhares (jornalista) e mesmo o Carlos Lula (advogado e atual secretário de Saúde).

Já outros até tentaram entrar na disputa, mas foram impedidos pelo governador Flávio Dino, entre eles Clayton Noleto e Jefferson Portela, ambos do PCdoB.

O fato é que muitos quadros qualificados que poderiam sair candidatos nas eleições de 2018 e qualificar o debate político local resistem a essa ideia sempre dizendo: “Deus me livre”.

É aquela história: “O mal triunfa sempre que os bons se omitem”.