ROMPIMENTO: Tema é escalado pelos Leões para demover Zé Reinaldo da sua posição 14

O prefeito Cleomar Tema foi um idealizadores dos ‘Encontros da Gratidão’, evento político que visa apoiar e consolidar o apoio dos prefeitos e demais lideranças municipalista à candidatura de José Reinaldo ao Senado Federal

O presidente da Federação dos Municípios do Estado do Maranhão (Famem), prefeito de Tuntum, Cleomar Tema (PSB), foi escalado pelo Palácio dos Leões para demover o deputado federal José Reinaldo Tavares(sem partido) da sua posição de rompimento com o governador Flávio Dino (PCdoB).

Segundo uma fonte muito próxima a Tema, o prefeito embarcou agora a pouco para Brasília para se encontrar com Zé Reinaldo com a missão inglória de fazer o ex-governador voltar para o grupo governista.

“E por que missão inglória, meu caro Bob Lobato?“, perguntaria um leitor-torcedor pela reaproximação Tavares/Dino.

A resposta é simples: o Zé Reinaldo já deixou clara e publicamente que sua decisão não tem mais volta e que já está empenhado na construção de um novo campo político no Maranhão para disputar as eleições de 2018.

E quem acompanhou o rompimento de José Reinaldo com o grupo Sarney em 2005 sabe que quando homem decide uma coisa dessa magnitude… Já era!

Em tempo: O prefeito Cleomar Tema foi um dos idealizadores dos ‘Encontros da Gratidão’, evento político que visa apoiar e consolidar o apoio dos prefeitos e demais lideranças municipalistas à candidatura de José Reinaldo ao Senado e que deverá continuar mesmo após o rompimento do deputado com Flávio Dino. Ou não?

VÍDEO: “Serei candidato a senador em qualquer situação”, afirma José Reinaldo 5

O ex-governador avalia que as eleições para presidente da República terão bastante influência nos acordos para o pleito nos estados e sugeriu que o seu futuro partido, o DEM, atualmente próximo do governador Flávio Dino, poderá apoiar outro candidato ao governo

Em entrevista para um site Política Real (Brasília), que cobre a ação política da bancada do Nordeste no Congresso Nacional, o ex-governador e atual deputado federal José Reinaldo Tavares fez uma breve avaliação sobre o quadro político e partidário no Maranhão.

Próximo a filiar-se ao DEM – o ato político de filiação está previsto para acontecer no dia 10 de março – Zé Reinaldo avalia que as eleições para presidente da República terão bastante influência nos acordos para os pleitos nos estados e que as direções locais terão pouca autonomia para decidir em qual palanque de governador estarão, inclusive sugerindo que o seu futuro partido, atualmente próximo do governador Flávio Dino (PCdoB), poderá apoiar outro candidato ao governo.

“As eleições para presidente terão muita influência nos acordos para as eleições estaduais. Hoje o DEM está muito próximo do governador Flávio Dino, mas não se sabe como vai ficar essa configuração nacional. Só teremos certeza do quadro político depois da escolha dos candidatos [a presidente] dos principais partidos. De forma que acho que não vai haver uma liberdade muito grande nos diretórios estaduais para montar as suas coligações e isso pode manter ou não manter esse apoio incipiente entre o DEM e o Flávio Dino”, disse.

José Reinaldo aproveitou ainda para reafirmar a sua disposição em concorrer a uma vaga ao Senado Federal nas eleições de 2018, e que será candidato “em qualquer situação” porque possui “o apoio político dos prefeitos, da Famem (Federação dos Municípios do Estado do Maranhão) e uma estrutura política consolidada no estado”.

Confira a íntegra da entrevista com o pré-candidato a senador José Reinaldo Tavares em vídeo produzido por Enio Borgman.

Roberto Rocha tem participação destacada em reunião da bancada do PSDB com o governador Alckmin 8

Deputados e senadores tucanos se reuniram em uma galeteria em Brasília – Maria Lima / Agência O Globo.

O senador Roberto Rocha teve participação destacada durante uma roda de conversa entre deputados e senadores tucanos com o governador Geraldo Alckmin, em uma galeteria de Brasília, ontem, 6.

Segundo reportagem da jornalista Maria Lima (O Globo), as conversas entraram pela madrugada traçando cenários positivos da sua campanha eleitoral com o ex-presidente Lula fora do páreo.

Na conversa, o senador Roberto Rocha aconselhou Alckmin sobre a necessidade de ter a percepção sobre os dois Brasis que existem: o da metade para baixo do mapa que é azul, e o da metade para cima que é vermelho e onde está o Maranhão. Disse que da metade para baixo Alckmin já tem os 20% necessários para chegar ao segundo turno, mas é preciso que consiga penetrar na parte vermelha do mapa, onde programas como Bolsa Família e Luz para todos têm um peso muito grande.

“Seu desafio é entrar na parte vermelha da metade para cima do mapa, ter a percepção desses dois Brasis, disse Roberto Rocha.

O tucano maranhense é pré-candidato a governador e trabalha para formar uma amplo e forte palanque para o seu candidato a presidente da República, Geraldo Alckmin.

E isso tem tirado o sono de muita gente por estas terras onde cantam os sabiás…

População poderá ter acesso ao número do celular pessoal de Flávio Dino para “perturbar” o governador 14

Embora seja um número com o DDD (061) de Brasília, o povo poderá ligar ou mandar WhatsApp para o comunistas.

Não adiantou o editor do Blog do Robert Lobato pedir aos amigos, em post publicado mais abaixo, que não mandassem áudio de um programa da Rádio Mais FM apresentado por uma trinca de trapalhões.

Pois não foi que acabei de receber um maldito áudio do famigerado programa em que os apresentadores dizem que irão divulgar amanhã o número particular do senador Roberto Rocha (PSDB) para que a população possa “perturbar” o parlamentar?

O responsável por conseguir o celular do senador tucano foi o “Gordinho”. 

A ideia do trio trapalhão inspirou o Blog do Robert Lobato fazer o mesmo com o número do celular pessoal de Flávio Dino (PCdoB) para a população “perturbar” o governador sobre o “Mais Impostos”, “Mais Empréstimos”, “Aluguel Camarada”, “Asfalto Sonrisal” etc.

Embora seja um número com o DDD (061) de Brasília, o povo poderá ligar ou mandar WhatsApp para o comunistas.

O que os leitores acham da ideia?