ELEIÇÕES 2018: Paulo Marinho Júnior nega tentativa de cooptação

O vice prefeito entrou em contato com o Blog do Robert Lobato e negou que o deputado federal André Fufuca tentou cooptá-lo a mando do governador Flávio Dino.

O vice-prefeito de Caxias, Paulo Marinho Júnior (PMDB), entrou em contato com o Blog do Robert Lobato para negar que o deputado federal André Fufuca (PP), o Fufuquinha, tenha tentado cooptá-lo a pedido do governador Flávio Dino (PCdoB).

“Caro amigo Robert Lobato, deputado federal André Fufuca nunca tentou me cooptar a mando de Flávio Dino ou de quem quer que seja. Somos amigos há mais de 10 anos, portanto, antes dele ser deputado e estar aliado ao governo”, disse Paulinho.

Pré-candidato a deputado federal, Paulo Marinho Júnior disse ainda que o PP tem como prioridade em 2018 eleger o maior número de deputados federais possíveis, e que Fufuquinha está apenas cumprindo o que determina as diretrizes do partido e que não faz nada sem combinar com o senador Ciro Nogueira, presidente nacional da sigla.

“É preciso entender que cada partido tem sua estratégia, e a do PP é a de eleger o maior número de deputados federais nas próximas eleições. É isso que o André Fufuca está fazendo, ou seja, tentando formar uma boa chapa de deputados federais. E fique certo de que ele não faz nada sem combinar com o senador Ciro Nogueira”, garantiu.

Paulo Marinho Júnior, por fim, admitiu que realmente foi convidado por André Fufuca para filiar-se ao PP, mas que nada tem a ver com Flávio Dino estar por trás do convite.

Bom, conhecendo o caráter de Paulinho, o Blog do Robert Lobato não tem porque duvidar.

É isso.

ELEIÇÕES 2018: Flávio Dino tenta cooptar Paulo Marinho Jr. através de André Fufuca

Parece que a tentativa de cooptar Paulo Marinho Júnior não logrou êxito e André Fufuca voltou de Caxias sem cumprir a missão dada pelo seu mais novo “papi”, o governador Flávio Dino

Leio no blog do colega Ludwig Almeida que o governador Flávio Dino (PCdoB) fez uma investida descarada pra cima do vice-prefeito de Caxias, Paulo Marinho Júnior (PMDB).

Segundo conta o respeitado blogueiro “timon-caxiense”, o comunista não agiu diretamente, mas através do deputado federal André Fufuca, também chamado de Fufuquinha, que teria oferecido o PP para o Paulinho se filiar e disputar uma vaga de deputado federal pelo partido.

Acontece que Paulinho é filho do ex-prefeito e ex-deputado federal Paulo Marinho que, segundo ainda a o blog do Ludwig Almeida, teria reagido com um “só se for por cima do meu cadáver”, o filho se aliaria ao grupo de Flávio Dino.

Ora, quem conhece a personalidade do bravo Paulo Marinho sabe que jamais aprovaria a filiação do seu filho a um partido da base do Palácio dos Leões. Paulo pai tem posição política firme e clara. Não que Paulinho não tenha, mas, como ainda não é tão experiente na política, pode ser levado a cair em contos do vigário.

Isso sem falar que governador Flávio Dino se diz orgulhoso, por onde passa, por ter mandado prender Paulo Marinho e fazê-lo “descer” para a Penitenciária de Pedrinhas, como bem lembrou o Ludwig Almeida.

O fato é que parece que a tentativa de cooptar Paulo Marinho Júnior não logrou êxito e André Fufuca voltou de Caxias sem cumprir a missão dada pelo seu mais novo “papi”*, o governador Flávio Dino.

Coisa feia, meu caro Fufuquinha.

*“Papi”, assim André Fufuca tratava o ex-presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, hoje preso pela Lava jato.

ELEIÇÕES 2018: “Inchaço” do grupo governista já irrita aliados de Flávio Dino 2

A reclamação com o governador Flávio Dino é grande nos bastidores políticos. Mas, claro, ninguém vai admitir em público e talvez amem esta postagem do Blog do Robert Lobato.

É de irritação, para dizer o mínimo, o ânimo de alguns aliados do governador Flávio Dino (PCdoB) em virtude do “inchaço” do grupo governista. Explica-se.

Temendo uma derrota eleitoral fragorosa nas eleições de 2018, os comunistas passaram a convidar, investir, cooptar, e que o mais o valha, lideranças políticas de tudo que é coloração partidária e ideológica.

A reclamação é tamanha que até o deputado federal Rubens Pereira Júnior (PCdoB), um dos mais leais defensores do governo e do governador, tem reclamado horrores da forma como aliados têm perdidos espaço importantes para os “neogovernistas”.

Numa roda de conversa em Brasília, semana passada, por exemplo, Rubens Júnior lamentou que para poder abrigar os novos aliados, o governador sacrifique quem esteve com ele “desde o começo”, segundo uma fonte que estava presente no bate-papo.

Não ficou claro, porém, se o deputado comunista estava se referindo exatamente ao seu tio Paulo Cruz Pereira, auditor do Tribunal de Contas do Estado, que foi catapultado do cargo de Ouvidor-Geral do Estado do Maranhão para dar lugar ao advogado Marcos Caminha, filho do também advogado Valdenio Caminha, destacado dirigente do PPS maranhense.

No PT mesmo, a insatisfação é crescente.

Depois que Márcio Jardim foi “fufucado” da Secretaria de Esporte e Lazer (Sedel), para dar lugar a um aliado do deputado Federal André Fufuca (PP), a fração petista que também esta com Flávio Dino “desde o começo”, não gostou nadica de nada pelo tratamento dispensado ao professor Márcio.

Tanto que a tese de candidatura própria do PT a governador e a senador já defendida abertamente dentro partido e conta com a simpatia até dos chamados “dinopetistas”.

REGIÃO SUL

Lá para as bandas da Região Sul do estado a “chiadeira” dos aliados que estão “desde o começo” com Flávio Dino também é grande.

A reclamação é principalmente entre pedetistas e comunistas que estão sendo obrigados a dar a “janela do ônibus” para antigos adversários, que chagaram agora, sentarem.

O caso mais emblemático é do ex-prefeito Ildon Marques, que após romper com o grupo Sarney, se filiou ao PSB a convite do senador Roberto Rocha (PSDB), disputou a eleição para prefeito de Imperatriz em 2016 pelo “40” e por pouco não foi eleito.

Agora é o empresário aparece ao lado do governador Flávio Dino indicando o seu parceiro Frederico Ângelo para o cargo de presidente da Agência Metropolitana do Sudoeste.

Detalhe: A filiação de Ildon Marques no PSB foi um dos motivos alegados por Flávio Dina para se aborrecer com Roberto Rocha, sob alegação de que o senador não o comunicou sobre a tal filiação de “Pisada”, como Ildon é carinhosamente chamado em Imperatriz. É mole?

Ontem…

(…) Hoje.

O fato é que reclamação dos aliados com o governador Flávio Dino é grande nos bastidores políticos. Mas, claro, ninguém vai admitir em público e talvez amem esta postagem do Blog do Robert Lobato.

Agora em coisa os “insatisfeitos” têm razão: nada garante que os “neogovernistas” estejam no palanque de Flávio Dino em 2018. #Fato!

Hildo Rocha faz grave denúncia contra colegas de bancada. Recuará como fez no caso dos juízes do TRE-MA? 2

A troca desqualificada de farpas e acusações entre os nobres deputados, pode, inclusive, atiçar a curiosidade de órgãos como o Ministério Público Federal e da Polícia Federal sobre o tenebroso episódio, além de dar uma boa pauta para a imprensa nacional.

A coisa não é só grave, mas causa espanto na forma e no conteúdo.

Durante conversa num grupo de WhatsApp da bancada maranhense, o deputado federal Hildo Rocha (PMDB) denunciou os seus colegas André Fufuca (PP), Juscelino Filho (DEM) e Rubens Pereira Júnior (PCdoB) de “só pensarem em dinheiro, e quererem se dar bem”. O caso foi dado em primeira pelo blog O Informante.

Não se sabe ao certo o que levou Hildo, que é um político preparado e qualificado, a fazer denúncia de tamanha gravidade, mas o fato é que o ocorrido expôs as vísceras da bancada maranhense que, como se sabe, nunca teve uma relação boa ao longo desta atual legislatura.

A troca desqualificada de farpas e acusações entre os nobres deputados, pode, inclusive, atiçar a curiosidade de órgãos como o Ministério Público Federal e da Polícia Federal sobre o tenebroso episódio, além de dar uma boa pauta para a imprensa nacional. Aliás, o próprio deputado Hildo Rocha afirmou que já havia levado as tais maracutaias dos colegas de bancada à Polícia Federal

Agora é aguardar para ver onde tudo isso vai acabar e saber se o deputado Hildo Rocha não vai recuar, como fez no episódio em que acusou magistrados do Tribunal Regional do Maranhão (TRE-MA) de negociarem decisões para livrar ou ferrar políticos, conforme o caso.