Blogs precisam ter linha editorial e postura profissional?

Blog sério tem conteúdo sério. Blog sério tem contextualização e linha editorial. Quem afirma que blog não tem linha editorial não trata o blog como um canal sério, portanto, não é blogueiro

Ainda rola muito preconceito e muito conceito deturpado quando o assunto é blog. Muitos criticam sua profissionalização e outros já criticam a sua falta de profissionalização. Em eventos ou encontros sempre rolam debates sobre diversos pontos extremamente interessante, porém alguns simplórios também são debatidos, já que é muito fácil tratar blogs como mídias amadoras que não necessitam de linha editorial e que são livres para publicar qualquer porcaria.

Em parte, tudo isso é verdade. É bacana um blog expressar opinião própria, mas é inaceitável que um blog que queira ser referência em sua área não atue com profissionalismo. É muito mais sensato tratar o leitor como um cliente ou consumidor de informação, parceiro do blog, do que um invasor intrometido que pode ser expulso do nosso território a qualquer momento. Enquanto profissionais baterem na tecla que blogs podem publicar qualquer porcaria, os blogs serão qualquer porcaria.

Blogs são canais que podem ser trabalhados de forma profissional ou como mídias amadoras, exatamente como emissoras de televisão ou rádio fazem. É muito primário crer que um blogueiro possa postar textos com erros de português, focar apenas em “barracos” e que não precisa ter o menor compromisso com o leitor. É como discutir o papel da imprensa, da “velha mídia” ou se jornalistas e blogueiros podem conviver juntos.

Outro ponto interessante que merece reflexão é acerca do papel dos blogs em uma era com tantas redes sociais. Facebook, Twitter, YouTube ou Instagram são canais que devem trabalhar de forma complementar com os blogs. Um não atrapalha e não prejudica o outro. Discutir se o Facebook vai acabar com a blogosfera tem o mesmo peso que já teve a afirmação de que a televisão iria morrer com a popularização da web. E o que ainda se vê é a “junção” desses diversos canais, indo contra a opinião dos gurus.

Blog não é só hype. Blog sério tem conteúdo sério. Blog sério tem contextualização e linha editorial. Quem afirma que blog não tem linha editorial não trata o blog como um canal sério, portanto, não é blogueiro. A investida dos grandes meios de comunicação em criar “blogs” para jornalistas da redação tem atrapalhado – e muito – a profissionalização da blogosfera brasileira. Lá fora blog é blog e é tratado com mídia de respeito. Aqui blog é uma seção onde um jornalista pode publicar qualquer “3 linhas” e ir embora.

Achar que jornalistas e blogueiros são profissões extremamente diferentes e incompatíveis é lamentável. Nesses casos, vale uma fantasia de dinossauro para alguns profissionais. Blogs e jornalismo andam juntos. Blogueiros e jornalistas andam juntos. A profissão blogueiro e a profissão jornalista são complementares, compatíveis e formam a mídia web. O discurso de “diário de adolescente” ou “velha mídia” não merece nem 140 caracteres.

(Fonte: Blog Midia8)

Os perigos do ‘disse me disse’ no ambiente de trabalho

O que fazer para evitar boatos e qual o ônus legal que uma empresa pode sofrer quando não combate este hábito?

Daniel Cristofi e Dhyego Pontes, Administradores.com

Em uma pesquisa realizada pelo LinkedIn, com divulgação na TV Justiça, sobre o que mais incomodava profissionais brasileiros em suas rotinas de trabalho, foi constatado que o excesso de fofocas era o principal aborrecimento para mais de 80% dos entrevistados. Segundo especialistas em gestão pessoal, a fofoca pode afetar não só o clima organizacional, mas o próprio desempenho dos empregados, impactando, diretamente, no foco, concentração e inteligência emocional dos colaboradores de uma empresa.

Com tantos prejuízos, o que as organizações devem fazer para enfrentar a geração de boatos em seus espaços? E, do ponto de vista do direito trabalhista, que medidas podem ser tomadas por aqueles que se sentirem prejudicados por uma fofoca? Abordaremos estes temas ao longo deste artigo.

Uma empresa ou funcionário pode sofrer sanções trabalhistas em caso da ocorrência de fofocas no espaço laboral?

No geral, sim. Embora não seja um tema incontroverso, tribunais regionais do trabalho tendem a julgar como procedentes, processos de danos morais ou pedidos de indenização movidos em razão de fofocas no ambiente do trabalho. Já que é claro perante os entes fiscais e justiça do trabalho que é de responsabilidade do empregador a conduta de seus colaboradores com seus companheiros de trabalho.

É o caso, por exemplo, de processo de 2005 julgado 4ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região, que condenou instituição financeira a pagar R$ 55.205, visando compensar dor de vítima que teve exposto o não cumprimento de metas de produtividade, segundo informações do ConJur. Ficou determinado ainda que a instituição deveria impedir que este comportamento se repetisse.

Outro caso, de 2017, julgado pelo TRT da 2ª região de São Paulo, acolheu o pedido de indenização por danos morais de um funcionário que teve fatos de sua vida expostos de modo vexatório por superiores. A desembargadora, Sônia Mascaro Nascimento, e os magistrados, condenaram a empresa a pagar R$ 10 mil em razão da ofensa.

O que torna procedente tais processos, consiste no fato de que, fofocas e boatos podem configurar dano moral e, neste sentido, serem passíveis de indenização, conforme explica o inciso X do Artigo 5º da Constituição Federal Brasileira:

“São invioláveis a intimidade, a vida privada, a honra e a imagem das pessoas, assegurado o direito a indenização pelo dano material ou moral decorrente de sua violação.”

Para que um empregado possa mover uma ação por dano moral nestes casos, são imprescindíveis provas que demonstrem a incidência das fofocas o envolvendo, bem como, possíveis prejuízos causados pelos boatos. Tais provas podem ser de ordem testemunhal ou documental – e-mails, mensagens via aplicativos, conversas no Facebook ou até mesmo gravações, para que assim fique evidenciada a ocorrência, extensão e dano da conduta lesiva.

Qual postura adotar diante de um boato no ambiente de trabalho?

Profissionalismo é sempre a melhor postura a ser tomada por funcionários diante de uma fofoca. Isso envolve a discrição e, acima de tudo, não colaborar para que um boato se espalhe, uma vez que, além de prejudicar um colega de trabalho, o funcionário pode sofrer sanções tanto internas como legais, haja vista que medidas como advertências, suspensões e em última instância até a dispensa por justa causa podem ser tomadas pelo empregador com intuito de coibir práticas lesivas aos empregados e principalmente ao ambiente de trabalho.

Que medidas podem auxiliar o profissional a não ser vítima de fofocas?

Qualquer profissional também pode adotar algumas ações que minimizem as chances de que ele se torne vítima de boatos em uma empresa. Evitar a superexposição, tanto para colegas quanto em redes sociais (que hoje fazem parte do dia a dia organizacional) é um importante passo neste sentido. Outra ação útil recomendada por especialistas é manter-se neutro em discussões e evitar a formação de “panelinhas” que podem favorecer a difusão de boatos.

Por parte das empresas, políticas claras de combate as fofocas, adotando, inclusive, punições internas para funcionários que estimularem a prática, são instrumentos necessários tanto para dar mais segurança para uma organização em eventuais casos envolvendo a justiça trabalhista, quanto para evitar que seu ambiente interno e a produtividade de seus colaboradores sejam afetados em virtude do excesso de boatos. Além disso, deve ser facilitado o acesso de seus colaboradores a canais de denúncia, que não deve ser limitado e exclusivamente realizado perante ao superior hierárquico direto do empregado denunciante, já que muitas vezes o superior é o responsável pela prática e conduta lesiva.

É, por fim, papel dos gestores, contribuir para a inibição das fofocas. Afinal de contas, como vimos aqui, elas podem gerar prejuízos muito mais sérios do que, talvez, pudéssemos supor, na fila do café.

Daniel Cristofi — Especialista em Previdenciário e membro da Grounds, empresa de consultoria inteligente especializada nas áreas contábil, tributária, trabalhista, previdenciária e financeira.

Dhyego Pontes — Especialista em Direto Trabalhista e membro da Grounds, empresa de consultoria inteligente especializada nas áreas contábil, tributária, trabalhista, previdenciária e financeira.

IMAGEM DO DIA: Quem seria o felizardo que recebeu água de carro-pipa da Caema enquanto a maioria dos ludovicenses está na seca?

Essa é simplesmente de lascar.

Um leitor do Blog do Robert Lobato enviou as seguintes imagens. Volto em seguida.

Comigo de novo
Ou seja, enquanto cerca de 159 bairros sofrem com os transtornos causados pela lambança feita dos Governo do Estado nas obras da nova adutora do sistema Italuís, algum privilegiado recebe o líquido da vez mais precioso na cidade de São Luis em carro que presta serviço para Caema, cuja finalidade seria abastecer apenas órgãos públicos. Que coisa!

Em tempo: Segundo o leitor que fez as imagens, o motorista estava procurando a casa certa, no bairro do Cohafuma, para abastecê-la e estacionou para pedir informação na residência que aparece acima. Seja como for, não deixa de ser sacanagem a Caema prestar um serviço do tipo para algum “chegado” do governo enquanto a cidade de São Luis está na seca.

Com a palavra, a velha e boa Caema…

Sobrecarga de obras na Sinfra pode explicar atrasos e problemas de Engenharia. OU: A única Engenharia que tem vez no governo Flávio Dino é a “Engenharia de Gogó” 4

O governo não prestigia o quadro de engenheiros de carreira, profissionais que foram escanteados a segundo plano por conta de questões políticas

Há uma reclamação muito grande entre empresários da construção civil, prestadores de serviços, prefeitos e mesmo técnicos de carreira do Estado quanto à concentração de obras sobre a responsabilidade da Secretaria de Estado da Infraestrutura (Sinfra).

Para início de conversa, o secretário da Sinfra não é da área da Engenharia e sequer foi visto ao lado do governador para ver o bagaço que foi o rompimento da nova adutora do sistema Italuís, por exemplo. Também pouco adiantaria, já que entende do assunto tanto quanto eu entendo física astronômica.

Ao que parece, segundo alguns técnicos, há uma concentração de tudo que obra na pasta da Sinfra. Nenhuma outra Secretaria de Estado licita, contrata ou executa obras, só a secretaria do Clayton Noleto. O governo levou tudo, absolutamente tudo pra lá, aí não tem equipe que dê conta de um Estado do tamanho do nosso fazendo obras de todo tipo.

Sem falar que é um governo que não prestigia o quadro de engenheiros de carreira, profissionais que foram escanteados a segundo plano por conta de questões políticas. O que também tem ocorrido no âmbito da Caema e no Detran, conforme apurou o Blog do Robert Lobato.

“No caso específico da Sinfra, a coisa complica ainda mais porque há uma equipe pequena sem autonomia para tomar decisões e na mão de um secretário que não possui experiência na área”, disse um experiente engenheiro consultado pelo Blog do Robert Lobato.

Enfim, pelo jeito a única Engenharia que tem vez no governo Flávio Dino é a “Engenharia de Gogó”, cujo engenheiro principal é o próprio.

Flávio Dino entrou pelo cano 6

Não tivesse metido o bedelho naquilo que não entende, o comunista não teria virado motivo de chacota nas redes sociais. Foi bem aí que Flávio Dino entrou pelo cano…

Mais do que simbólica a imagem do governador Flávio Dino em meio àquelas tubulações do que seria a nova adutora do Sistema Italuís.

Ao querer de posar de líder prático, que vai lá e enfrenta o problema de frente, em verdade o comunista acabou se dando mal.

Não porque esteve in loco para ver o bagaço feito pela incompetente Caema do senhor Davi Telles, mas pelo fato de não se conter em falar, falar, falar e acabar falando bobagem, como foi a história de dizer que pediu investigação para que a Polícia Civil investigasse o rompimento da adutora para o governo certificar-se de que não houve sabotagem contra a obra.

A pergunta dos internautas foi imediata: Se a Polícia Civil serve para investigar rompimento da adutora do Sistema Italuís, por que não serve para apurar o caso dos 400 fantasmas da Secretaria de Estado da Saúde? Faz sentido!

Tivesse mais calma e prudência, o governador não passaria o vexame de saber que o problema se deu exatamente no ponto onde houve alteração do projeto original feita no atual governo. Ou seja, se não tivesse metido o bedelho naquilo que não entende, Flávio Dino não teria virado motivo de chacota nas redes sociais.

Foi bem aí que Flávio Dino entrou pelo cano…

ELEIÇÕES 2018: Raimundo Monteiro é nome do PT para o governo 20

O partido deve caminhar para ser ator do seu próprio destino, dono dos seus próprios passos e sair das amarras de estar preso a este ou aquele grupo político

Como o Blog do Robert Lobato vem informando já há algum tempo, o PT pode desembarcar oficialmente do governo Flávio Dino (PCdoB) e partir para um voo solo em 2018.

O partido havia decido pelo apoio à reeleição do comunista durante o seu último congresso, mas atualmente a insatisfação é muito grande entre os petistas, inclusive a fração que sempre esteve ao lado do projeto Flávio Dino governador-65.

A exoneração do dirigente Márcio Jardim da Secretaria de Esporte e Lazer (Sedel), a postura submissa do atual presidente Augusto Lobato ao Palácio dos Leões – ele é assessor especial de Flávio Dino -, e a incapacidade do governador comunista de ver o PT como um todo e não apenas como “uma parte” são alguns dos motivos que podem precipitar a candidatura própria petista ao governo e ao Senado, e, por conseguinte, deixar o PCdoB em maus lençóis no ano que vem.

O fator Lula

Pesquisas de diferentes institutos mostram que Lula tem muita força no estado sendo ou não candidato a presidente da República. Se o ex-presidente vier ser candidato, melhor ainda para quem contar com o seu apoio, principalmente se for um candidato do PT.

E é exatamente neste ponto que o PT maranhense aposta num projeto político e eleitoral próprio, e o nome mais cotado para defender a bandeira e legado dos governos Lula e Dilma na campanha de 2018 é o de Raimundo Monteiro, ex-superientende do Incra e ex-presidente estadual do PT.

Além de ser da mesma corrente do Lula, Monteiro conta com ótimo transito entre as correntes internas do partido e é um lulista convicto desde sempre. Aliás, ele já foi candidato a governador em 2002 quando obteve 6,02% dos votos válidos ficando em terceiro lugar naquele pleito.

O fato é que o PT caminha para ser ator do seu próprio destino, dono dos seus próprios passos e sair das amarras de estar preso a este ou aquele grupo político.

Bons quadros o partido possui, inclusive se fizer um grande pacto interno para formar uma chapa forte de governador/vice e senadores/suplentes, além, claro, da chapa proporcional focando na reeleição de Zé Carlos, deputado federal; e na de Zé Inácio, deputado estadual; podendo, inclusive, ampliar bancada tanto na Câmara de Deputados quanto na Assembleia Legislativa. Resta saber se terá coragem.

Os movimentos até aqui caminham nesse sentido.

É aguardar e conferir.

ELEIÇÕES 2018: Ricardo Murad reúne imprensa para anunciar pré-candidatura ao governo e apresentar “Carta Compromisso” 10

O ex-secretário assegura que fará uma campanha propositiva e que não vai se limitar apenas a bater em Flávio Dino como muitos podem achar.

Amanhã, terça-feira, 12, o ex-secretário Ricardo Murad vai anunciar oficialmente que irá disputar o governo do Maranhão em 2018.

Em coletiva à imprensa, Ricardo reunirá a executiva do PRP para, além de ratificar a sua pré-candidatura de governador, apresentar uma “Carta Comprimisso” com várias propostas “inovadoras, arrojadas e viáveis para o nosso estado”, para usar as palavras do próprio pré-candidato.

Não obstante seja de um partido “nanico” praticamente sem tempo no horário gratuito de rádio e tevê, Ricardo Murad avalia que pode fazer uma boa campanha via redes sociais, debates e encontros presenciais pelo Maranhão afora.

O ex-secretário assegura que fará uma campanha propositiva e que não vai se limitar apenas a bater em Flávio Dino como muitos podem achar.

Farei uma campanha propositiva, pra cima e defendendo ideias e projetos viáveis para o Maranhão. Quem achar que limitarei a minha campanha a bater no Dino vai quebrar a cara, pois quero discutir o nosso estado, embora as criticas a essa gestão desastrosa do comunista serão invitáveis”, disse Ricardo ao Blog do Robert Lobato.

O lançamento da pré-candidatura de Ricardo Murad será feito no Hotel Luzeiros.

ELEIÇÕES 2018: Dirigente do PT propõe “reavaliação” da aliança com o PCdoB 2

Membro da executiva estadual do PT, Raimundo Teixeira, deixa subentendido que o caminho pode ser candidatura própria do PT em 2018, tese cada vez mais crescente no PT

O dirigente estadual do PT, Raimundo Teixeira, compartilhou em vários grupos da rede social do WhatsApp um texto em que recomenda uma reavaliação da posição do partido quanto o apoio à reeleição do governador Flávio Dino (PCdoB), caso os petistas não tenham uma vaga chapa majoritária liderada pelo comunista em 2018.

Mundico Teixeira, como também é chamado, considera que o governador começa dar sinais de que não está mais nos seus planos ter o PT dividindo espaço na chapa majoritária na medida que já escolheu os seus senadores e que trabalha para fazer com que Carlos Brandão continue seu vice, mas por outro partido, já que foi defenestrado do PSDB depois que o senador Roberto Rocha assumiu o comando do partido no estado.

“O governador Flávio Dino, aos poucos monta a sua tática que melhor possibilite a sua reeleição, pelo visto já definida sua Chapa majoritária, com o mesmo atual vice Brandão PSDB, Senadores Zé Reinaldo DEM, e Weverton Rocha PDT (…) É a maneira de minimizar o estrago que seus antigos aliados Roberto Rocha e Sebastião Madeira tentam impor ao governador, lhe retirando a legenda [PSDB]. Já com o PP,  Flávio Dino foi ainda mais rápido e ousado, quando percebeu que o partido mudará de comando, não titubeou, sacrificou um amigo seu (Márcio Jardim) exonerando-o da SEDEL e entregando a mesma ao deputado Fufuquinha, assegurando o novo comando do partido” (sic).

Por fim, o membro da executiva estadual do PT sugere que o partido reavaliei a sua decisão tirada no último congresso de apoiar reeleição de Flávio Dino e deixa subentendido que o caminho pode ser candidatura própria do PT em 2018, tese cada vez mais crescente no PT.

“Nós petista na atual conjuntura não escondemos de ninguém que, o centro de nossa tática é elegermos Lula presidente do Brasil novamente (…) Aqui no Maranhão temos decisão de nosso congresso que, além de Lula, propõe a reeleição do governador Flávio Dino, desde de que o PT faça parte da Chapa majoritária, as últimas decisão de Flávio Dino e do PC do B que no plano nacional lança Manuela D,ávila para presidente, nos dá sinais mais do que claros que sua tática mudou, e é mais que justo nós que temos no PC do B um parceiro estratégico, reavaliemos nossa tese do congresso“, escreveu Mundico.

O nome mais é lembrado para governador pelo PT nas eleições de 2018 é o do ex-superintendente do Incra no Maranhão e ex-presidente estadual do partido, Raimundo Monteiro.

Mas isso é assunto para outra postagem.

VÍDEO: “Quero levar as propostas de Geraldo Alckmin para o nosso Brasil que é o Maranhão”, afirma Roberto Rocha 2

Esta semana, durante a primeira reunião da nova executiva nacional do PSDB, será oficializada a Comissão Estadual Provisória do partido no Maranhão com o Roberto Rocha presidente da sigla do 45

O senador Roberto Rocha (PSDB) gravou vídeo onde destaca a eleição, por aclamação, do governador do estado de São Paulo, Geraldo Alckmin, presidente nacional dos tucanos, em convenção realizada no último sábado, 9.

Pré-candidato a governador, Roberto Rocha afirmou que irá organizar o PSDB local para oferecer um grande palaque para Alckmin no estado em 2018 quando o tucano disputará a sucessão de Michel Temer.

“Quero levar a sua voz [do Alckmin], sua mensagem, suas propostas para o nosso Brasil que é o Maranhão. E ficarei muito feliz em fazer o seu palanque, ele candidato a presidente da República e eu candidato a governador do estado”, assegurou.

Esta semana, durante a primeira reunião da nova executiva nacional do PSDB, será oficializada a Comissão Estadual Provisória do partido no Maranhão com o Roberto Rocha presidente da sigla do 45.

Confira a íntegra do vídeo com o senador tucano.

SISTEMA ITALUÍS: “Lambança”, assim resumiu Andrea Murad a “barbeiragem” de Flávio Dino com a nova adutora 4

“Alteraram o projeto, fizeram aditivo de 25%, mudaram o local e a forma de conexão da nova adutora, e deu no que deu. Deveriam ter deixado a mesma equipe técnica, mas a vaidade de Flávio Dino não deixou. Isso é decorrência da gestão criminosa de Davi Teles”

A deputada estadual Andrea Murad (PMDB) usou a rede social do Facebook para bater forte no governo Flávio Dino em relação ao rompimento da nova adutora do Sistema Italuís, ocorrido neste domingo, 10, e que deixou a capital maranhense sem água.

“Amadorismo e incompetência, além de covarde, a explicação de Flávio Dino para o desastre acontecido na ativação da nova adutora da Caema, projetada e construída na gestão do ex-deputado Ricardo Murad, no governo de Roseana”, escreveu.

A deputada oposicionista afirmou ainda que o governo Flávio Dino alterou o projeto original da nova adutora, deixado pelo governo Roseana Sarney (PMDB), aditivando-o em 25%. A peemedebista se referiu a atual gestão da Caema, sob comando do advogado Davi Teles, como sendo “criminosa”.

“Alteraram o projeto, fizeram aditivo de 25%, mudaram o local e a forma de conexão da nova adutora, e deu no que deu. Deveriam ter deixado a mesma equipe técnica, mas a vaidade de Flávio Dino não deixou. Isso é decorrência da gestão criminosa de Davi Teles”, detonou.

Leia a íntegra do comentário a brava deputada Andrea Murad:

MAIS UMA LAMBANÇA DE FLÁVIO DINO.
NOVA ADUTORA NÃO FUNCIONA E A VELHA ESTÁ SENDO REATIVADA.

Amadorismo e incompetência, além de covarde, a explicação de Flávio Dino para o desastre acontecido na ativação da nova adutora da Caema, projetada e construída na gestão do ex-deputado Ricardo Murad, no governo de Roseana.

Culpar as empresas privadas, que ganharam a licitação e construíram a obra com o acompanhamento da equipe técnica da Caema, apenas para se justificar perante a opinião pública, demonstra a falta de caráter e espírito de liderança do governador. Fosse o ex-deputado Ricardo Murad e o engenheiro João Moreira Lima, ex-presidente da Caema, a conduta seria outra. Uma tristeza para o Maranhão ter de aguentar tanta incompetência e cinismo.

Alteraram o projeto, fizeram aditivo de 25%, mudaram o local e a forma de conexão da nova adutora, e deu no que deu. Deveriam ter deixado a mesma equipe técnica, mas a vaidade de Flávio Dino não deixou. Isso é decorrência da gestão criminosa de Davi Teles.

Pra este sim deveria chamar a polícia. Mas pra resolver a lambança que provocou, Flávio Dino deveria chamar quem entende, ou seja, a diretoria anterior, a equipe técnica e competente que concebeu o projeto desde o início dessa grande obra que hoje se transformou num verdadeiro pesadelo para milhares de moradores que estão há dias sem água.

A nova adutora, construída para melhorar o abastecimento de água de São Luís, que sofre há anos com a falta de água, agora não tem nem prazo para acontecer. Vamos continuar com a velha adutora. Tristeza.