REFLEXÃO: A medida certa das coisas 2

“Em seu coração
o homem planeja o seu caminho,
mas o Senhor determina
os seus passos.”
(Provérbios 16:9)

Conversando com grande amigo logo cedo, na manhã da última sexta-feira, ele me dizia que estava dois meses sem ingerir bebida alcoólica. Havia chegado à conclusão que estava “bebendo muito” e “bicho solto”.

O amigo é casado, aliás, bem casado, posto que a sua esposa é muito bela, educada e distinta, como diriam os mais velhos.

Pessoa de fé, homem de Deus, esse amigo me fez refletir sobre as limites que temos nos impor em tudo nesta vida. Lembram dos ditos populares “Tudo demais é sobra” e “Tudo em excesso faz mal?” Pois é.

A sabedoria está em encontrar o limite das coisas, o ponto de equilíbrio para fazer o que gostamos sem exageros que, ao invés de trazerem prazer, trazem sofrimento. Isso vale pra tudo: bebidas, baladas, e até mesmo sexo e dinheiro. Nada que nos escraviza é sadio!

Claro que fiquei feliz em saber que o dileto amigo em questão percebeu que estava “passando dos limites”.

A mitologia grega, por exemplo, nos ensina muito sobre o impor, a nós,o “metron”, ou seja, a medida, um limite.

Deixo para os leitores um trecho do livro  “O despertar do herói interior”, de Carol S. Pearson.

Desejo a todos um ótimo e abençoado domingo para todos.

As histórias a respeito de heróis são profundas e eternas. Elas ligam os nossos próprios anseios, desgostos e paixões às experiências dos que vieram antes de nós, de modo que podemos aprender algo a respeito da essência do significado de ser humano, e também nos ensinam de que forma estamos ligados aos grandes ciclos dos mundos natural e espiritual. Embora os mitos que podem dar significado a nossas vidas sejam profundamente primitivos e arquetípicos, às vezes nos inspirando terror, eles também têm a capacidade de libertar-nos de modos de vida falsos e fazer com que passemos a ter uma vida de verdade. Se evitarmos o que T.S. Elliot chamou de ‘terror primitivo’, perderemos nossa ligação com a intensidade e o mistério da vida. O encontro da nossa ligação com esses padrões eternos proporciona-nos um senso de significado e importância até mesmo nos nossos momentos mais penosos e alienados, recuperando dessa maneira a dignidade da vida.

UNEPP: Evento da entidade foi um sucesso

Nesta segunda-feira, 10, o Blog do Robert Lobato contará como foi o evento da União Nacional de Ex-prefeitos e Prefeitos do Brasil (UNEEP).

Bastante disputado, o evento aconteceu na noite de ontem, sábado, 8, no Espaço Mágico, e contou com a presença de várias autoridades públicas e privadas que abrilhantaram a segunda versão do que caminha para ser uma tradição qualificada e de credibilidade em homenagens a quem luta por um Maranhão mais justo, solidário e fraterno.

É amanhã, aqui no nosso Blog do Robert Lobato.

SANTA RITA: Ponte de Areias entra na reta final de conclusão

O prefeito de Santa Rita, Hilton Gonçalo, mais uma vez deu o exemplo de bom gestor. No sábado (8), o próprio colocou a mão na massa e ajudou na instalação da pré-laje da Ponte de Areias, ela liga diversos povoados do municipio que são cortados pelo rio Itapecurú. A obra entrou na reta final de conclusão e a expectativa é que ela seja entregue nos primeiros meses de 2019.

Hilton Gonçalo iniciou a obra de construção da ponte sobre o rio Itapecuru no ano de 2011, após um convênio entre a Prefeitura e o Governo do Estado, e tinha previsão para ser entregue em maio de 2015. Porém ao deixar o comando de Santa Rita no final de 2012, o sucessor não deu continuidade aos trabalhos.

Ao voltar a Prefeitura de Santa Rita em janeiro de 2017, Hilton colocou como meta concluir a Ponte de Areias e não havendo mais o convênio entre municipio e estado, o gestor deu continuidade as obras com os recursos próprios do poder público municipal, demonstrando seu compromisso com a população da cidade.

A Ponte de Areias para muitos é só um sonho que nunca será realizado, mas Hilton Gonçalo vai transformando em realidade uma obra, que é desejo de muitos habitantes de Santa Rita.

O prefeito ainda dá o exemplo de que além de boa administração dos recursos públicos, ele literalmente fiscaliza e ajuda nas obras do município, botando a mão na massa.

Gestão de crises: o que podemos aprender com o caso Carrefour

Um segurança de uma unidade da rede Carrefour de supermercados foi acusado de ter envenenado e espancando um cachorro que vivia no estacionamento da loja. O que a empresa poderia ter feito para lidar com a situação?

Ana Carolina Alves, via administradores.com.br

O Carrefour está enfrentando uma crise de imagem nas redes sociais após circular a notícia de que um de seus funcionários supostamente teria envenenado e espancando um cachorro que vivia no estacionamento de uma de suas lojas. Não vamos entrar na questão da responsabilidade sobre o caso ou acusar a empresa: mesmo sem investigações ou qualquer conclusão definitiva sobre o episódio, o caso já gerou comoção nas redes sociais. ONG’s de proteção animal, famosos e artistas se manifestaram e pediram um posicionamento da empresas, e muitos se chatearam ao receberem textos prontos.

Ao emitir uma nota de esclarecimento, o Carrefour afirmou que “a rede repudia qualquer tipo de maus-tratos contra animais”. Mas isso basta? Na era das redes sociais, não. Empresas que não se posicionam perdem credibilidade e enfraquecem sua própria marca. Esse é um momento de gestão de crise e cabe às empresas preparar seus funcionários para enfrentá-los.

Mas, afinal, o que é gestão de crise e por que as empresas precisam estar prontas para isso?
Gestão de crise é a atividade que tem a função de minimizar, reduzir e, claro, reverter os impactos negativos causados por um fato ou situação. A estratégia deve ser tomada para que a empresa tenha o menor prejuízo possível em questões financeiras e, principalmente, reputacionais. Então, por que as empresas brasileiras não estão preparadas para gestão de crise? Abaixo, listo os três principais motivos:

1. Modelos de gestão engessados
As empresas tradicionais do mercado brasileiro ainda estão em grande parte atrasadas no modelo de gestão da comunicação, principalmente no setor de mídias digitais. Os modelos antigos de comunicação não estão alinhados com a rapidez da internet, nem com a necessidade de um posicionamento preciso no momento de crise.

2. Investir no setor de vendas e não na comunicação integrada
As empresas tendem a investir muito em marketing para venda e geração de lucro e pouco se investe em comunicação interna e institucional. A comunicação institucional é quem define e apresenta a identidade da empresa para seus públicos, entre eles clientes e empregados. Quando um empregado da organização está ciente e é orientado sobre a identidade institucional da mesma, um vínculo é estabelecido através de estratégias de comunicação e relacionamento. Quando essa relação torna-se forte e estável, diminui a possibilidade de que o empregado pratique ações que não sejam condizentes com a identidade da empresa.

3. As empresas não antecipam possíveis cenários
Quando uma empresa investe em planejamento estratégico ela consegue antecipar cenários e estabelecer ações e estratégias que podem ser tomadas em uma gestão de crise. Definir quais são as diretrizes e a postura que a empresa deve assumir em relação a temas diversos ajudam a direcionar a equipe de comunicação e de relacionamento com o cliente a saber a forma certa de agir em momentos críticos.

O que uma empresa em momento de crise pode fazer?

Humanizar a nota de esclarecimento

Textos prontos, práticas antigas e com linguagem fria que não promove o bom relacionamento e empatia entre a empresa e o público não são mais bem aceitos e só distancia ainda mais o cliente, que não se identifica com a marca.

Declarar investimento em ações sociais para animais que sofrem maus tratos

Após o primeiro momento de pedir desculpas e assumir a responsabilidade, a empresa pode criar uma série de ações para tentar reparar o dano causado. No caso do Carrefour, ainda que a empresa mostre que não tem culpa no episódio, sua imagem já está sofrendo duras críticas nas redes sociais, e algumas ações já seriam interessantes de serem tomadas, como apoiar ONG’s e instituições que cuidam de animais, ou anunciar futuras ações da empresa de conscientização sobre maus tratos. O que não é aceitável, em qualquer caso de gestão de crise, é perder o timing e deixar de ser proativo.

Por que as pessoas mentem para os médicos?

Gabriel Alves, via Folha de SP
As pessoas, vez ou outra, mentem para os médicos e outros profissionais da saúde. Mas qual o sentido de mentir se, quanto mais o profissional sabe a respeito do paciente, melhor é o cuidado?

Um estudo americano conduzido com 4.510 indivíduos aponta que de 60% a 80% das pessoas (idosos e jovens, respectivamente) omitem ao menos uma informação importante de seus médicos, como:

  • não entender as instruções dadas pelo profissional de saúde;
  • discordar das recomendações;
  • não se exercitar regularmente;
  • ter dieta não saudável;
  • tomar determinado medicamento;
  • não seguir as instruções de prescrição;
  • tomar medicamento de outra pessoa.

Várias são as explicações para as omissões de informações importantes. As cinco respostas mais citadas foram estas:

  • evitar ser julgado ou levar sermão;
  • não querer sabe o quão perigosa foi a atitude em questão;
  • vergonha;
  • não passar a impressão de que é um paciente difícil de lidar;
  • não tomar muito tempo do profissional.

Além do óbvio, que pacientes (especialmente os enfermos) podem ser mal assistidos por causa das informações incorretas ou faltantes, os autores concluem que é preciso encontrar meios de melhorar o nível de confiança entre pacientes e profissionais de saúde e de deixar os pacientes confortáveis para falar o que tem que ser dito.

“Fiquei surpresa com o número substancial de pessoas que não fornecem informações inofensivas, e que elas admitem isso”, diz Andrea Gurmankin Levy, autora do estudo e pesquisadora na Middlesex Community College, em Middletown (Connecticut, EUA). “Nós também temos que considerar uma interessante limitação do estudo de que os pacientes podem ter escondido informações sobre o que escondem dos médicos, o que significaria que estamos superestimando o quão prevalente é esse fenômeno.”

“Se pacientes não falam o que comem ou que remédio tomam, pode haver implicações significativas para a saúde. Especialmente se eles têm doenças crônicas”, diz Levy.

A pesquisa está publicada na revista Jama Network Open.

TRE-MA aprova contas eleitorais de Neto Evangelista

O Tribunal Regional Eleitoral (TRE-MA) aprovou, na quarta-feira (05), a prestação de contas de campanha do deputado Neto Evangelista (DEM). O parlamentar concorreu ao seu terceiro mandato pela coligação “Todos pelo Maranhão 3”, sendo eleito com cerca de 50 mil votos.
As contas foram aprovadas com ressalvas, porém, consideradas insuficientes para que se cogitasse desaprovação. A cerimônia de diplomação da próxima legislatura acontece no dia 18/12, às 16h, no Centro de Convenções “Governador Pedro Neiva de Santana”.

ELEIÇÕES 2020: Enquete do blog tem boa repercussão na classe política 4

A enquete encerra no próximo dia 21 de dezembro, lembrando que o Blog do Robert Lobato fará novos levantamentos a cada seis meses até as eleições de outubro de 2020.

Continua tendo boa participação dos leitores, além de uma ótima repercussão na classe política, a enquete “Em quem você votaria para prefeito de São Luis em 2020?”, feita pelo Blog do Robert Lobato.

Até às 8h10 desta sexta-feira, 7, a enquete já contabilizava exatos 22.866 votos!

O vereador licenciado e atual secretário de Governo da Prefeitura de São Luis, Ivaldo Rodrigues (PDT), segue liderado o levantamento com 29% dos votos, o equivalente a 6.563 cliques.

O ainda deputado estadual e futuro deputado federal Eduardo Braide (PMN) está em segundo lugar com 5.537 votos ou 29% da escolha dos leitores.

Em terceiro lugar, aparece o deputado estadual reeleito Wellington do Curso (PSDB) com 5.306 votos, ou seja, 23% do total da votação.

A enquete encerra no próximo dia 21 de dezembro, lembrando que o Blog do Robert Lobato fará novos levantamentos a cada seis meses até as eleições de outubro de 2020.

Então, continue participando e comentando sobre os números desta primeira enquete do nosso Blog do Robert Lobato.

É isso aí.

MAIS IMPOSTOS: Em artigo, Fábio Câmara faz duras críticas a Eduardo Braide 8

O ex-vereador afirma ainda que Eduardo Braide, ao pedir vistas do projeto governista para ter tempo hábil de conhecer melhor a matéria, decidiu “não decidir”.

O ex-vereador e ex-candidato a prefeito de São Luis, Fábio Câmara (PSL) divulgou, pelas redes sociais, um artigo onde faz duras críticas ao voto de abstenção do deputado estadual Eduardo Braide (PMN) em relação ao projeto do governo Flávio Dino (PCdoB), aprovado na última quarta-feira, 5, que voltou a aumentar alíquotas de impostos no estado.

Na avaliação de Fábio Câmara, o parlamentar abriu mão do “direito e do dever de votar”. O ex-vereador afirma ainda que Eduardo Braide, ao pedir vistas do projeto governista para ter tempo hábil de conhecer melhor a matéria, decidiu “não decidir”.

O Blog do Robert Lobato reproduz, a seguir, a íntegra do artigo de Fábio Câmara. Confira.

“À Mulher de César Não Basta Ser Honesta. Ela Tem Que Parecer Honesta!” (Júlio César)

Quando um parlamentar PEDE VISTAS de um projeto, ele o faz tendo em mente se embasar melhor sobre a matéria para, em seguida, POSICIONAR-SE. Abster-se de votar corresponde ao cúmulo da negação do direito e do dever. Não faz sentido nenhum, e eu falo com a propriedade de ter sido líder da oposição na câmara de vereadores, publicitar ao povo que o executivo está usando a sua caneta como chibata e, na hora de eu intervir contrariamente ao castigo, tudo o que eu decido fazer é calar-me e fechar meus olhos diante dos açoites.

Braide pediu vistas porque não tinha tido tempo hábil para ver o projeto. Só que, depois de o ter visto e conhecido, sobre o mesmo, decide NÃO DECIDIR. Mas, essa não é a primeira e, certamente, não será a última incoerência do Braide. Braide candidato a prefeito de São Luís foi aguerrido no primeiro turno e apagado e submisso no segundo turno.

O Braide que concorreu valentemente à prefeitura partindo de 3% nas pesquisas e com um partido sem dinheiro e sem tempo de televisão, VIROU um Braide que se negou a concorrer ao governo do Estado, ainda que figurando nas pesquisa com percentuais próximos a 15%, com partidos se oferecendo para acolhê-lo e com um ex governador disposto a acompanhar seus passos.

E, agora, um deputado de segunda é o Braide que mostra a cara convocando o povo para votar NÃO ao aumento de impostos e que se transforma num deputado de quarta, abstendo-se, escondendo a voz para dizer um SIM ao mesmo povo por ele convocado.

Poder ABSTER-SE É LEGAL. Porém, é MORAL? Com a palavra para o julgamento e determinação do veredicto, tal qual Júlio César, O POVO DO MARANHÃO.

MAIS IMPOSTOS: Voto firme de Wellington do Curso e as eleições de 2020

O deputado Wellington do Curso saiu fortalecido ao votar contrário ao aumento de impostos e se consolidou como o principal oposicionista ao governo Flávio Dino no parlamento maranhense.

“Estejam vigilantes, mantenham-se firmes na fé, sejam homens de coragem, sejam fortes.”
(1 Coríntios 16:13)

Ainda repercute a sessão da Assembleia Legislativa do Maranhão que aprovou o Projeto de Lei 239/2018, de autoria do Governo do Estado, que aumenta alíquotas de impostos no estado.

Na visão do governo Flávio Dino (PCdoB) trata-se de um “Pacote Anticrise”, mas para a oposição não passa de mais um “Pacote de Maldades” comunista.

Entre os que votaram contra e a favor, além do voto solitário de Eduardo Braide (PMN) pela abstenção, há de fazer-se um reconhecimento pela posição do deputado Wellington do Curso (PSDB) que se manteve inexorável na sua condição de parlamentar oposicionista, sem ter medo ou vacilar politicamente.

Tal como o seu colega Eduardo Braide, Wellington de Curso também gravou um vídeo no plenário comentando sobre o ânimo dos seus pares em relação ao projeto governista que aprofunda a gula do Palácio dos Leões por impostos. Só que, ao contrário de Eduardo, o bravo Wellington continuou contra a proposta de aumentar impostos mesmo após a gravação do vídeo.

Ambos os parlamentares concorreram ao cargo de prefeito em 2016: Eduardo Braide ficou em segundo lugar no pleito com 45.66% dos votos, indo para o segundo turno; e Wellington do Curso saiu das urnas em terceiro lugar obtendo 19.80% dos votos válidos.

As eleições municipais de 2020 ainda estão distantes, mas as articulações já ocorrem nos bastidores e tempo passa rápido.

Não possível avaliar, com um grau de segurança razoável, se a votação do assim chamado “Pacote de Maldades” do governo terá alguma influência na campanha de prefeito daqui a dois anos, ou seja, se o eleitor levará em conta quem votou a favor, contra ou se absteve do processo na Assembleia Legislativa.

De qualquer forma, claro que o deputado Wellington do Curso saiu fortalecido ao votar contrário ao aumento de impostos e se consolidou como o principal oposicionista ao governo Flávio Dino no parlamento maranhense.

E assim deverá se posicionar até 2020.

O que não é nada mau para quem ainda acalenta o sonho de ser prefeito de capital maranhense.

É aguardar e conferir.

VÍDEO: Em aparte ao senador Paulo Paim, senador Roberto Rocha comenta sobre pobreza extrema no MA 6

O parlamentar tucano voltou a defender o desenvolvimento econômico como o caminho para que o nosso estado possa superar esse quadro de pobreza extrema que insiste a tirar o sono do povo maranhenses.

Em pronunciamento da tribuna, nesta quinta-feira (6), o senador Paulo Paim (PT-RS) lamentou o aumento da pobreza no país. De acordo com pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mais 2 milhões de pessoas passaram a viver nessa situação no Brasil em 2017.

Ao pedir um aparte ao parlamentar petista, o seu colega de plenário senador Roberto Rocha (PSDB) citou o caso do Maranhão que, infelizmente, lidera o ranking da pobreza extrema no país, conforme últimos dados do IBGE divulgados ontem, quarta-feira, 6 (reveja aqui).

Roberto Rocha voltou a defender o desenvolvimento econômico como o caminho para que o nosso estado possa superar esse quadro de pobreza extrema que insiste a tirar o sono do povo maranhenses.

Confira o aparte do senador maranhense.