Luis Fernando abre programação especial de fim de ano com entrega de escola, ônibus e várias ações

Após as festividades do aniversário da cidade, o prefeito ribamarense encerra o ano, entregando outro grande pacote de obras nas mais variadas áreas de gestão.

O prefeito de São José de Ribamar, Luis Fernando Silva, deu início na manhã desta quinta-feira, (13), a uma grande programação de Fim de Ano, que inclui a entrega de um grande pacote de obras, como equipamentos, assinaturas de novas ordens de serviços, reconstrução de importantes equipamentos voltados ao lazer e entretenimento e shows na virada. A programação segue até o dia 31 de dezembro, inclusive com direito a atrações culturais no réveillion.

A programação teve início pela localidade do Riozinho. No bairro, o prefeito ribamarense entregou a reforma e ampliação da unidade escolar São José, que atende hoje 386 alunos nos turnos matutino e vespertino, na oferta da educação infantil e ensino fundamental. Com a entrega aumenta para 81 o número de equipamentos escolares já entregues na gestão do prefeito.

A escola, que passou por sua única reforma e ampliação em 2006, quando da administração do prefeito Luis Fernando, passou o período da última administração completamente esquecida, realidade classificada pelo prefeito como “dura e cruel” para as crianças que não merecem.

“É lamentável perceber que tanto tempo se passou para que a comunidade escolar tivesse de volta um equipamento digno para que as crianças sentissem orgulho e estímulo para estudar. Hoje com muita alegria devolvemos a escola ampliada e com o conforto devido, tanto para as crianças quanto para os profissionais que aqui trabalham”, disse o prefeito.

A Escola São José agora conta com três novas salas, o que amplia para seis o número de salário de aula, uma sala de informática, sala de professores, cantina, sala de diretoria e sala de secretaria.

Em seguida, acompanhado do deputado federal Júnior Marreca, o prefeito fez a entrega oficial de 15 novos ônibus escolares, fruto de emenda parlamentar do parlamentar. Com a entrega, não apenas aumenta o efetivo que atende a demanda escolar da rede municipal de ensino, como também oferece mais conforto para os estudantes ribamarenses.

“Tomei posse e assim como as demais áreas, a educação estava sucateada, sem escolas e sem ônibus. Hoje não entregamos apenas um, e sim quinze novos ônibus e claro que não posso deixar de agradecer ao deputado Júnior Marreca que sensível a causa da reconstrução do município, contemplou o município com sua emenda”, agradeceu.

O deputado, bastante feliz, falou de sua satisfação em colaborar pelo desenvolvimento do município, principalmente numa área tão sensível que é a educação. “O prefeito Luis Fernando tem o nosso respeito e admiração, acima de tudo porque é um excelente gestor e sabemos que o recurso que se configura nos ônibus, serão utilizados em prol da reconstrução da educação, uma das principais áreas de qualquer gestão”, completou.

Ainda como parte da programação especial de Natal, o prefeito também abriu a Feira do Programa Mais Renda e Artesanato. De forma inédita no município, a iniciativa visa estimular os pequenos empreendedores locais que participam dos programas Mais Renda e Arranjo Produtivo, na exposição e comercialização dos produtos agrícolas e artesanais. A feira será realizada sempre as quintas-feiras.

Em seguida foi a vez da certificação de conclusão de mais de 230 jovens que participaram dos cursos do Caminhão da Juventude. Os cursos profissionalizantes oferecidos pela Prefeitura e coordenado pela Secretaria Municipal de Juventude (SEMJUV), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (SENAC), já são considerados um marco na vida dos jovens.

O secretário da juventude, Antônio Filho, lembrou que foi na gestão do prefeito Luis Fernando que os jovens começaram a sonhar. “Hoje os jovens ribamarenses voltaram a ter sonhos, planos e projetos. O caminhão da juventude criado na gestão do prefeito Luis Fernando e abandonado por anos pela gestão passada, agora cumpre sua verdadeira missão que é promover cidadania e inserir os nossos jovens no mercado de trabalho”, agradeceu o secretário.

Nesta edição, foram oferecidos os cursos nas áreas de cursos de Informática Básica, Web design, Edição de Imagem, Fotografia Digital, Impressão 3D, Logística e Distribuição, além de Gestão Documental, Excelência em Vendas, Excelência em Atendimento ao Público, Ferramentas de Planejamento, Gestão Empresarial e Práticas Administrativas ministrados pelo SENAC.

Durante toda a programação que abriu as festividades de Natal, também estiveram presentes os vereadores Manoel do Nascimento, Vereador Cristiano Pinheiro, líder do governo, Cássio Salis, Marlene Monroe e Nádia Barbosa, além do vice-prefeito Eudes Sampaio.

SAÚDE: O governo Flávio Dino e volta das “procissões de ambulâncias”

O governador ainda acho o máximo sair distribuindo ambulâncias a torto e a direito para as prefeituras sem estruturar o sistema estadual de saúde nos municípios, não sabendo que está apenas estimulando o caos nos hospitais da capital como corajosamente denunciou o médico Alan Roberto Costa Silva.

Paciente deita no chão no Socorrão I, em São Luís — Foto: Douglas Pinto/TV Mirante.

O médico Alan Roberto Costa Silva, que trabalha na emergência do Hospital Djalma Marques, o “Socorrão I”, criticou prefeituras do interior e o governo do estado devido a situação crítica pela qual passa o hospital do Centro de São Luís.

Nesta quinta-feira (13), foram flagrados pacientes lotando os corredores em macas e um homem, com um curativo na cabeça, estava deitado no chão do hospital. A situação é tão grave que o médico informou que quarto pacientes morreram nos corredores esperando por cirurgia, sendo três nessa quarta e um nas primeiras horas de quinta.

As informações estão em matéria publicada no site de noticias G1 Maranhão e atestam o estado de falência em que se encontra o sistema de saúde do estado sob o governo de Flávio Dino (PCdoB).

Na matéria, o médico Alan Roberto Costa Silva culpa o governo comunista pelo estado crítico dos atendimentos tanto no Socorrão I quanto no Socorrão I, afirma que a culpa não do município e fala também em desmonte da saúde.

“O problema dos Socorrões I e II não é São Luís, mas é sim o interior do estado e mais recentemente um verdadeiro desmonte que o governo do estado está fazendo na saúde, e o município é que está sofrendo as consequências. Estamos à beira, realmente, de um colapso” (…)  , disse o médico.

Médico culpa prefeituras e governo por superlotação no Socorrão 1.

A atual situação do sistema de saúde remete aos tempos em que havia no Maranhão as famigeradas “procissões de ambulâncias”, ou seja, com a saúde no interior do estado não funciona e os município não contam com o apoio do governo, os prefeitos encaminham os enfermos para São Luis fazendo que unidades de saúde como os Socorrões fiquem superlotadas.

E o pior é que o governador acha o máximo sair distribuindo ambulâncias a torto e a direito para as prefeituras sem estruturar o sistema estadual de saúde nos municípios, não sabendo que está apenas estimulando o caos nos hospitais da capital como corajosamente denunciou o médico Alan Roberto Costa Silva.

Ambulâncias estacionada no pátio do Palácio dos Leões prontas para as “procissões”.

SANTA RITA: Hilton Gonçalo antecipa 13º salário dos servidores

A Prefeitura de Santa Rita concluiu nesta quinta-feira (13), o pagamento do 13º salário de todos os servidores da administração municipal. A medida é mais uma demonstração do comprometimento do prefeito Hilton Gonçalo com o funcionalismo público e também honrando os direitos trabalhistas.

A data limite para pagamento do 13º é no dia 20 de dezembro, porém a administração municipal antecipou em uma semana, iniciando na quarta-feira (12) e concluindo nesta quinta-feira. O objetivo do prefeito Hilton Gonçalo também é garantir injeção de dinheiro na economia local, garantindo a circulação monetária e o fluxo normal do comércio.

Desde que assumiu a Prefeitura de Santa Rita, o prefeito Hilton Gonçalo tem antecipado os salários dos servidores bem como todos os direitos trabalhistas estão sendo pagos, como férias e 13º salário.

ELEIÇÕES 2020: É de um publicitário petista a ideia do projeto “Márcio Jerry prefeito-65” 2

Na avaliação do petista, que é um dos líderes da corrente Esquerda Popular Socialista (EPS), a candidatura de Márcio Jerry é viável e pode contar ainda com um nome do PT na condição de vice-prefeito numa eventual chapa liderada pelo comunista.

É do amigo, publicitário e jornalista Eri Castro, a ideia de fazer do deputado federal eleito e atual secretário de Estado da Comunicação Social, Márcio Jerry(PCdoB), candidato a prefeito de São Luis nas eleições de 2020.

Tudo começou quando da visita do ex-candidato a presidente pelo PT, Fernando Haddad, a São Luis no segundo turno da eleição presidencial, em outubro passado.

Eri teve uma agenda política com o homem forte do governo Flávio Dino logo após a caminhada com Haddad, no bairro do Anil, e apresentou a proposta para o agora deputado federal eleito.

Na avaliação do petista, que é um dos líderes da corrente Esquerda Popular Socialista (EPS), a candidatura de Márcio Jerry é viável e pode contar ainda com um nome do PT na condição de vice-prefeito numa eventual chapa liderada pelo comunista – aliás, Márcio está incluindo na enquete do Blog do Robert Lobato sobre em quem votar para prefeito de São Luis em 2020 e está atualmente com 26 votos dos leitores – a enquete encerra na próxima sexta-feira, 21.

A princípio, presidente estadual do PCdoB teria resistido ao projeto “Márcio Jerry prefeito-65” idealizado por Eri Castro, mas, ao que parece, depois de uma entrevista concedida para “amigos da imprensa”, realizada ontem, quinta-feira, 13, o comunista já vê com bons olhos tal projeto.

Teria Márcio Jerry sido picado pela mosca azul, ou melhor, pela “mosca vermelha”?

A conferir.

“Com Flávio Dino, a saúde no Maranhão está à beira do colapso”, alerta deputado Wellington

Falta de medicamentos, corrupção e desvio de recursos da saúde, demissão em massa de médicos e precariedade quanto à infraestrutura de hospitais. Essa é a descrição do sistema público de saúde no Maranhão, objeto de discussão do deputado Wellington do Curso, na Assembleia Legislativa. Entre os principais pontos, o deputado Wellington ponderou os relatos de médicos e de pacientes que não aguentam mais conviver com o descaso na saúde pública.

Ao abordar o caso, o deputado Wellington alertou a Flávio Dino que com a saúde das pessoas não se brinca e enfatizou que permanecerá firme combatendo o descaso do atual Governo.

“A saúde pública no Maranhão está à beira de um colapso. O governador Flávio Dino tem ido na contramão do que o nosso estado precisa: as UPA’s estão reduzindo os atendimentos; médicos estão sendo demitidos; medicamentos e demais insumos estão em falta. Enquanto isso, o governador insiste em fazer a propaganda de uma saúde que não existe. Em duas operações da Polícia Federal os relatórios apontam corrupção sistemática e continuada. E esses recursos que foram desviados na saúde ainda não foram devolvidos. Estamos atentos e vigilantes e não permitiremos que Flávio Dino continue brincando com saúde das pessoas”, afirmou o deputado Wellington ao alertar sobre o caos enfrentado pela população na saúde pública maranhense.

‘Ainda questionam uma mulher na cadeira principal’, diz Rachel Maia

CEO da Lacoste no Brasil afirma que ainda enfrenta dificuldade por causa do gênero e que diversidade é a saída para mudar empresas

Executiva já comandou as operações das joalherias Tiffany e Pandora no Brasil

via blog Capitu

Rachel Maia chegou ao topo. Aos 47 anos, a executiva tem uma trajetória invejável no mundo dos negócios. Já comandou as operações das joalherias Tiffany e Pandora no Brasil e, em novembro, assumiu o cargo de CEO da Lacoste, gigante do luxo que tem no País um de seus maiores mercados. O currículo impressionante é ainda mais pontuado pelo fato de que Rachel faz parte de um grupo muito restrito: o de mulheres negras com cargos de CEO em grandes empresas.

Apesar de ser uma figura estabelecida no universo dos negócios, ela afirma que não está imune ao preconceito. “Com certeza as pessoas questionam o porquê de uma mulher estar sentada na cadeira principal”, diz Rachel. “Mas aí você mostra suas qualificações e competência. A razão de eu estar sentada aqui é minha capacidade de fazer a roda girar.”

Em uma conversa com o Estado, Rachel fala sobre os desafios de ser uma mulher no mundo corporativo, e dá dicas para aquelas que querem seguir este caminho. “Capacitar-se é se empoderar.”

Leia, a seguir, os principais trechos da entrevista:

A senhora já disse que, por ser uma mulher negra, representa apenas 0,4% dos CEOs de empresas globais no Brasil. Desde que virou CEO, em 2010, tem notado mudanças? Ou ainda estamos andando a passos lentos em direção a uma situação mais igualitária?

Sinto que a alta gestão, aqueles que fazem a roda girar, querem entender como tratar esse tema. Porque não é um tópico tão simples. Existe um desafio para compreender como fazer tudo isso se encaixar. É quase um quebra-cabeças. Mas eu vejo que existe abertura para montar esse quebra-cabeças.

Mas ainda estamos longe de solucionar a questão?

Existem pessoas pensantes olhando para esse tema. Se você perguntar: ‘Rachel, você já consegue ver a imagem do quebra-cabeças?’. Ainda não. Tem uma fase que fica mais fácil, que já dá para visualizar o que estamos montando. Ainda não estamos lá, mas existe essa vontade de montar.

Então as mulheres ainda enfrentam desafios no mundo corporativo?

Sim, é indiscutível. Enfrentam porque, até pouco tempo atrás, o núcleo das empresas era perfil padrão. Homens, brancos, de uma idade x, que viessem de faculdade x ou y, que falassem a língua x. E aí a mulher disse: ‘Eu também quero’. Acho que isso é muito bacana. Nós estamos procurando as ferramentas para fazer parte desse mundo.

E você? Ainda enfrenta dificuldades por ser mulher?

Ah, enfrento sim. A gente não anda com o título na testa. A gente não bate no peito e fica gritando para a recepcionista: ‘Olha, eu sou tal pessoa’. Então, naturalmente, o gênero vem antes de qualquer coisa. Com certeza as pessoas questionam o porquê de uma mulher estar sentada na cadeira principal. Mas aí você mostra as suas qualificações e competência. A razão de eu estar sentada aqui é a minha capacidade de fazer a roda girar.

O que você considera ter sido imprescindível para chegar à posição em que está hoje?

Vários desafios apareceram na minha vida e eu tinha consciência de que alguns eram maiores que eu. Mas eu buscava me qualificar e corria atrás. Com certeza já me questionei se estava preparada para tal. E está tudo certo, eu não preciso ser boa em tudo. Hoje, tenho a consciência de que sou uma boa maestra. Eu sei juntar tudo e todos e fazer com que seja uma excelente orquestra.

Então o importante é achar a área em que se encaixa e buscar capacitação?

A capacitação é a palavra-chave de tudo isso aqui. Capacitar-se é se empoderar. Primeiro, tem de querer. Não adianta vir um terceiro e falar: ‘Eu vou te empoderar’. Você tem de descobrir onde estão suas lacunas e preenchê-las. Assim, seu círculo expande e novas lacunas vão aparecer. Aí é hora de voltar para o fim da fila e começar de novo.

Por quase uma década você se manteve no topo de grandes empresas. Como consegue?

Eu já tive vontade de desistir diversas vezes. Fiz muito coaching, análise. Nunca quis lidar com meus monstros eu mesma, mas sempre contei com a ajuda de pessoas. Tive a ajuda de profissionais porque sei que não sou capaz de tudo, mas sou esforçada. Então, com pessoas ao meu lado, deu para fazer a coisa direitinho.

E como conciliar com a família e a vida pessoal? Você já tem uma filha e está adotando um menino. Como faz?

Não concilia. É desafiador. Tem de tratar bem a mente. Você realmente acaba dando menos tempo para seu filho, mas é uma opção de vida. É isso. Os 5% ou 10% que eu dou para a minha filha são com muita qualidade. E eu nem quero fazer diferente. Eu quero ser feliz e isso hoje me deixa feliz.

Como você acha que a mulher pode se comportar para chegar em papéis de liderança?

Eu acho que perceber o ambiente foi algo muito importante no meu processo de estar contemplada em ambientes que antes não tinham mulheres. Perceber o ambiente e entender a oportunidade, o momento certo de falar, de se expressar, é essencial. E, se esse momento não aparecer, tem de fazer com que ele surja. Criar oportunidade para ser vista é muito importante. Tem de armar o ambiente e se fazer presente, não pode passar despercebido.

Em situações de pressão e conflito em ambientes dominados por homens, é melhor se retrair ou avançar?

Eu acho que nem um nem outro. Muitas vezes, por exemplo, quando existia uma predominância masculina e eu era a única mulher, me pediam a resposta para alguma questão. Se eu não estava tão bem preparada para dar uma resposta com convicção de que aquilo era o esperado de mim, procurava deixar claro que ia procurar a resposta que estavam buscando. Quando você é a única do processo, óbvio que a atenção é redobrada, então é preciso prestar muito mais atenção.

Você acha que um ambiente mais diverso é efetivamente mais produtivo?

Isso é indiscutível. Hoje, nós estamos em um processo de transformação. O mesmo não vai trazer a transformação. E, se você está acostumado a buscar a resposta em cima daquilo que ontem te dava segurança, isso não funciona mais. Temos de ter pessoas disruptivas que pensem fora da casinha e que vão trazer respostas que você jamais pensaria. Se há muitas pessoas iguais ao seu redor, seu círculo não é diverso. E isso é um problema.

Você tem agido para promover essas condições de igualdade nas empresas pelas quais passou?

Sempre. Eu tenho esse olhar muito próximo a mim porque acho que, se eu pude apresentar bons resultados nas empresas onde eu passei, é porque soube ouvir o diverso. E eu não estou falando só de etnia ou gênero, acho que o diverso é muito mais amplo.

E que medidas já tomou para promover isso?

Por exemplo, eu passei por empresas em que o conselho executivo não tinha mulheres. Então, eu não podia ser a única. Eu trazia mais mulheres. Mesmo que não ocupassem o mesmo nível de diretoria, de vice-presidência. E a equidade, né? Se a pessoa é talentosa, mas não tinha inglês, por exemplo, a gente apostava dois anos nela. Você leva o conhecimento até ela. Eu sou muito atenta nessa questão da transformação e tenho convicção de que ela só vem pela diversidade, seja de pensamento, seja de atitude.

Se pudesse dar um conselho a uma mulher que quer conquistar o mundo corporativo como você, qual seria?

Sempre me perguntam isso e eu respondo a mesma coisa. Não dou conselhos porque o que é bom para mim não necessariamente vai ser bom para você. Mas acho que temos de ter atitude. Pude entender que cada um pode ter sucesso desde que faça com muita originalidade e presteza. Isso é muito claro para mim neste momento da vida. Não basta fazer mais ou menos, tem de mostrar que é o melhor naquilo.

Quando de pai para filho dignifica a política (OU: O exemplo de Pedro Fernandes e Pedro Lucas) 2

O deputado federal eleito Pedro Lucas Fernandes tem consciência das responsabilidades que estão sendo postas sobre suas costas. Mais: responsabilidades estas chanceladas pelo seu pai, inclusive de manter o legado do velho e bom Pedro Fernandes intocável!

Há um certo preconceito, sobretudo no Maranhão, quando a política se mistura com laços familiares.

Lógico que isso se deve ao longo período em que o Maranhão ficou submetido a um contexto histórico onde o ex-presidente José Sarney deixou a planície maranhense outorgando a prepostos, e depois a familiares, para em seguida, como ele mesmo gosta de dizer, “ser abençoado por Deus e chegar a presidência da República”.

A rigor, não há qualquer problema de um pai político passar para o filho o bastião desde que este aceite a trajetória política do seu genitor.

É como o pai médico que deseja que seu filho seja médico; o pai advogado advogar pelo carreira jurídica do filho; o pai cientista ver no herdeiro a continuação dos seus estudos cientifico e por vai – não coloco as carreiras de administrador e jornalista porque não vejo pai algum desejar ambas as profissões para seus filho (Rsrsrsr).

Na política, não é e nem pode ser diferente. Senão vejamos.

O deputado federal Pedro Fernandes (PTB-MA), recebeu o certificado de ‘Excelência Parlamentar’ que lhe colocou ente os 30 mais atuantes parlamentares do Congresso Nacional.

A avaliação realizada pelo site ‘Ranking dos Políticos”, leva em conta a participação nas sessões, economia de verba de gabinete, ficha limpa e qualidade legislativa.

“Nosso compromisso de representar a população foi cumprido com trabalho, ética e responsabilidade durante toda minha trajetória política. Me sinto muito honrado por ser considerado um político que contribui com o crescimento do nosso país e, especialmente, do nosso Maranhão”, avalia Pedro Fernandes.

Pois bem. A partir de fevereiro de 2019, sai de cena da Câmara Federal o deputado Pedro Fernandes e entra em cena o seu filho, o ainda vereador e deputado federal eleito Pedro Lucas Fernandes.

O jovem parlamentar, um dos que fazem parte da boa safra dos jovens políticos maranhenses – outros nem tanto -, foi anunciado, na manhã desta quarta-feira, 12, em Brasília, como o novo líder do PTB na Câmara Federal a partir de 1º de fevereiro de 2019, quando assumir o mandato.

Pedro Lucas Fernandes tem consciência das responsabilidades que estão sendo postas sobre suas costas. Mais: responsabilidades estas chanceladas pelo seu pai, inclusive de manter o legado do velho e bom Pedro Fernandes intocável!

São casos como esse que não se pode condenar, simplesmente, que passar de pai para filho as missões políticas seja algo pecaminoso, retrógrado, atrasado etc.

Ao Blog do Robert Lobato cabe reconhecer, como sempre o fez, a trajetória retilínea e proba do deputado Pedro Fernandes, bem como não ter dúvidas de que o seu filho, Pedro Lucas Fernandes, mais do que honrar o legado do pai fará uma mandato muito bom pra ele, para bancada do PTB e, claro, para o Maranhão.

É isso aí!

SAÚDE: Serviços e obras do ‘Aldenora Bello’ avançam com repasses do Maracap

As obras do novo setor de radioterapia do Hospital do Câncer Aldenora Bello (HCAB) e os atendimentos nos bairros seguem avançando com os repasses que vem sendo feitos pelo certificado de contribuição Maracap, que é emitido pela Fundação Antonio Dino. Com a nova radioterapia, o Maranhão vai acabar com as longas filas de espera por esse tipo de tratamento. O Maracap também entregou um veículo tipo van para transporte e atendimento dos consultórios móveis na capital e interior do Estado.
Ao adquirir o seu Maracap você contribui para a Fundação Antonio Dino, instituição sem fins lucrativos, que mantém o HCAB. Nesse domingo (16), o ‘Natal Bem Legal Maracap’ sorteará no quarto prêmio um Corolla GLI mais um Renault Kwid. Tem ainda uma moto no segundo prêmio e outra no terceiro e mais dez rodadas da sorte de R$ mil reais, cada. Adquira o Maracap e ajude o HCAB a continuar avançando. Em um ano da parceria, o Maracap já repassou mais de R$ 2 milhões de reais para o hospital.

Não há ineditismo na atitude do deputado eleito Duarte Júnior em lançar edital para contratação de assessores 2

A ex-deputada estadual Helena Heluy (PT) já fazia processo seletivo para preencher vagas de assessores lá pelo início dos anos 2000, inclusive para a Assessoria Jurídica do seu mandato.

Leio no blog Upaon-Açu Noticias, editado pelo blogueiro Edvaldo Oliveira, que o deputado estadual eleito Duarte Junior (PCdoB) “lançará nesta quarta-feira (12), um seletivo para formação de sua equipe de gabinete”.

No que pode ser considerada uma medida elogiável do futuro parlamentar, e é, não se trata de um ineditismo no que diz respeito a formar equipe de assessores na Assembleia Legislativa do Maranhão.

A ex-deputada estadual Helena Heluy (PT) já fazia processo seletivo para preencher vagas de assessores lá pelo início dos anos 2000, inclusive para a Assessoria Jurídica do seu mandato.

Os selecionados começavam como estagiários e, depois de formados, passavam ser assessores profissionais.

Entre os que passaram no processo seletivo do gabinete da deputada Helena Heluy estão dois conhecidos e competentes advogados maranhenses: Márcio Endles, que chegou a ser presidente nacional da FUNASA; e Carlos Eduardo Lula, atual secretário de Estado da Saúde.

Nesse sentido, repito, embora a atitude de Duarte Junior seja elogiável, o comunista não inaugura nada de novo.

No mais, resta saber se o percentual vagas exigidos pelo PCdoB nos gabinetes dos seus parlamentares também serão contemplados pelo seletivo do famoso Duarte Júnior.

É aguardar e conferir.