Sabe o que gera engajamento? Humor

A palavra de lei do brasil é: a zoeira never ends. Seguir nesse caminho requer destreza – e não é para todas as empresas – mas pode gerar ótimos resultados

Jorge Albuquerque, Administradores.com

Se você não é bombardeado por mensagens, vídeos e gifs engraçados, inúmeras vezes ao dia, você certamente está morando fora do país e não interage conosco. Você pode até pensar que isso é novidade, coisa da geração atual e tudo mais, entretanto, ao meu ver, só está agora nos meios digitais o que o brasileiro sempre foi: uma pessoa divertida.

Essa “pegada” da comicidade está tão forte e enraizada que começou a chegar até nossas empresas. Elas agora utilizam memes, fazem referência à cultura pop e possuem informalidade na comunicação. Isso tudo, provavelmente, graças a uma percepção de dados de mercado, enxergando grande potencial nas novas formas de humor desenvolvidas pelas redes sociais.

Você acha que essas empresas fazem isso apenas por comodismo ou achar engraçado? Funcionários “normais” até que poderiam fazer por esses motivos, mas essas ações vêm da diretoria e visam apenas uma coisa: lucro. A comicidade, entretenimento e informalidade trazem engajamento dos usuários e repercussões na mídia.

Palavras como repercussão, impacto e engajamento estão sempre atreladas ao conceito de SEO, termo em inglês para Search Engine Optimization. Em português significa otimização para mecanismos de busca.

Aliado a uma tendência mundial da informalidade, downsizing, startups, jovens irreverentes, além de boa parte das maiores empresas do mundo seguirem essa linha (como Facebook, Google e Netflix), criamos um mercado, pelo menos a nível B2C, bastante dinâmico e engraçado.

Acredito que, junto ao humor, conteúdos sobre conflitos (notícias, fofocas, problemas) e celebridades (atores, atletas, blogueiros) fazem um tripé das maiores buscas, curtidas e compartilhamentos dos tempos atuais. Se existir uma notícia sobre Neymar terminar com Bruna Marquezine e uma foto engraçada, temos certamente uma vaga garantida no Google Trends.

Isso nada mais é do que as empresas surfando na onda dos conteúdos virais. Elas não estão “inventando a roda”, atrelar a imagem de produtos e/ou marcas à astros e celebridades já é uma estratégia batida. O diferente, dessa vez, são duas coisas: ver grandes varejistas, indústrias e empresas sérias “apelando” para a comicidade e a importância que o humor vem tomando à medida que a internet ganha força.

Fazer uma propaganda afirmando a qualidade do seu produto, todos seus benefícios e um preço matador pode não trazer tanto engajamento quanto uma postagem usando um clássico meme com Rodrigo Hilbert e sua perfeição.

O humor e a informalidade trazem as empresas para mais perto de seus usuários. A não ser que você esteja vendendo conteúdos para classe A++ Plus VIP, boa parte da sua comunidade vai entender as suas referências e as repercussões, se a estratégia for bem executada, será bastante positiva.

Antigamente, seriedade era sinônimo de profissionalismo. Padrões, elegância, etiqueta estava atrelado a tudo que era bom, a informalidade sempre remetia a coisas baratas, de uma qualidade normal ou ruim e, em resumo, coisa de empresa pequena. Hoje em dia, não é que houve uma inversão, mas agora propagandas engraçadas e ações de marketing são feitas por empresas bilionárias também!

Assembleia Legislativa premia vencedores do 41º Festival Guarnicê de Cinema em três categorias

Moraes (Agência Assembleia)

A Assembleia Legislativa do Maranhão entregou premiação aos vencedores do 41º Festival Guarnicê de Cinema, durante a cerimônia de encerramento do evento, realizada no último sábado (16), no Cine Praia Grande, no Centro Histórico de São Luís. A diretora adjunta de Comunicação da Alema, jornalista Sílvia Tereza, representou o Parlamento Estadual.

O Festival Guarnicê de Cinema aconteceu entre os dias 9 e 16 de junho, coordenado pela Universidade Federal do Maranhão (UFMA), por meio do Departamento de Assuntos Culturais (DAC/PROEXCE), com apoio da Assembleia Legislativa, que premiou os melhores nas categorias documentário, vídeo e filme em curta-metragem.

O “Prêmio Cinematográfico Assembleia Legislativa do Maranhão”, subdividido em “Prêmio Erasmo Dias”, “Prêmio Mauro Bezerra” e “Prêmio Bernardo Almeida”, foi entregue para Taciano Dourado Brito, vencedor das categorias melhor curta (“Prêmio Erasmo Dias”) e melhor documentário (“Prêmio Mauro Bezerra”), pelo filme “Marina”, e para Daniel Drummond, vencedor da categoria melhor curta de ficção (“Prêmio Bernardo Almeida”), por “A Capataz”. Cada um dos prêmios corresponde a dez salários mínimos. Daniel Drummond não compareceu ao evento e nem enviou representante, mas receberá em outra oportunidade.

Taciano Dourado Brito, vencedor de duas categorias, recebeu as premiações das mãos da diretora adjunta de Comunicação da Assembleia Legislativa, Silvia Tereza. “A Assembleia Legislativa apoia o Festival Guarnicê de Cinema por considerá-lo de suma importância para o Brasil. E não somente por apresentar um panorama da produção audiovisual brasileira, com a participação de cineastas e produtores de alta qualidade, mas, sobretudo, por também destacar o trabalho produzido no Maranhão nessa área e revelar muitos talentos, além, claro, de auxiliar na circulação de obras de cineastas de todo o Brasil”, disse.

Além das premiações, foram homenageadas a cineasta Anna Muylaert, a produtora Ariadine Mazzetti, a realizadora Edna Fujii e Maria Raimunda, que frequenta o festival desde as primeiras edições, ainda como Mostra Super 8 de Cinema.

SENADO 2018: Mesmo sem o apoio de partidos da base de Flávio Dino, Eliziane Gama lança pré-candidatura 2

Se não ocorrer um erro de percurso, ou ser enganada pelo seu campo político, Eliziane Gama caminha para uma campanha onde pode ter reais chances de vitória.

Apesar de ainda não contar com o apoio declarado de boa parte dos partidos da base do governador Flávio Dino (PCdoB), a  deputada federal Eliziane Gama (PPS) conseguiu reunir algumas das principais lideranças políticas nessa fase de pré-campanha em evento ocorrido, na manhã do último sábado, 16, no Rio Poty Hotel.

Recebida com carinho por centenas populares e lideranças políticas vindas de várias regiões do estado, Eliziane oficializou a sua pré-candidatura ao Senado Federal no ato politico que contou com a presença do governador Flávio Dino (PCdoB), do vice-governador Carlos Brandão (PRB) e do prefeito de São Luís, Edivaldo Júnior (PDT).

Além das lideranças do seu grupo político, o ato reuniu cerca de 40 prefeitos, vários ex-prefeitos, a maioria dos secretários de Governo, deputados estaduais e federais.

Se não ocorrer um erro de percurso, ou ser enganada pelo seu campo político, Eliziane Gama caminha para uma campanha onde pode ter reais chances de vitória.

É aguardar e conferir.

ELEIÇÕES 2018: Isaac Dias Filho apresenta proposta para reduzir impostos a população durante Caravana de Roseana

O pré-candidato a deputado estadual, Isaac Dias Filho (MDB), participou da Caravana de Roseana Sarney, realizada na última sexta-feira (15) e sábado (16), na região da Baixada Maranhense. Durante a passagem pela cidade de Pinheiro, o ex-vice-prefeito de São Bento apresentou uma proposta para a pré-candidata ao governo e que também defenderá em um eventual mandato na Assembleia Legislativa. O emedebista falou da necessidade de reduzir a alíquota dos impostos e a necessidade do dialogo com os segmentos que compõe a economia local, para a melhor aplicação dessas taxas.

Outra preocupação levantada por Isaac Dias Filho é a questão que envolve a apressão de carros e motos. Na opinião do pré-candidato a deputado estadual, deve haver um bom senso e uma compreensão do atual momento econômico do país e do estado.

Isaac Dias Filho é um dos principais nomes do MDB na disputa por uma vaga na Assembleia Legislativa…

(Fonte: Blog do Diego Emir)

Devagar, quase parando…

Por Eden Jr.*

Quando o primeiro Relatório de Mercado Focus – elaborado pelo Banco Central com base na opinião semanal das principais instituições financeiras do país – foi lançado no início do ano, dia cinco de janeiro, a aposta era de que a economia crescesse 2,69% em 2018, isso depois de ter aumentado 1% no ano passado. Porém, a divulgação pelo IBGE, no final de maio, da expansão de apenas 0,4% no primeiro trimestre, colocou sérias dúvidas sobre a real capacidade de evolução do nosso Produto Interno Bruto (PIB) neste ano. Uma série de incertezas rondam o cenário, dificultando ainda mais os prognósticos otimistas para a nossa economia.

Os drásticos efeitos da greve dos caminhoneiros, encerrada no início de junho, não foram captados nessa última medição do PIB, mas seguramente terão severos efeitos sobre o desempenho do segundo trimestre, bem como sobre o ano como um todo. Por conta da paralização, o Banco Santander reduziu a expectativa de crescimento do PIB para o segundo trimestre de 0,8% para 0,2%. O Instituto Brasileiro de Economia (Ibre) da Fundação Getúlio Vargas projeta um recuo de 0,2% da atividade econômica em 2018, em razão do movimento. O Banco Itaú crê que agora o país vá crescer 1,7% e não 2% como previa anteriormente.

O clima negativo vem contaminando o mercado de ações. O Ibovespa, indicador que reúne as ações mais negociadas da Bolsa de Valores de São Paulo, vem registrando sucessivas quedas. No ano, o Ibovespa caiu 6,5%, e entre os dias 14 de maio e 14 de junho, regrediu 16,2%, indicando que o ambiente se deteriorou no último mês. O ciclo de baixa das ações está diretamente ligado às perspectivas ruins para a economia brasileira, que se instalaram com força nas últimas semanas e reflete o pessimismo dos investidores. Fatores como: a manifestação dos caminhoneiros, possibilidade de greves em empresas públicas – como a da Eletrobrás –, alta do dólar e cenário incerto para as eleições, são apontados como determinantes para o desânimo do mercado, o que retroalimenta as incertezas e inibe novas possibilidades de negócios.

A alta do dólar tem sido um capítulo à parte no drama brasileiro. É esperado que o ano eleitoral cause estresse e leve à oscilação na divisa americana. Desde o início do ano, o dólar vem se valorizando perante boa parte das moedas, mas nas últimas semanas, com a atmosfera pessimista que assola a nossa economia, esse processo tem se intensificado. De primeiro de janeiro até o dia 14 deste mês o real se desvalorizou cerca de 14,9% em relação ao dólar, e entre 14 de maio e 14 de junho, retrocedeu 5%. Essa dinâmica causa embaraços, pois acaba pressionando a inflação, porque boa parte dos produtos comercializados têm componentes cotados em dólar. Situação que pode levar a um aumento na taxa de juros básica da economia (Selic), atualmente em 6,5%, na próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central, marcada para os dias 19 e 20 deste mês. Um movimento de alta nos juros, torna os empréstimos e financiamentos mais caros, fato que atrapalha as vendas, reduz a produção, o emprego e dificulta a retomada do crescimento.

No contexto do dólar, uma péssima notícia veio dos Estados Unidos nesta quarta-feira, dia 13. O Fed, o banco central americano, elevou a sua taxa de juros para o intervalo entre 1,75% e 2%. O procedimento foi para conter a inflação do país, que vem aumentado em razão da atividade econômica, que está em plena ascensão, inclusive o índice de desemprego dos EUA, de 3,8%, é o menor em 18 anos. Foi a sétima alta seguida dos juros estadunidenses desde 2015, e há perspectiva de mais duas elevações, o que pode fazer com que os juros americanos cheguem ao intervalo entre 2,25% e 2,50%. Este quadro agrava ainda mais a tendência de desvalorização do real, dada a fuga de dólares para aplicação numa economia mais sólida, como a norte-americana. E a escassez da moeda americana no Brasil provoca alta da cotação do dólar. O nosso Banco Central tem feito operações com swap cambial – equivalente à venda futura de dólar – para tentar brecar a subida do dólar. Só nesta quinta-feira o BC injetou US$ 4,5 bilhões para acalmar o câmbio, e pode colocar mais US$ 10 bilhões de dólares nos próximos dias, nessa empreitada de conter a desvalorização do real.

Contudo, é da esfera política que vem os sinais de maior instabilidade. Recente pesquisa divulgada pelo Datafolha revela o crescimento de Jair Bolsonaro (PSL) e Ciro Gomes (PDT) na corrida presidencial. Nomes que causam dúvidas quanto à implementação de um programa reformista, especialmente na área fiscal, em que os déficits se sucedem ano a ano. Bolsonaro tem um histórico parlamentar de rejeição a medidas de disciplina fiscal, que causam antipatia no eleitorado. Já Ciro apresenta comportamento político errático, indo do espectro da centro-direita à esquerda, na qual está mais ligado recentemente. Até ano passado, o político do PDT afirmava que não havia déficit previdenciário – apesar dos cálculos oficiais apontarem um rombo na Previdência de R$ 268 bilhões em 2017 (INSS mais Regime dos Servidores Federais).

O presidente Temer, e seu entourage, são atingidos por acusações de corrupção quase que semanalmente. Circunstância que mina o arsenal de medidas de que podem lançar mão para alavancar a economia, dada a absoluta ausência de credibilidade de que dispõem. Como um dos últimos recursos para animar o cenário, esta semana o governo ampliou o saque das contas do PIS/Pasep, para colocar R$ 30 bilhões na economia. É pouco provável que resultados positivos venham rapidamente, tanto que agora as previsões apontam para aumento de apenas 1,5% do PIB em 2018. Muito aquém do que precisamos.

*Doutorando em Administração, Mestre em Economia e Economista (edenjr@edenjr.com.br)

Sobre a Copa 2018 (OU: sou brasileiro e não desisto nunca) 6

O Brasil “verde e amarelo” está meio que, digamos, sem tesão. Mas, “sem tesão não há solução”, como nos ensinou o irrequieto psiquiatra e escritor Roberto Freire.

Política e futebol são irmãos siameses. Não por acaso, há milhões de analistas políticos e técnicos de futebol pelo país afora.

O brasileiro está ressacado por duas embriaguez: o 7 a 1 da Copa de 2014 e o impeachment, ou golpe, como queiram, da Dilma.

O brasileiro está sem tesão!

Mas, apesar de tudo, somos otimistas!

O Brasil é maior do que nossas angustias e frustrações.

Enquanto aquariano, boliviano, flamenguista, petista e neto do velho Horácio não tenho como deixar de ter fé no meu país e muito menos perder o tesão para enfrentar as crises nossas de cada dia.

Amanhã estarei torcendo pela “Seleção Canarinho” mas por patriotismo do que fé no nosso futebol. Aliás, há tempos deixei de ser apaixonado por futebol.

Guardo apenas minhas paixões e lembranças dos bons tempos que ia ver, no Castelão, o Sampaio Correa bater no Moto Club e o Flamengo massacrar o Vasco no Maracanã.

Enfim, sou brasileiro e não desisto nunca.

Apesar dos pesares…

Um ótimo e abençoado final de semana para todos.

“Fazer o bem sem olhar a quem”, eis o princípio de Roberto Rocha 8

É chato e complicado elogiar quem a gente gosta.

Mas, costumo dizer, que elogios, homenagens e agradecimentos têm que ser feitos enquanto as pessoas a quem a gente admira estão vivas!

É muito fácil, por exemplo, um José Sarney morrer (que Deus o tenha em vida enquanto Ele achar devido), e aparecer adversários políticos seus o elogiando e reconhecendo a sua importância nas últimas décadas da nossa República depois de morto.

Difícil mesmo é reconhecer as virtudes das pessoas enquanto elas estão vivas.

No caso do senador Roberto Rocha, a quem fui apresentado pelo diretor do Jornal Pequeno, Lourival Bogea, e fácil falar sobre as suas virtudes e mesmo dos seus defeitos.

Roberto, como o Maranhão sabe, é pré-candidato a governador.

No seu mandato de senador, o tucano tem feito um excelente trabalho.

Não irei aqui enumerar as inúmeras ações que Roberto Rocha fez e tem feito em benefício do Maranhão. Mas um dia o farei. Tudo no seu tempo.

O que o Blog do Robert Lobato quer dizer neste post é que o Maranhão precisa de mais políticos como o senador Roberto Rocha. De homens públicos e de mulheres públicas que colocam as políticas públicas acima da politicagem rasteira, do partidarismo radical e populista.

Ao ter como lema, aliás, lema não, como princípio, “Fazer o bem sem olhar a quem”, o senador Roberto Rocha demonstra que sabe separar a “luta política” da “política de luta” pelo interesse do povo maranhense.

São milhões e milhões em emendas para municípios que na sua grande maioria é controlado pelo governo e pelo governador Flávio Dino. Aliás, o prefeito que quiser ter suas demandas atendidas pelo Palácio dos Leões basta tirar uma foto com o senador Roberto Rocha…

“Fazer o bem sem olhar a quem” é mais que uma palavra de ordem e mais do que um lema. É, repito, um princípio.

Um princípio que tem dignificado o senador e pré-candidato ao governo Roberto Rocha.

É a opinião do Blog do Robert Lobato.

Leonardo Sá participa de ato político em Governador Nunes Freire ao lado do prefeito Indalécio 2

No próximo domingo (17), o prefeito de Governador Nunes Freire, Indalécio Vieira (PT), está convocando a população da cidade para participar de um grande ato político que contará com a presença do pré-candidato a deputado Leonardo Sá (PRTB) e do deputado federal Aluísio Mendes (PODEMOS). Na oportunidade, será defendida a legitimidade do prefeito continuar no cargo, após uma tentativa de golpe por parte do vice, Josimar da Serraria (MDB).

Além da Indalécio, Leonardo Sá e Aluísio Mendes vai estar presente a militância aguerrida do Partido dos Trabalhadores. O ato vai acontecer a partir das 9h no Coqueiro Verde.

Indalécio sofreu um AVC em 2017 e após passar sete meses se recuperando, o prefeito decidiu voltar ao cargo, porém o vice não quer entregar o cargo ao detentor do mandato eletivo de forma legítima.

Leonardo Sá é um dos principais apoiadores do prefeito Indalécio e vem recebendo importantes adesões na cidade de Governador Nunes Freire, visando a eleição de outubro.

Pré-candidatos a cargos proporcionais do PSDB defende união em torno de Roberto Rocha 2

Em reunião ocorrida nesta quinta-feira, 14, na sede estadual do PSDB – Partido da Social Democracia Brasileira, pré-candidatos de várias regiões do estado reuniram-se para discutir sobre as questões eleitorais como tempo de televisão, coligações, troca de experiências e alinhamento ao projeto partidário com a pré-candidatura do senador Roberto Rocha ao governo do estado.

A abertura da reunião foi feita pelos membros do diretório tucano, Sebastião Madeira e Clodomir Paz. A palavra foi passada aos pré-candidatos a senador, deputado federal Waldir Maranhão e deputado estadual Alexandre Almeida.

Waldir Maranhão frisou a importância de levar propostas às bases e de estar em um partido com candidatura própria, que ofereça alternativas viáveis de mudança. Já o deputado Alexandre Almeida, pré-candidato ao senado, ressaltou a mais recente conquista de Roberto Rocha, por meio de atuação parlamentar, que vai impactar no desenvolvimento econômico do Maranhão: a aprovação, nesta quarta-feira, 14, pela Comissão de Constituição, Cidadania e Justiça do Senado,  da criação da ZEMA – Zona de Exportação do Maranhão, que prevê uma área de livre comércio com o exterior através do Complexo Portuário do Itaqui.

Em seguida o médico e jornalista João Bentivi, pré-candidato a deputado estadual, discorreu sobre a importância da terceira via como opção de alternância de poder no Maranhão.

Durante a palestra foi aprovada uma carta cujo teor incluía uma análise do momento político nacional e os reflexos  no Maranhão. O texto versava, ainda, sobre o pleito eleitoral de 2018, configurado como uma grande oportunidade de mudanças em favor do desenvolvimento do Maranhão, sendo considerado primordial o fato de o PSDB retomar a autonomia, defendendo candidaturas próprias para governo e senado e referendando o nome do senador Roberto Rocha como pré-candidato e líder. “É ficha limpa, tem um mandato de grandes realizações para o Maranhão, oferece ao povo maranhense todas as condições para ser um bom governador”, destacou Bentivi.

Na carta constava, ainda a sugestão da reunião de todas as assinaturas dos pré-candidatos presentes em apoio à candidatura de Roberto Rocha, reafirmando que o tucano traduz todas as aspirações para promover alianças e quaisquer outras ações para o fortalecimento do PSDB do Maranhão, sendo repudiado qualquer outro posicionamento que não seja em apoio à candidatura de Roberto Rocha ao governo do estado.

(Fonte: Blog do Diego Emir)

SENADO 2018: O fator Alexandre Almeida 2

De todas as qualidades que o jovem deputado possui, destaca-se uma que na política é coisa rara: Lealdade.

A disputa pelo Senado Federal no Maranhão está ficando interessante e instigante.

Pelos nomes que estão sendo colocados até aqui, não tem como desconhecer e/ou ignorar a pré-candidatura de senador do jovem deputado estadual Alexandre Almeida (PSDB).

Parlamentar atuante na Assembleia Legislativa do Maranhão, aguerrido, dono de boa oratória, competente, Alexandre Almeida ousou, como é próprio dos jovens “ousar”, abrir mão de um terceiro mandato de deputado estadual e alçar voo rumo ao Senado Federal.

Alexandre Almeida tem uma característica que foge ao padrão genérico dos políticos, qual seja não depender da política para sobreviver.

O pré-candidato tucano é um bem sucedido advogado e sabe separar muito bem a sua condição de operador do direito da sua atuação política.

Em verdade, Alexandre Almeida é produto de uma nova cultura política, por assim dizer, que se estabeleceu no Maranhão a partir da eleição de Roberto Rocha para o Senado Federal em 2014.

“Como assim, Bob Lobato”, perguntaria o leitor. Explico.

É que a eleição de Roberto Rocha para senador abriu uma “porteira” que até então era permitida a entrada somente para os “mais velhos”, via de regra ex-governadores. Roberto mudou essa regra ao eleger-se em 2014. Aí que surgem pré-candidatos ao Senado como o Alexandre Almeida.

Se souber tirar proveito político e eleitoral da sua condição jovem, independente, profissional liberal bem sucedido e principalmente “colar” na imagem do senador e pré-candidato a governador Roberto Rocha, eleito senador sem ainda ter passado pelo Palácio dos Leões, certamente Alexandre Almeida poderá surpreender o Maranhão e eleger-se senador da República.

E Blog do Robert Lobato afirma isso muito à vontade porque foi o primeiro a analisar a possibilidade do deputado estadual Alexandre Almeida ser candidato a senador (reveja aqui).

Por fim, e é importante que se diga, Alexandre Almeida, de todas as qualidades que possui, destaca-se uma que na política é coisa rara: Lealdade.

O fato é que os maranhenses, na intimidade da urna, terá uma ótima opção para o Senado Federal nas eleições de 2018.

E atende pelo nome de Alexandre Almeida.