Por que demitir pode não ser a melhor estratégia?

Algumas vezes o corte de custo é realmente necessário, mas na maioria delas, focar apenas na redução de despesas não é a melhor estratégia

Redação, Administradores.com

Segundo dados do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) o Brasil encerrou o ano de 2017 com mais demissões do que contratações – foram 14.635.899 admissões e 14.656.731 desligamentos. Além disso, segundo o Fórum Econômico Mundial, está prevista a perda de 7,1 milhões de empregos até 2020.

Algumas vezes o corte de custo é realmente necessário, mas na maioria delas, focar apenas na redução de despesas não é a melhor estratégia. “O segredo é criar valor para a empresa, hoje e no futuro”, diz Aureo Villagra, CEO da Goldratt Consulting Brasil.

Demissões afetam a capacidade da empresa em entregar valor

Quando o caixa da empresa está comprometido não há liberdade de manobra, mas se este não é o caso a decisão deve ser muito bem pensada. “Cortar custos de forma linear, especialmente com reduções de pessoal, normalmente afeta a capacidade da empresa em entregar valor”, comenta Villagra. “De uma forma ou outra, ela reduz seus serviços, sua flexibilidade ou sua agilidade em servir seus clientes”, completa.

A empresa pode prejudicar seus objetivos a longo prazo

A empresa poderá focar-se muito nos seus objetivos de curto prazo, entregar o lucro do trimestre e prejudicar seus objetivos de longo prazo, manter-se competitiva e crescendo no mercado. “O ideal é transformar o momento em uma oportunidade e não aumentar ainda mais o problema com decisões focadas em curto prazo”, diz Villagra.

Aproveite o corte de custos, para construir uma vantagem competitiva

Em uma situação de crise generalizada os clientes da empresa provavelmente também estão em um ciclo de demissões e corte de despesas, muitas vezes precisando mais ainda da ajuda de seus fornecedores, mais serviços, flexibilidade e velocidade. Por outro lado seus concorrentes provavelmente também reduziram quadros e não estão prontos para oferecer mais serviços.

“É o momento de prestar atenção na nova realidade”, diz Villagra. “Com certeza é importante proteger seu caixa e seus gastos, mas sem nunca deixar de pensar em como entregar mais valor para seu cliente”, completa.

São José de Ribamar abençoa e Acadêmicos do Tatuapé é bicampeã do carnaval paulistano

Só deu Maranhão no carnaval da maior cidade do país. Além do bicampeonato da Acadêmicos do Tatuapé, o segundo lugar ficou com Mocidade Alegre, que fez uma homenagem à cantora Alcione, de 70 anos, com um enredo marcado pelo clássico “Não deixa o samba morrer”, gravado pela Marrom em 1975

Confira a reportagem do Estadão.

Acadêmicos do Tatuapé se torna bicampeã do carnaval paulistano em 2018

Acadêmicos do Tatuapé tenta o bicampeonato homenageando o Maranhão. Foto: Felipe Rau/Estadão.

A Acadêmicos do Tatuapé é bicampeã do carnaval paulistano, com nota máxima em todos os quesitos. A Mocidade Alegre ficou com o vice-campeonato. A escola não conseguiu patrocínio e apostou no reaproveitamento de penas, pedras e outros materiais para poupar cerca de R$ 800 mil este ano.

De acordo com Eduardo dos Santos, o presidente da escola, mais de 90% das fantasias são recuperadas depois do carnaval. Para explicar o espírito por trás da ação, em entrevista à colunista do Estado, Sonia Racy, ele citou um samba-enredo da Salgueiro de 1986: “Tem que se tirar da cabeça aquilo que não se tem no bolso!”

A bicampeã levou carros colossais e deixou o sambódromo, na madrugada do sábado, já como forte candidata ao título. Ainda arriscou uma batida reggae, estilo musical que nasceu na Jamaica e é muito ouvido no Maranhão, tema do seu enredo. Já o carnavalesco Wagner Santos, que estreou na Tatuapé com vitória, desenvolveu um tema que conhece bem, já que é maranhense.

As escolas Unidos do Peruche e Independente Tricolor foram rebaixadas para o Grupo de Acesso.

Desfile. Em seu desfile no sábado, 10, a escola da zona leste de São Paulo levou carros colossais e fantasias ricas em detalhes para a avenida. Já ao fim do desfile, já era apontada como forte candidata ao bicampeonato.

A vice-campeã Mocidade Alegre fez uma homenagem à cantora Alcione, de 70 anos, com um enredo marcado pelo clássico “Não deixa o samba morrer”, gravado pela Marrom em 1975. Até a apuração da última categoria de notas, a escola ficou com o mesmo número de pontos das escolas Mocidade Alegre, Mancha verde, e Tom Maior. O resultado foi decidido por critérios de desempate.

No desfile da Mocidade, foi Alcione quem puxou seu próprio samba no começo do desfile ao lado dos intérpretes Tiganá e Ito Melodia, ainda no chão do Anhembi, e depois subiu no último carro da escola para ser homenageada como o enredo “A voz marrom que não deixa o samba morrer”. O investimento em grandes alegorias já apareceu no abre-alas da escola, formado por três carros que ressaltaram as belezas naturais do Estado do Nordeste e a influência dos franceses, que fundaram a capital São Luís no século XVII.

VITÓRIA DO MEARIM: O ótimo trabalho na limpeza pública feito pela Prefeitura 2

Com a cidade mais limpa o povo vitoriense tem uma melhor qualidade de vida e também tem a honra de receber as pessoas que vem passar o conhecido e alegre carnaval de Vitória do Mearim

A Prefeitura de Vitória do Mearim vem fazendo um ótimo trabalho na área da limpeza pública, o que tem mantido a cidade cada dia mais limpa e bonita.

Esse trabalho é mais um compromisso que a prefeita Dídima Coêlho (PMDB) assumiu com a população no sentido de zelar pelo município.

Com a cidade mais limpa o povo vitoriense tem uma melhor qualidade de vida e também tem a honra de receber as pessoas que vem passar o conhecido e alegre carnaval de Vitória do Mearim.

Trata-se, portanto, de uma inciativa de gestão que merece o reconhecimento do povo vitoriense, não somente em relação à ação da prefeita Dídima Coêlho, mas de toda a equipe de funcionários envolvida na limpeza púbica da cidade.

Confira alguma imagens da cidade (crédito do blog Luan & Amigo).

Santa Rita: Prefeitura resgata manifestações culturais e valoriza personagens locais no Carnaval 2018

Com o intuito de resgatar a cultura popular de Santa Rita, o prefeito Hilton Gonçalo determinou que a Secretaria municipal de Cultura, promova homenagens especiais aos nomes que marcaram a cidade. E esse ano, o escolhido foi o saudoso Raimundo dos Santos Gouveia, mais conhecido como, Raimundo Prego, responsável por muitas festas e por incorporar ao carnaval da cidade o hábito de usar a fantasia de fofão.

Raimundo Prego usou o seu personagem, o Fofão, e conquistou as crianças da época com sua máscara de gorila, o que se eternizou como protagonista de uma historia que durou décadas, lembrada até hoje por pessoas que vivenciaram aquele momento.

Essa foi uma das propostas de campanha apresentadas por Hilton Gonçalo. Na época, ele prometeu resgatar as manifestação culturais locais.

A ideia de retratar o passado desse artista popular com o tema Fofão de Ouro partiu do secretário municipal de cultural, Didi Muniz, que buscou aprofundar a vida pregressa de Raimundo Prego ouvindo relatos de familiares, em seguida apresentou a proposta ao prefeito Hilton Gonçalo que de imediato recebeu o aval do gestor.

“Mais do que justo homenagear essa pessoa que tanto contribuiu para a cultura do nosso município”, disse Didi Muniz.

Quem foi Raimundo Prego?

Nascido em 16 de outubro de 1922, Raimundo Prego, como era conhecido, tem seu registro de nascimento no povoado Centrinho – na época, pertencente ao município de Rosário-MA. Filho adotivo do casal Apolinário Damásio Gouveia e Joana Santos Gouveia, Raimundo teve que lutar por sua subsistência ainda criança, e aos 12 anos vendia leite para os vizinhos.

Em 1955 conheceu Dona Raimunda e dessa união, nasceram 8 filhos. A família de costume muito simples vivia de forma tranquila e Raimundo Prego, vendo a família crescer, se viu obrigado a mudar para capital São Luís, na busca de novas oportunidades de emprego, e assim sustentar a família.

Já na capital, Raimundo conseguiu emprego na Rede Ferroviária Federal (RSSFA) e durante anos alimentou a fornalha da “Maria Fumaça” que fazia a linha São Luís / Teresina – tão cantada por João do Vale! Foi nesse interim, que Raimundo se tornou boêmio, conheceu os encantos da noite, e nessas noitadas aumentou a prole, chegando a ter mais 26 filhos.

Grande devoto de Nossa Senhora da Conceição, fazia todos os anos o festejo da Santa no mês de dezembro no antigo povoado São Bernardo (hoje Ilha das Pedras) em Santa Rita. Mas a maior alegria de Raimundo era o período carnavalesco, era no carnaval que Raimundo Prego vestia o manto sagrado do fofão e saia pelas ruas e povoados de Santa Rita, traduzindo em sua genial performance, a verdadeira essência do carnaval de rua.

Vestido de fofão, Raimundo Prego enriqueceu a cultura das cidades de São Luís, São José de Ribamar e Santa Rita, em especial Carema. Há quem diga que “aquele fofão era mais amável do que feio… Trazia mais alegria do que medo” palavras de quem ouviu com carinho as histórias de saudoso negão.

Mas no dia 19 de outubro de 1994 a boneca caiu da mão do fofão, a máscara deu lugar ao rosto frio e olhos fechados e o manto sagrado do fofão, ocupou o vazio de uma gaveta fria. Naquele dia, o generoso coração de Raimundo Prego parou e deixou o carnaval em lágrimas. Seu legado foi seguido por seus filhos e até os dias atuais, o sangue cultural de Raimundo corre quente nas veias da família.

Graças a Raimundo Prego e muitos outros, a cultura de Santa Rita hoje é rica, e pode com orgulho trazer para os dias atuais a imagem de um grande ícone, a quem devemos reverenciar no império de momo.

Estranhas coincidências editoriais entre a mídia de Sarney e a de Dino 24

Coincidências que vão além da política e das questões eleitorais.

Quem acompanha a cobertura da imprensa política maranhense já deve ter percebido algumas, digamos, coincidências editoriais entre a mídia ligada ao grupo do ex-presidente Sarney (MDB) e a ligada ao grupo do governador Flávio Dino (PCdoB), inclusive, claro, na blogosfera.

Entre tais coincidências pode-se destacar uma principal: colocar o senador Roberto Rocha (PSDB) como alvo de ataques diretos, indiretos e críticas infundadas.

Pré-candidato a governador, Roberto tem defendido publicamente uma eleição com vários candidatos, incluindo Roseana Sarney (MDB) e Eduardo Braide (PMN), à sucessão de Flávio Dino como forma de tirar o Maranhão da dicotomia maléfica para o estado entre “sarneysistas” e “antissarneysistas”, cenário que só interessaria, em tese, aos comunistas, mas que curiosamente passou a ser defendido também até por editoriais do jornal O Estado do Maranhão, de propriedade do clã Sarney.

Contra o senador Roberto Rocha utilizam, tanta a imprensa sarneysista quanto a dinista, o discurso de que o tucano não será candidato porque não tem grupo político, não agrega partidos, não tem dinheiro/estrutura de campanha e por aí vai.

O engraçado é que em 2014 essa narrativa sequer era cogitada, e Roberto acabou sendo o principal engenheiro da aliança política e eleitoral que resultou na sua vitória ao Senado Federal e de Flávio ao Governo do Maranhão.

O fato é que parece haver uma espécie de aliança tácita entre setores da imprensa dos “dois lados da ponte” para tentar enfraquecer ou quiçá desconstruir a imagem do pré-candidato Roberto Rocha.

São coincidências, diga-se de passagem, que vão além da política e das questões eleitorais.

Mas, isso é assunto para outra postagem…

ELEIÇÕES 2018: Carlos Brandão no TCE? Washington Oliveira deputado federal? 11

O atual conselheiro do Tribunal de Contas do Estado do Maranhão (TCE-MA), o ex-vice-governador Washington Oliveira, seria convidado pelo governador Flávio Dino a ceder a vaga para Brandão com a garantia, dado pelo comunista, de elegê-lo deputado federal provavelmente pelo PT

O Blog do Robert Lobato foi informado agora a pouco sobre uma movimento que está engendrado pelo Palácio dos Leões com objetivo de tentar resgatar o vice-governador Carlos Brandão do limbo político em que se encontra desde que perdeu o controle estadual do PSDB. Uma reunião, inclusive, estaria sendo realizada neste momento em um famoso Centro Empresarial lá para as bandas do Calhau.

Chamada de “Operação Branquinho”, em virtude de como Brandão é chamado pelos amigos, ela funcionaria da seguinte forma.

O atual conselheiro do Tribunal de Contas do Estado do Maranhão (TCE-MA), o ex-vice-governador Washington Oliveira, seria convidado pelo governador Flávio Dino (PCdoB) a ceder a vaga para Brandão com a garantia, dado pelo comunista, de elegê-lo deputado federal provavelmente pelo PT.

É sabido que Washington, tirando a questão do contracheque, nunca gostou dessa função de conselheiro do TCE-MA, já que o seu ramo de fato é a politica. Ele só foi parar na corte de contas para atender uma engenharia política, em 2014, que visava derrotar Flávio Dino, então foi nomeado por Roseana Sarney (MDB) para sair da linha sucessória do Governo do Estado.

Agora, o Palácio dos Leões trataria de cuidar dos aspectos legais para adiantar a aposentadoria de conselheiro para Washington Oliveira, que não pode sair de “mãos abanando” do TCE-MA, e no seu lugar ficaria o “Branquinho”, ou melhor, Carlos Brandão, cujo pai já foi conselheiro desse mesmíssimo Tribunal de Contas.

A questão é: será que isso tem algum futuro mesmo?

Vereador Cézar Bombeiro pede a intervenção do Ministério Público para analisar o reajuste das passagens dos coletivos 2

Diante da nota pública do Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de São Luís, em que explicita claramente que serviços como: Terminais de Integração, Bilhetagem Econômica, além de acessórios previstos no contrato de remuneração tarifária, como ar condicionado nos veículos e GPS devem ser embutidos no valor das passagens. A licitação pública dos transportes coletivos, segundo a entidade de classe, estabeleceu que a Tarifa de Remuneração seria composta pela passagem dos usuários (Tarifa Pública) e ser complementada pelo município com subsidio pelas concessionárias. Os empresários destacam, que a decisão de colocar todo o custo operacional do Sistema de Transporte Coletivo para os usuários sem qualquer subsídio é da Prefeitura de São Luís, e não das empresas concessionárias de São Luís, que segundo o sindicato das empresas, busca apenas o equilíbrio econômico, daí a necessária elevação dos valores das passagens, independente do reajuste do mês passado.

Cézar Bombeiro, que foi primeiro vereador a se manifestar contrário ao reajuste das tarifas dos transportes coletivos, diz que sem discussão prévia com a Câmara Municipal, Ministério Público Estadual e entidades da sociedade civil organizada, não se pode fazer reajustes de forma unilateral. Decidiu hoje encaminhar solicitação ao Procurador Geral de Justiça com pedido de intervenção do Ministério Público no âmbito do aumento das passagens dos transportes coletivos de São Luís, fazendo importantes esclarecimentos ao procurador Luís Gonzaga Martins Coelho.

O vereador Cézar Bombeiro, justifica a sua solicitação, levando-se em conta que desde que houve a licitação dos transportes coletivos de São Luís, infelizmente nada melhorou para os usuários, muito pelo contrário, as dificuldades de outrora passaram a ser acentuadas pelas precariedades com os vícios de empresas nos mesmos setores e tripudiando dos usuários. Com os chamados corredores fracionados de transporte coletivo, as viagens se tornaram mais demoradas e os terminais estão se transformando em verdadeiros infernos para milhares de passageiros. Em pleno inverno os passageiros não contam com abrigos decentes para aguardar os coletivos e as panes mecânicas de ônibus são constantes e todos os dias, trabalhadores, estudantes e muitos passageiros ficam pelo meio do caminho. Cézar Bombeiro, no seu entendimento, a concorrência pública dos transportes coletivos precisa ser revista para a garantia de direitos e não apenas os unilaterais que tendem aos dominantes, afirmou o vereador.

(Fonte: Quarto Poder)

Deputados repercutem abertura da sessão legislativa

Os deputados estaduais estão otimistas com o retorno dos trabalhos na Assembleia Legislativa, ocorrido na tarde desta segunda-feira (05), durante cerimônia presidida pelo deputado Othelino Neto (PCdoB).

Por ser um ano eleitoral, eles afirmaram que vão dividir o tempo discutindo e apresentando projetos de interesse do Maranhão, bem como, visitando as suas bases estaduais. Também afirmaram que estão confiantes no trabalho que será desenvolvido pelo presidente da Casa, Othelino Neto.

O deputado Rafael Leitoa (PDT) disse que acredita que Othelino Neto conduzirá de forma equilibrada, respeitando todos os 42 deputados, assim como ele fez durante os vários momentos em que o presidente Humberto Coutinho teve que se ausentar. “Eu tenho certeza que nós vamos saber conduzir esta Casa e fazer o que o povo do Maranhão espera de nós. Que possamos legislar, apresentar e defender projetos de valia para o nosso povo. Então, certamente, no final do ano, a gente vai ter um balanço positivo da nossa última sessão legislativa desse quadriênio e saberemos aqui adequar o nosso tempo para que não haja nenhuma retenção de pauta. Eu tenho certeza de que, sob o comando do deputado Othelino, isso se dará de forma satisfatória”, disse, acrescentando que as perspectivas são muito boas.

“Estamos reiniciando os nossos trabalhos legislativos com muita determinação. É um ano complicado, de eleição, mas nós temos que pensar que nós fomos eleitos para quatro anos e devemos respeitar os votos que tivemos. Vamos continuar com os nossos trabalhos e, se Deus quiser, vai dar tudo certo. Nós perdemos um presidente que era um grande amigo, parceiro que respeitava a todos, não interessava se era oposição ou não ao Governo, ele tratava todos de forma igual. Mas acredito também no nosso atual presidente Othelino Neto. Eu o conheço e sei que ele é capaz, é um homem sério e trabalhador e vai continuar o trabalho de Humberto com muita competência”, afirmou Ricardo Rios (SD).

O deputado Stênio Resende mostrou-se muito otimista com o início dos trabalhos. “Nós estamos iniciando o último ano de mandato dessa legislatura e, por isso, acreditamos que será um ano dinâmico onde teremos as eleições proporcionais e majoritárias. Com isso, nós temos que redobrar o nosso trabalho, aqui na Casa, e também junto às nossas bases em função das eleições que se aproximam. Com certeza, será um ano de uma intensa correria por parte dos parlamentares que terão que mostrar muito serviço durante todo ano de 2018”, disse.

Para o deputado Fábio Braga (SD), a expectativa é a melhor possível. “Esperamos a continuidade dos trabalhos que foram feitos ao longo desses últimos três anos, mesmo com a mudança da presidência dessa Casa. O atual presidente, deputado Othelino Neto, deve dar continuidade com uma sequência harmoniosa ao trabalho da Assembleia Legislativa”, argumentou.

Raimundo Cutrim enfatizou, também, que está otimista com o reinício dos trabalhos. “Hoje estão iniciando os trabalhos e vamos torcer para que os nossos colegas tenham a frequência na Casa para que possamos discutir assuntos de interesse do povo do Maranhão. Há alguns projetos do ano passado que temos que analisar com carinho, como o da Polícia Civil, por exemplo. Pretendo apresentar algumas emendas, vou continuar trabalhando e também vamos dar sustentação ao governo para que ele continue com o trabalho que ele assumiu quando da sua campanha eleitoral”, disse o parlamentar.

O desejo do deputado Eduardo Braide (PMN) para os trabalhos legislativos no ano de 2018 é que “seja um ano produtivo, onde a disputa eleitoral não contamine as discussões dos bons projetos e que aquilo que for de interesse do povo do Maranhão possa ter a união de toda classe política maranhense para que a população acabe sendo a vencedora final”.

Francisca Primo (PCdoB) espera que esse ano seja de muito trabalho em favor do povo do Maranhão. Também destacou os trabalhos que serão desenvolvidos junto às bases eleitorais. “Desejo que, nesse ano, a gente tenha uma perspectiva melhor de trabalho. É importante a gente focar agora nos trabalhos, por ser um ano eleitoral. Também temos que ter mais um foco no desenvolvimento dos municípios, principalmente, junto às populações mais carentes do nosso Estado”, disse a parlamentar.

“É um ano eleitoral onde haverá muitas demandas, mas na certeza de que vamos cumprir o nosso papel institucional ajudando o governador nessa jornada de mudança, buscando a melhoria dos serviços públicos do Maranhão. E a Assembleia não estará à margem desse processo. Portanto, é um ano normal, de muito diálogo, mas será de muito proveito para o Maranhão”, enfatizou Levi Pontes (PCdoB).

O deputado Marco Aurélio (PCdoB) disse que as perspectivas para esse ano são boas e que será decisivo para o fortalecimento do Maranhão. “Fecharemos essa legislatura com um trabalho muito grande da Casa como um todo, com todos os deputados envolvidos nos debates, nas proposições, nas discussões que o Maranhão precisa, sempre fazendo o elo entre o povo e o Poder Executivo. A Assembleia pauta uma agenda importantíssima para todo o Estado do Maranhão. Vamos defender, arduamente, as nossas convicções para que o Maranhão continue seguindo firme, no rumo certo a fim de que consiga alcançar os patamares que têm alcançado e, inclusive, ultrapassá-los no próximo mandato”.

Para Junior Verde (PR), as perspectivas são boas. “Renovamos a nossa determinação, os nossos ânimos. 2018 deve ser melhor. É o que estamos esperando e vamos trabalhar pra isso. A Assembleia vai cumprir o seu papel constitucional, como sempre, legislando, acompanhando as ações do Poder Executivo e dando resposta à sociedade”, finalizou o parlamentar.

(Nice Moraes/Agência Assembleia)

Esporte: Empresas adotam práticas de investigação antes de apostarem em investimento esportivo

Ambiente de negócios complexo e forte escrutínio público cobram mais atenção do setor no país com gestão de riscos e ampliam consultas sobre práticas em governança

São Paulo – O receio de ter a imagem vinculada aos recentes escândalos de corrupção que envolvem o mundo esportivo no país está levando empresas a contratarem serviços de levantamento reputacional e avaliação de riscos antes de fecharem patrocínios.

As companhias estão buscando a Kroll, líder global em gestão de riscos, investigações, compliance, segurança cibernética e resposta a incidentes, para avaliar as ameaças associadas a agremiações esportivas, ligas, federações, confederações e atletas profissionais através de vários serviços oferecidos pela consultora, incluindo o due diligence em suporte a transações comerciais e financeiras, investigações internas, investigações de fraude e, cada vez mais, proteção de dados digitais.

“A despeito das especificidades regulatórias e organizacionais locais, o segmento esportivo profissional vive um ambiente de negócios extremamente complexo e desafiador no Brasil, que cobra um amadurecimento em termos de governança”, afirma Ian Cook, diretor sênior no escritório da Kroll em São Paulo.

De acordo com Cook, esse processo é inevitável à medida que organizações e profissionais do esporte operam cada vez mais sob uma estrutura empresarial sofisticada e estão sujeitos a impactos financeiros, operacionais, legais e reputacionais.

“Clientes do universo esportivo, assim como seus pares em outros setores da economia, estão vivenciando as mesmas necessidades por controles internos efetivos, assim como por estratégias de combate à corrupção, de promoção de compliance, transparência e princípios éticos”, explica.

Em nível global, a Kroll há muitos anos oferece serviços de gestão de riscos para este setor. Recentemente, Alex Horne, ex-presidente da Football Association, entidade que regula o futebol inglês, juntou-se ao time de especialistas da companhia como consultor para o segmento esportivo profissional.

Com mais de 11 anos na Football Association, onde também ocupou os cargos de CFO e COO, além de ter atuado como diretor geral do lendário Wembley Stadium, em Londres, Horne traz um profundo conhecimento sobre os desafios enfrentados pelo mundo afora por clubes e organizações, seja em operações financeiras e comerciais, em investigações de problemas internos e na gestão de questões reputacionais.

“A quantidade de recursos que o setor esportivo movimenta cresce de forma significativa, e essa realidade anda lado a lado com a responsabilidade de preservar a integridade da marca por organizações e atletas. Diariamente, eles devem equilibrar cuidadosamente a promoção de seus perfis com a salvaguarda de sua reputação”, comenta Horne.

Histórico de casos

Há anos, a Kroll tem auxiliado clubes de futebol europeus com serviços de due diligence para determinar a adequação de potenciais investidores. Nesses projetos, os objetivos são tanto a identificação da origem dos fundos como a análise de aportes em diferentes formatos de patrocínio.

“Além da preocupação financeira e operacional, as agremiações esportivas estão com cada vez mais frequência buscando se resguardar de passivos e de problemas que possam impactar a integridade de suas marcas futuramente”, explica Cook.

A Kroll também auxilia clientes do setor com investigações que abrangem desde suporte a litígios até a validação de controles internos. Em um projeto junto a uma organização internacional de ciclismo, por exemplo, a Kroll investigou a participação e conivência de dirigentes do órgão em casos de doping envolvendo profissionais da modalidade.

Em outro caso, a empresa ajudou a identificar o autor de uma campanha difamatória nas redes sociais contra um atleta de elite. Usando sofisticadas técnicas de segurança cibernética, os especialistas da Kroll conseguiram vincular múltiplos nomes de usuário a uma única fonte.

Sobre a Kroll

A Kroll é líder mundial em gestão de riscos e investigações corporativas. Há mais de 40 anos, ajuda seus clientes a tomarem decisões sobre negócios, pessoas e ativos, por meio de uma ampla gama de serviços para prevenir e mitigar riscos. Com sede em Nova York e mais de 35 escritórios em 20 países, a Kroll tem uma equipe multidisciplinar de quase 1000 colaboradores e serve a uma clientela global de escritórios de advocacia, instituições financeiras, empresas, organizações sem fins lucrativos, agências governamentais e indivíduos. Para mais informações visite www.kroll.com/brasil