Bons Tempos para profissionais empreendedores

Por Bruno Soalheiro*

Empreendedorismo é um termo bastante em alta e discutido cada vez mais neste país. Percebo, no entanto, ao conversar com algumas pessoas conhecidas, que a visão “popular” que se tem do termo está bastante associada a “montar um negócio ou empresa”.

Tudo bem que isto é mesmo empreender, mas penso ser importante compartilhar com o leitor uma visão muito mais ampla e democrática do termo. Faço isto porque verifico que jovens em início de carreira, estejam empregados ou atuando como profissionais liberais, dão pouca importância ao tema por acreditar que não diz respeito a eles, já que não querem “abrir um negócio”!

Empreender é atitude! É postura e posicionamento na vida. Tem a ver com conhecimento técnico sim, mas muito mais com desenvolvimento comportamental, foco, persistência, entusiasmo e paixão. E tem muito a ver com PLANEJAMENTO!

Diversos profissionais liberais e jovens recém egressos passam hoje por agruras, sem encontrar um lugar no mundo do trabalho por falta desta característica. Ora, até para se procurar emprego hoje é preciso empreender. É preciso planejar, buscar informação, preparar-se, informar-se e agir. Tem gente que nem procurar emprego sabe, quanto mais conseguir clientes como profissional liberal.

Veja bem, o que vai fazer você conseguir ou não clientes e arranjar ou não um emprego não é a qualidade técnica que você apresenta em seu campo de trabalho, e sim a postura empreendedora que você adotar para “impulsionar” o uso desta qualidade técnica, que é claro, deve ser excelente.

O médico mais solicitado não é necessariamente o que tirou as melhores notas ou estudou nas melhores faculdades, e sim aquele que sabe “fazer clientes”, criar sua imagem, ou seja, empreende como forma de “vender” sua qualidade técnica.

Empreendedorismo é comportamento! É modo de atuação! Não é abrir empresa apenas.

Com as novas tendências em gestão de pessoas do mercado, até mesmo para ser um “empregado” já se exige postura empreendedora. É gente que tem idéia, planeja, organiza, faz, erra, refaz, muda aqui, mexe ali, estuda, procura, remexe outra vez, cai, levanta e faz acontecer o que quer que seja; um emprego, uma festa, uma carteira de clientes ou mesmo organizar um passeio.

A má notícia é que a maioria de nós não foi criada para empreender, e sim para executar, acatar, obedecer e não transgredir. Resultado? O sujeito se forma e fica igual uma planta, sem saber o que fazer; alguns poucos dão sorte e “acontecem” em suas profissões, mas a maioria sobra, e acaba ocupando postos de trabalho que nada tem a ver com aquilo que queriam, ganhando pouco e infelizes. Alguém falou em depressão aí?

Já as boas notícias são que empreender é um comportamento que pode ser desenvolvido por qualquer um, e que jamais houve um tempo tão propício para se fazer isto. Entidades, empresas, ONGs, grupos independentes e órgãos governamentais, todos estão aí, fomentando o tal empreendedorismo como forma de despertar na população uma postura mais ativa e realizadora na vida.

Se você vai se graduar em breve, se é um profissional em início de carreira ou se sente que está “estagnado” ou sem rumo, aí vai uma dica. Estude sobre empreendedorismo, entenda este comportamento e procure aplicá-lo a todas as esferas da sua vida. Você perceberá com o tempo que será muito mais “dono de si” e capaz de realizar coisas maravilhosas.

Divulgo esta mensagem porque acredito que só o empreendedorismo pode salvar este país e nos ajudar a construir um futuro melhor. Só o empreendedorismo é capaz de criar pessoas ativas, responsáveis, realizadoras e donas de suas vidas. Pessoas que não esperam acontecer nem ficam protestando para que a sociedade arranje um lugar para elas.

Pessoas que dão o passo,correm o risco, sacodem a poeira e fazem a vida acontecer. Por isso, empreenda, você não vai se arrepender, e o país agradece!

Bruno Soalheiro é Psicólogo, palestrante e consultor em desenvolvimento humano.

UNEPP: Evento da entidade foi um sucesso

Nesta segunda-feira, 10, o Blog do Robert Lobato contará como foi o evento da União Nacional de Ex-prefeitos e Prefeitos do Brasil (UNEEP).

Bastante disputado, o evento aconteceu na noite de ontem, sábado, 8, no Espaço Mágico, e contou com a presença de várias autoridades públicas e privadas que abrilhantaram a segunda versão do que caminha para ser uma tradição qualificada e de credibilidade em homenagens a quem luta por um Maranhão mais justo, solidário e fraterno.

É amanhã, aqui no nosso Blog do Robert Lobato.

SANTA RITA: Ponte de Areias entra na reta final de conclusão

O prefeito de Santa Rita, Hilton Gonçalo, mais uma vez deu o exemplo de bom gestor. No sábado (8), o próprio colocou a mão na massa e ajudou na instalação da pré-laje da Ponte de Areias, ela liga diversos povoados do municipio que são cortados pelo rio Itapecurú. A obra entrou na reta final de conclusão e a expectativa é que ela seja entregue nos primeiros meses de 2019.

Hilton Gonçalo iniciou a obra de construção da ponte sobre o rio Itapecuru no ano de 2011, após um convênio entre a Prefeitura e o Governo do Estado, e tinha previsão para ser entregue em maio de 2015. Porém ao deixar o comando de Santa Rita no final de 2012, o sucessor não deu continuidade aos trabalhos.

Ao voltar a Prefeitura de Santa Rita em janeiro de 2017, Hilton colocou como meta concluir a Ponte de Areias e não havendo mais o convênio entre municipio e estado, o gestor deu continuidade as obras com os recursos próprios do poder público municipal, demonstrando seu compromisso com a população da cidade.

A Ponte de Areias para muitos é só um sonho que nunca será realizado, mas Hilton Gonçalo vai transformando em realidade uma obra, que é desejo de muitos habitantes de Santa Rita.

O prefeito ainda dá o exemplo de que além de boa administração dos recursos públicos, ele literalmente fiscaliza e ajuda nas obras do município, botando a mão na massa.

Gestão de crises: o que podemos aprender com o caso Carrefour

Um segurança de uma unidade da rede Carrefour de supermercados foi acusado de ter envenenado e espancando um cachorro que vivia no estacionamento da loja. O que a empresa poderia ter feito para lidar com a situação?

Ana Carolina Alves, via administradores.com.br

O Carrefour está enfrentando uma crise de imagem nas redes sociais após circular a notícia de que um de seus funcionários supostamente teria envenenado e espancando um cachorro que vivia no estacionamento de uma de suas lojas. Não vamos entrar na questão da responsabilidade sobre o caso ou acusar a empresa: mesmo sem investigações ou qualquer conclusão definitiva sobre o episódio, o caso já gerou comoção nas redes sociais. ONG’s de proteção animal, famosos e artistas se manifestaram e pediram um posicionamento da empresas, e muitos se chatearam ao receberem textos prontos.

Ao emitir uma nota de esclarecimento, o Carrefour afirmou que “a rede repudia qualquer tipo de maus-tratos contra animais”. Mas isso basta? Na era das redes sociais, não. Empresas que não se posicionam perdem credibilidade e enfraquecem sua própria marca. Esse é um momento de gestão de crise e cabe às empresas preparar seus funcionários para enfrentá-los.

Mas, afinal, o que é gestão de crise e por que as empresas precisam estar prontas para isso?
Gestão de crise é a atividade que tem a função de minimizar, reduzir e, claro, reverter os impactos negativos causados por um fato ou situação. A estratégia deve ser tomada para que a empresa tenha o menor prejuízo possível em questões financeiras e, principalmente, reputacionais. Então, por que as empresas brasileiras não estão preparadas para gestão de crise? Abaixo, listo os três principais motivos:

1. Modelos de gestão engessados
As empresas tradicionais do mercado brasileiro ainda estão em grande parte atrasadas no modelo de gestão da comunicação, principalmente no setor de mídias digitais. Os modelos antigos de comunicação não estão alinhados com a rapidez da internet, nem com a necessidade de um posicionamento preciso no momento de crise.

2. Investir no setor de vendas e não na comunicação integrada
As empresas tendem a investir muito em marketing para venda e geração de lucro e pouco se investe em comunicação interna e institucional. A comunicação institucional é quem define e apresenta a identidade da empresa para seus públicos, entre eles clientes e empregados. Quando um empregado da organização está ciente e é orientado sobre a identidade institucional da mesma, um vínculo é estabelecido através de estratégias de comunicação e relacionamento. Quando essa relação torna-se forte e estável, diminui a possibilidade de que o empregado pratique ações que não sejam condizentes com a identidade da empresa.

3. As empresas não antecipam possíveis cenários
Quando uma empresa investe em planejamento estratégico ela consegue antecipar cenários e estabelecer ações e estratégias que podem ser tomadas em uma gestão de crise. Definir quais são as diretrizes e a postura que a empresa deve assumir em relação a temas diversos ajudam a direcionar a equipe de comunicação e de relacionamento com o cliente a saber a forma certa de agir em momentos críticos.

O que uma empresa em momento de crise pode fazer?

Humanizar a nota de esclarecimento

Textos prontos, práticas antigas e com linguagem fria que não promove o bom relacionamento e empatia entre a empresa e o público não são mais bem aceitos e só distancia ainda mais o cliente, que não se identifica com a marca.

Declarar investimento em ações sociais para animais que sofrem maus tratos

Após o primeiro momento de pedir desculpas e assumir a responsabilidade, a empresa pode criar uma série de ações para tentar reparar o dano causado. No caso do Carrefour, ainda que a empresa mostre que não tem culpa no episódio, sua imagem já está sofrendo duras críticas nas redes sociais, e algumas ações já seriam interessantes de serem tomadas, como apoiar ONG’s e instituições que cuidam de animais, ou anunciar futuras ações da empresa de conscientização sobre maus tratos. O que não é aceitável, em qualquer caso de gestão de crise, é perder o timing e deixar de ser proativo.

MAIS IMPOSTOS: Voto firme de Wellington do Curso e as eleições de 2020

O deputado Wellington do Curso saiu fortalecido ao votar contrário ao aumento de impostos e se consolidou como o principal oposicionista ao governo Flávio Dino no parlamento maranhense.

“Estejam vigilantes, mantenham-se firmes na fé, sejam homens de coragem, sejam fortes.”
(1 Coríntios 16:13)

Ainda repercute a sessão da Assembleia Legislativa do Maranhão que aprovou o Projeto de Lei 239/2018, de autoria do Governo do Estado, que aumenta alíquotas de impostos no estado.

Na visão do governo Flávio Dino (PCdoB) trata-se de um “Pacote Anticrise”, mas para a oposição não passa de mais um “Pacote de Maldades” comunista.

Entre os que votaram contra e a favor, além do voto solitário de Eduardo Braide (PMN) pela abstenção, há de fazer-se um reconhecimento pela posição do deputado Wellington do Curso (PSDB) que se manteve inexorável na sua condição de parlamentar oposicionista, sem ter medo ou vacilar politicamente.

Tal como o seu colega Eduardo Braide, Wellington de Curso também gravou um vídeo no plenário comentando sobre o ânimo dos seus pares em relação ao projeto governista que aprofunda a gula do Palácio dos Leões por impostos. Só que, ao contrário de Eduardo, o bravo Wellington continuou contra a proposta de aumentar impostos mesmo após a gravação do vídeo.

Ambos os parlamentares concorreram ao cargo de prefeito em 2016: Eduardo Braide ficou em segundo lugar no pleito com 45.66% dos votos, indo para o segundo turno; e Wellington do Curso saiu das urnas em terceiro lugar obtendo 19.80% dos votos válidos.

As eleições municipais de 2020 ainda estão distantes, mas as articulações já ocorrem nos bastidores e tempo passa rápido.

Não possível avaliar, com um grau de segurança razoável, se a votação do assim chamado “Pacote de Maldades” do governo terá alguma influência na campanha de prefeito daqui a dois anos, ou seja, se o eleitor levará em conta quem votou a favor, contra ou se absteve do processo na Assembleia Legislativa.

De qualquer forma, claro que o deputado Wellington do Curso saiu fortalecido ao votar contrário ao aumento de impostos e se consolidou como o principal oposicionista ao governo Flávio Dino no parlamento maranhense.

E assim deverá se posicionar até 2020.

O que não é nada mau para quem ainda acalenta o sonho de ser prefeito de capital maranhense.

É aguardar e conferir.

VÍDEO: Idealizado pelo Sebrae-MA, Voucher Digital para Barreirinhas vence Prêmio Nacional de Turismo

A vitória do Voucher Eletrônico para a Prefeitura de Barreirinhas irá implementar ainda mais a Rota da Emoções enquanto destino turístico nacional e internacional.

A proposta do Voucher Digital para a Prefeitura de Barreirinhas, mais uma iniciativa empreendedora do Sebrae Maranhão, foi a grande vencedora do Prêmio Nacional de Turismo, promovido pelo Ministério do Turismo como Inovação Tecnológica no Turismo

Não obstante o Sebrae-MA tenha sido o braço técnico do projeto, inclusive contratando consultoria especializada em tributação municipal e mobilizando as diversas representações empresariais do Trade Turístico no município, coube ao prefeito Albérico Filho (PMDB) receber o prêmio em evento realizado na cidade do Rio de Janeiro, ontem, quarta-feira, 5.

É que à Prefeitura de Barreirinhas coube as articulações política para convencer, por exemplo, a Câmara de Vereadores aprovar a proposta do Voucher Digital, além de outros atos administrativos da gestão municipal que dependiam de passar por aprovação do Legislativo local.

O Blog do Robert Lobato parabeniza toda a equipe de gestores e colaboradores do Sebrae-MA na pessoa do superintende João Martins, bem como a gestão do prefeito de Barreirinhas, Albérico Filho, por esta importante conquista para o turismo maranhense.

Confira, abaixo, vídeo do momento em que feito o anúncio da vitória do Voucher Eletrônico para a Prefeitura de Barreirinhas, que irá implementar ainda mais a Rota da Emoções enquanto destino turístico nacional e internacional.

SAÚDE: Neurocirurgião Francinaldo Gomes lança seu terceiro livro em São Luís

O médico e educador financeiro apresenta sua nova obra intitulada  “Enriquecer faz bem a saúde” 
O neurocirurgião e educador financeiro, Dr. Francinaldo Gomes, em parceria com a Editora DOC e a Saúde mais Ação Educação e Consultoria Ltda, irá lançar no próximo dia 7 de dezembro sua terceira publicação, intitulada “Enriquecer faz bem a Saúde”. O evento, que acontece às 19h, no auditório do UDI Hospital, pretende reunir para uma palestra e noite de autógrafos, profissionais das áreas de finanças e médica, além de pessoas interessadas no tema.
Juntamente às suas atividades médicas, o Dr. Francinaldo Gomes dedica-se à educação financeira de médicos e demais profissionais liberais, já tendo formado mais de 1000 investidores em seus cursos realizados por todo o Brasil. O título, que é sua terceira obra, irá mostrar de forma clara e objetiva como conquistar a tão sonhada independência financeira através de estratégias de criação multiplicação de riqueza. “Diferente dos livros existentes atualmente sobre finanças e investimentos, esta obra consegue mostrar como usar os diversos produtos financeiros de forma harmônica e sincronizada para produzir e remunerar uma carteira eficiente de ativos. E tudo isso sem que você precise deixar de exercer a sua profissão”, explica o médico.
No decorrer do livro, fica claro a necessidade de conquistar sua liberdade financeira, até porque no cenário atual é quase impossível contar com bancos e governo para cuidarem de você quando não puder mais trabalhar. Uma pessoa que não cuida das suas finanças passará o resto da vida trabalhando para enriquecer terceiros e não para seu próprio enriquecimento. Enriquecer é muito mais do que simplesmente ganhar dinheiro. E fica evidente que esse processo faz um grande bem à saúde de todos.

Deu no DO: Decreto do governo Dino minimiza decisão judicial

Além dos aspectos jurídicos levantados em relação ao polêmico Decreto, há componentes políticos uma vez que o ato governamental dá super poderes à SEPLAN.

“Está decretado: No Maranhão o Poder Executivo está acima do Poder Judiciário”.

Assim um conhecido operador do direito maranhense resumiu o teor de um Decreto assinado pelos governador Flávio Dino, de 30 de novembro de 2018, e publicado no Diário Oficial do Estado do Maranhão, edição de 3 de dezembro de 2018.

É que no texto do referido Decreto fica estabelecido, já no seu artigo 1ª, que: “A implantação de qualquer vantagem oriunda de decisão judicial será cumprida mediante existência de dotação orçamentária e financeira atestada pela Secretaria de Estado de Planejamento e Orçamento – SEPLAN”. E encerra com artigo 2º que determina: “A Secretaria de Estado da Gestão, Patrimônio e Assistência dos Servidores – SEGEP e demais órgãos, uma vez intimados deverão encaminhar previamente a qualquer outro ato, a citada intimação para consulta à SEPLAN e à Procuradoria-Geral do Estado – PGE.”.

Na opinião do jurista, que questionou a legalidade do Decreto de Flávio Dino é como se o governador mandasse dizer que não cumpre decisão judicial, estivesse acima de tudo e de todos, inclusive dos demais poderes, e questionou ainda se o presidente do Tribunal de Justiça do Maranhão (TJ-MA), desembargador José Joaquim Figueiredo dos Anjos, irá aceitar o que ela considera uma “submissão imposta pelo governador”.

“O teor desse decreto é como se o governador dissesse que não cumpre decisão judicial, que está acima de tudo e de todos, enfim, que os demais poderes estão abaixo de dele. O presidente do TJ-MA vai aceitar essa submissão imposta pelo governador? O Poder Judiciário está agora, com base nesse decreto, abaixo do Poder Executivo”, assegurou ao Blog do Robert Lobato o jurista que preferiu não se identificar “por quanto”.

Além dos aspectos jurídicos levantados em relação ao polêmico Decreto, há componentes políticos uma vez que o ato governamental dá super poderes à SEPLAN, já que todas as demais secretaria de Estado terão que encaminhar as intimações para a pasta, hoje comandada pela senhora Cynthia Celina de Carvalho Mota Lima.

GOVERNO BOLSONARO: Fábio Gondim anuncia que vai integrar equipe econômica do Governo de Transição

Técnico de competência conhecida e reconhecida, Fábio Gondim foi um dos gestores responsáveis por deixar o situação fiscal do Maranhão equilibrada até o final de 2014, e depois passou a fazer vários alertas sobre os rumos do governo Flávio Dino que levariam a saúde fiscal do estado para a UTI.

O consultor de Orçamento do Senado Federal, Fábio Godim, anunciou, pela rede social do Twitter, que é agora é oficialmente membro da equipe econômica do Governo de Transição.

“Agora é oficial!!! Saiu a publicação dos nomes que compõem a equipe econômica do Governo de Transição. Senti-me honrado por fazer parte desse seleto grupo. Obrigado ao Presidente e ao Ministro Paulo Guedes pela confiança! Obrigado aos colegas pela acolhida!”, tuitou.

Técnico de competência conhecida e reconhecida, Fábio Gondim exerceu o cargo de secretário de Planejamento e em seguida o de Gestão e Previdência durante o governo Roseana Sarney, sendo um dos gestores responsáveis por deixar o situação fiscal do Maranhão equilibrada até o final de 2014, depois passou a fazer vários alertas sobre os rumos do governo Flávio Dino que levariam a saúde fiscal do estado para a UTI, em especial o aumento de gastos com pessoal e a má gestão dos recursos do Fundo Estadual de Pensão e Previdência dos Servidores (FEPA).

Agora como integrante da equipe econômica do Governo de Transição, Fábio Gondim dá início a uma nova fase na sua carreira no setor público podendo, claro, vir a ser um nome de destaque no próximo Governo Federal que inicia no dia 1º de janeiro de 2019.

Ao amigo, o Blog do Robert Lobato deseja todo o sucesso possível nessa sua nova empreitada profissional.

O estado é o Maranhão, mas pode chamá-lo de “Impostolândia” 4

Enquanto o aumento de impostos é o caminho optado pelo governo maranhense, ‘nadica de nada’ sobre novos investimentos no estado. Pelo contrário, a notícia que se tem é sobre o fato do Maranhão ter deixado de ser o destino de empresas privadas que não confiam na conjuntura local sob Flávio Dino.

O Governo do Maranhão voltou a ser alvo de críticas por conta das novas “garfadas” no bolso dos contribuintes ao anunciar, novamente, aumentos de impostos.

Reportagem de O Estado publicada edição desta terça-feira, 4, aponta que o povo maranhense já pagou, só em 2018, R$ 6,2 bilhões em ICMS.

Agora o governo comunista de Flávio Dino (PCdoB) resolveu encaminhar à Assembleia Legislativa o Projeto de Lei nº 239/2018 que aumenta, mais uma vez, o ICMS de uma série de produtos no Maranhão, entre os quais: gasolina, refrigerante, energéticos, isotônicos, embarcações de esporte e de recreação. Até rodas esportivas para automóveis e drones serão sobretaxados.

Ao optar por novos aumentos de impostos, o governo dá razão aos seus críticos sobre a grave crise fiscal e financeira que atravessa o estado do Maranhão. Tanto que vários setores do funcionalismo público estão com salários atrasados, outros com vencimentos defasados, fornecedores há meses sem receber pelos serviços prestados e por aí vai. Isso sem falar da questão previdenciária que caminha a passos largos para o abismo.

O fato é que o aumento de impostos é o caminho optado pelo governo maranhense, nadica de nada sobre novos investimentos no estado. Pelo contrário, a notícia que se tem é sobre o fato do Maranhão ter deixado de ser o destino de empresas privadas que não confiam na conjuntura local sob Flávio Dino.

E, assim, enquanto os investimentos privados não chegam, o Maranhão vai se tornando a terra dos impostos ou, simplesmente, a “Impostolândia”.

Uma lástima!