Jornalista avalia que Flávio Dino plantou vento e colherá tempestade 6

Uma análise lúcida e factual do amigo Diego Emir.

Passou foi longe da TPE (Tensão Pré-Eleitoral), que tem a afetado alguns colegas da blogosfera maranhense. Confira.

A calmaria política que Flávio Dino vive é prenúncio de tempestade

Atualmente, Flávio Dino (PCdoB) navega em mares calmos, voa em céu de brigadeiro e demonstra total certeza na reeleição ainda no primeiro turno dia 7 de outubro de 2018. O governador do Maranhão vive um dos melhores momentos, ainda com as atividades retomando ao parlamento e o povo anestesiado pelo carnaval, o comunista vive a tranquilidade de quem “alcançou” mais de 60% em pesquisa e possuir 14 partidos aliados. Porém, vale a máxima, toda calmaria é prenúncio de tempestade.

O uso do conhecimento popular, especialmente daqueles que navegam pelos mares, não é uma torcida deste jornalista, mas sim uma constatação do que o governador Flávio Dino está a prestes a viver e aqui não faço futurologia.

O arco de aliança comunista montado em uma base de 14 partidos – PCdoB, PDT, PT, PSB, PPS, PP, PRB, SD, PTB, PTC, PROS, DEM, PR e PEN – é completamente instável, muito parecido a um terreno arenoso e qualquer fluxo de saída de legendas pode virar um efeito dominó.

O primeiro ponto mais importante para Flávio Dino é a questão da escolha do senador. Após optar por Weverton Rocha ainda em dezembro, quando o próprio “botou uma faca no pescoço” do comunista e exigiu a indicação, o governador agora vive o dilema do que fazer com os descontentes, após o anúncio do segundo nome, que deve ser Eliziane Gama (PPS).

Zé Reinaldo Tavares (sem partido) e Waldir Maranhão (Avante), já deixaram claro que vão até o fim com suas pré-candidaturas, ou seja, vão concorrer ao Senado em quaisquer circunstância. Nesses dois nomes moram a primeira grande turbulência a vir a ser sofrida por Flávio Dino e ambos o podem levar a derrocada.

Tanto Tavares quanto Maranhão, já não escondem que conversam e já articulam com outros pré-candidatos ao governo, principalmente em um eixo que circunda entre Roberto Rocha (PSDB) e Eduardo Braide (PMN). É nos dois que está o maior medo de Flávio Dino, pois o comunista possui as armas prontas e apontadas para Roseana Sarney (MDB), mas seu discurso provinciano, não o permite ir para um embate além da dicotomia Sarney vs Anti-Sarney.

No cenário nacional, a disputa presidencial será uma das mais disputadas da história com ou sem Lula, e para Flávio Dino, sem o ex-presidente seria um cenário muito melhor. Afinal facilitaria mais uma vez o palanque múltiplo com um outro nome do PT, Manuela D´avila do PCdoB, Ciro Gomes do PDT e até Fernando Collor do PTC, além de outros que poderiam surgir.

Mas é na disputa entre direita e esquerda que esgarça a base aliada de Flávio Dino. Contando com vários partidos golpistas, o comunista pode presenciar a saída de um grupo de legendas que possuem obsessão por chegar a presidência como o caso do DEM e outro que pode fazer composições como PP, PTB, PR e outros. Os citados são os de maiores de peso, que representariam tempo e fundo partidário.

É prevendo esse cenário turbulento que Flávio Dino se utiliza de velhas práticas como uso de estruturas midiáticas e pesquisas questionáveis, assim como criticou sua antecessora. Para passar uma sensação de calmaria, tranquilidade e tudo favorável.

Ao divulgar os mais de 62% nas pesquisa Data Ilha/Tv Difusora registrada no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) sob o protocolo 06345/2018, o comunista tem apenas um interesse: mostrar a classe política que é com ele que devem seguir.

Mas como boa parte dos políticos, Flávio Dino esquece que o jogo político para sair perfeito tem que combinar com os eleitores e não só os “representantes do povo”. E assim como os maranhenses deram um “sim” para el 2014, o “não” parece ser algo bem real diante da realidade de um estado que parou no tempo ao não promover geração de emprego e renda, estagnando a economia e habilitando mais de 300 mil maranhenses para condição de extrema pobreza nos últimos três anos.

A maior das turbulências será quando ficar evidente que os mais de 60% apontados em pesquisas não passam de um “castelo de areia”.

No fim, Flávio Dino pode até sobreviver as intempéries que estão por vir, mas uma reeleição certa, garantida e ainda no primeiro turno foge de qualquer possibilidade da realidade maranhense.

A RIQUEZA OCULTA

Roberto Rocha, senador da República

Uma escola de samba de São Paulo, a Acadêmicos do Tatuapé, veio buscar no Maranhão a inspiração para produzir o espetáculo que levantou o título na avenida. Alguns dirão: certamente isso se deu pelo fato do carnavalesco da escola, Wagner Santos, ser maranhense. Não, decididamente, não! A escolha de um enredo passa por várias cabeças e depende de muitos fatores. Fosse o carnavalesco de outro estado, teria emplacado sua terra?

Faço esta reflexão com um propósito. Para chamar a atenção para a extraordinária riqueza que está diante dos nossos olhos, e muitas vezes é preciso ser vista de fora pra que nós mesmos enxerguemos. A Tatuapé escolheu o Maranhão porque percebeu que aqui havia todos os elementos que compõem uma narrativa para empolgar a celebração popular. Pra começar, somos a síntese da formação cultural do país, nos três grandes eixos: o africano, o europeu e o indígena. Trazemos em nossa imaginação, costumes, memórias e sonhos, o eco do encontro de crenças e visões de mundo tão variadas que se aclimataram em nosso território. Isso não se deu pacificamente, mas a custa de sangue e dor.

Sobre esse terreno construímos um imaginário de “encantarias”, como diz o enredo da escola, feito de mitos, de arquétipos, de lendas, de fantasias que adubaram fértil terreno para o nascimento de gerações de poetas, de Gonçalves Dias a Ferreira Gullar. Um lugar tocado de poesia e magia que penetra na imaginação desde que “o sonho aportou na ilha da magia”.

Está tudo lá, na letra do samba, numa síntese magnífica. Fala das batalhas pela libertação dos escravos, das feitiçarias, da poesia, da alegria, das matracas, dos tambores e de São José, nosso santo padroeiro. Fala ainda das cantorias, das quebradeiras de coco e não esqueceu do reggae, mais um exemplo de simbiose cultural.

Mas nada disso seria suficiente se não fosse o fato de constituir também uma vibrante e arrebatadora tradição visual que está presente nas miçangas dos bois, nos traçados geométricos das pinturas indígenas, nos vestuários das danças populares, nas fitas coloridas, nas cavalgadas, nas romarias, nos azulejos, nos cocares. Que mais quer uma escola de samba pra empolgar a avenida? Poesia, magia, beleza, mistério, essa a riqueza que o Maranhão forneceu para que a Tatuapé, com enorme competência, conquistasse o bicampeonato.

Nem todo o dinheiro de mídia do Governo conseguiria divulgar o Maranhão com tanta leveza e generosidade. O Maranhão tem muitas outras riquezas ocultas dos maranhenses. Chegará o dia em que serão desveladas para seu povo.

ELEIÇÕES 2018: Eduardo Braide quer ser prefeito e não governador (ainda) 20

Sem um partido forte e coligação que deem consistência a sua campanha ao governo, Braide deverá mesmo disputar uma vaga para a Câmara Federal e vir com tudo para prefeito de São Luis daqui a dois anos

Se tem um político que está, digamos, “numa boa”, chama-se Eduardo Braide (PMN).

O deputado se tornou uma estrela, uma espécie de “queridinho político” depois que saiu da eleição para prefeito de São Luis em 2016 na segunda colocação e por pouco não melou a reeleição do prefeito Edvaldo Júnior (PDT).

Atualmente Braide é cortejado por praticamente todas as forças políticas que o veem como a verdadeira renovação da política maranhense.

O Blog do Robert Lobato nunca duvidou do talento político de Eduardo Braide, tanto que já no primeiro turno das eleições municipais de 2016 publicou um post avaliando que o jovem parlamentar poderia surpreender durante a campanha eleitoral. E foi o que aconteceu!

Ocorre que uma coisa é eleição municipal de prefeito, outra completamente diferente é uma campanha de governador, que remete a uma estrutura política, partidária, financeira, material, humana e logística exponencialmente maior. E Braide sabe disso. Aliás, nas entrevistas que tem concedido ele admite que sua candidatura ao governo não depende somente do seu desejo pessoal.

Eduardo Braide tem uma eleição praticamente garantida para deputado federal. Correr o risco de ficar sem mandato até 2020 não razoável e muito menos inteligente.

Sem um partido e coligação que deem consistência a sua campanha ao governo, Braide deverá mesmo disputar uma vaga para a Câmara Federal e vir com tudo para prefeito de São Luis daqui a dois anos.

“Mas, Bob, por que você acha que ainda não é vez de Braide para o governo do Maranhão”?, perguntaria aquele leitor que está doido pra voltar em Braide governador – 33. Explico.

Eduardo Braide cometeu um erro fundamental no segundo turno das eleições de 2016 quando calculou que poderia ganhar sozinho aquele pleito, sem a ajuda ou apoio de quem quer que seja. Deu um show de esnobismo o que lhe custou a vitória.

Ora, se há pouco menos de dois anos o nosso bravo Eduardo Braide não quis o apoio de nenhuma força política, por que agora alguns dos pré-candidatos a governador iriam abrir mão dos seus projetos a favor dele? Não faz sentido algum e Braide tem consciência disso. No mais, ele precisa não apenas de um partido com maior musculatura, mas também de um palanque forte de presidente da República e uma boa coligação.

“Mas, Bob, esse partido poderia ser o PT, ora”, ponderaria novamente aquele leitor-eleitor de Braide.

Sim, poderia ser o PT e o Blog do Robert Lobato já tratou disso também.

Ocorre que o PT do maranhão sofre de uma síndrome que o impede de crescer e quem deseja crescer e podado na hora! Mas é uma possibilidade, ainda que, uma vez no PT, Braide possa correr o risco de, de repente, ter que disputar prévia para governador com um militante lá de Araguanã…

Nesse sentido, é pouco provável que Braide seja candidato a governador em 2018, devendo mesmo disputar para deputado federal e depois partir para aquilo que é o seu verdadeiro foco: a Prefeitura de São Luis.

Jovem, inteligente e talentoso, o projeto “Braide governador” pode esperar.

É aguardar e conferir.

Seu propósito é ser vocêDébora Zanelato

Para levar uma vida mais realizada e com mais sentido, o primeiro passo, diz a coach Paula Abreu, é descobrir quem somos de verdade

Débora Zanelato, via Vida Simples

Seu propósito de vida é ser você. Não se deixe levar pelo ego, não acredite que você existe para um propósito especial ou extraordinário. A sua existência já é extraordinária.” É assim que a coach Paula Abreu começa a falar em seu livro sobre uma questão tão recorrente em nossos dias: o propósito da nossa vida. A autora de Escolha Sua Vida (Sextante) defende que, para sermos felizes, o primeiro passo é mergulhar em uma autodescoberta. “Ficamos presos a conceitos e histórias que nos foram impostas, inclusive conceitos sobre o que é a felicidade”, ela diz. E o medo (de fracassar ou até mesmo de algo dar certo) precisa ser deixado de lado se quisermos realizar nossos sonhos.

De onde vem nosso medo de arriscar, de fracassar?

Você diz que tem a ver com nosso conceito de felicidade… Quando somos crianças, muitas vezes sabemos o que queremos. A gente pensa em algo que gostaria de fazer e ser feliz. Mas depois a gente cresce e descobre que ser feliz é algo complicado, temos que cumprir uma série de etapas, e assim você vai ganhando um montão de camadas que não eram suas. E, quando conseguimos nos despir dessas camadas, tudo o que é diferente disso dá medo. É o que eu brinco de “felicidade do Facebook”. Qual felicidade você quer? A de verdade ou aquela que você pode mostrar e todo mundo vai entender como felicidade? Tinha amigas que falavam ter inveja de mim. Porque eu tinha um emprego maravilhoso, um casamento dos sonhos, filho… Mas eu não estava feliz! Só que existe o medo de abandonar isso e o receio das críticas. Então eu digo que o medo vem, dentre alguns fatores, da falta de clareza. Não temos clareza do que realmente queremos.

E qual é a importância de ser quem somos nesse processo?

O seu propósito de vida deve ser você. Quando você descobre quem é e expressa a sua verdade, acontece um despertar. Você fica mais consciente dessas camadas e condicionamentos, que não são seus e não lhe representam. Percebo que as pessoas ficam tensas sobre qual é o seu propósito, e costumo dizer para ficarem calmas porque o propósito de vida de cada um é ser você mesmo e ser feliz. E o secundário, que é fazer o que você gosta, está alinhado a isso, a ser você mesmo. Ao descobrir quem você é de verdade, passa a ter menos medo. O que as pessoas vão falar não importa. Então você aprende a dizer não. Em geral, não conseguimos dizer não por medo de decepcionar o outro, e também pelo mal-estar de achar que, ao recusar, estamos perdendo alguma coisa muito legal. Mas, quando você sabe o que é e o que quer, se torna capaz de dizer não com liberdade e entende que isso é essencial para não tirá-lo daquilo que ama. Um não necessário é um sim para você.

Que caminhos você propõe para essa descoberta de nós mesmos?

O jeito mais eficiente é se fazer perguntas. Se não temos as respostas que queremos, precisamos criar perguntas diferentes. Reclamamos da nossa realidade em vez de procurar o que pode ser aprendido com o desafio. Eu incentivo as pessoas a criar um caderno do eu. Listar o que amam, odeiam, seus valores. E sugiro que, todos os dias, criem duas perguntas e saiam pelo mundo em busca de respostas. Enquanto cada um não parar para refletir sobre si mesmo nada vai mudar. Nosso eu está embaixo de camadas de crenças e valores. Se reparar, buscamos ser como todo mundo. E, segundo disse Carl Jung, imitar os outros é algo útil para o coletivo, mas muito nocivo para a individualidade.

Como expressar quem você verdadeiramente é?

O primeiro passo é saber que você não vai agradar a todos. É poder ser impopular. Quando a gente quer se expressar, tem que abraçar a vulnerabilidade. É muito melhor agradar quem tem a ver e quem vai gostar de você por ser quem você é. Não quero pessoas que gostem de mim pela roupa que estou usando ou pelo cargo que tenho. Porque amanhã posso não ser isso. Quero alguém que goste da minha essência. Eu sou coach e as pessoas têm a imagem de um profissional muito sério, contido. Eu já dei sessão em que toquei ukulelê (instrumento de cordas), fiz trampolim. Coach pode fazer trampolim? Não sei, mas eu faço. Tem gente que não virá até mim porque procura a imagem de uma pessoa respeitável, mas outros virão justamente por se identificarem com meu jeito.

E como lidar com as críticas?

Acredito que, quando você está tranquilo do que está fazendo, percebe que a crítica do outro, na verdade, tem a ver com ele próprio. Quando decidi não ter mais carro, as pessoas se incomodaram. Mas é um incômodo delas, percebe? Porque elas acreditam que não dá para viver sem um automóvel. A gente fica mais tranquilo quando entende que a história é só dela e não é mais minha. Ao fazermos uma escolha diferente, nos tornamos um holofote na vida do outro, e ele sente que também deveria estar fazendo algo diferente. Então, quando eu não tenho um carro, todas as pessoas que acham que isso é necessário são quase obrigadas a pensar que é possível não ter um carro. E isso gera um incômodo.

Você também diz que, além do receio de fracassar, o medo do sucesso também nos impede de realizar sonhos. Como é isso?

Muita gente tem medo de fazer algo que dá certo. Quando pergunto quais são as consequências possíveis se aquele objetivo der certo, muitas vezes encontro algo que é resultado disso e a está impedindo de atingir a meta. Tive uma cliente que queria emagrecer, mas nunca conseguia. E chegamos à conclusão de que ela tinha a fantasia de que, quando ficasse magra, seria mais popular e não saberia como reagir a isso, pois era tímida. Ou seja, o medo criou uma história na cabeça dela. Ao longo do programa, coloquei como desafio que, todos os dias, ela tivesse uma conversa com um desconhecido. Costumo dizer que, além da clareza que ajuda a vencer o medo, você também precisa “queimar os barcos”, agir.

E quando a pessoa procrastina por um perfeccionismo?

Não existe pessoa que está empacada porque é perfeccionista. Quando ouço isso, digo que ela está mentindo para si mesma. Ninguém atinge a perfeição. Só se atinge a perfeição aperfeiçoando. Se está empacando porque fica planejando, pode no máximo chegar a um plano perfeito, mas todo plano precisa de um campo de batalha. Porque, na prática, as coisas serão diferentes, você verá o que precisa ser ajustado, mudado. Haverá obstáculos com os quais não contava. É proveitoso se colocar em movimento imediato. Quem coloca a culpa no perfeccionismo está com medo ou insegurança. A pessoa que espera ter a melhor câmera para começar a fotografar corre o risco de nunca fazer uma foto.

E a justificativa de que não faz nada para mudar porque não tem tempo?

Isso acontece porque, em geral, desperdiçamos horas a fio com o que não importa. Você diz que não tem tempo, mas assiste a várias novelas, fala no WhastApp em diversos grupos. Perdemos tempo em pedacinhos, que, quando acumulados, resultam em muito tempo. Cinco minutos aqui, 15 ali e, quando se vê, uma hora se passou, tempo suficiente para fazer algo que você ama. Indico que as pessoas façam uma lista com todas as atividades, durante uma semana inteira. Isso inclui até o tempo em que acordou e levou 40 minutos pra sair da cama. Essa grande lista vai ajudar a avaliar o que pode ser delegado ou eliminado.

Quando falamos de empreender, temos a ideia de que isso envolve criar uma empresa, sair do emprego. Esse é o caminho?

Não necessariamente. Empreender a si mesmo não é empreender um negócio. O pensamento não é o de que para ser feliz não posso trabalhar em uma empresa. Eu também tenho pessoas que trabalham comigo, quero que sejam felizes no que fazem. O mais importante é encontrar um trabalho, seja ele a sua própria empresa, seja algo que já existe, que esteja alinhado com seu propósito primário: ser quem você é. Muitas pessoas até redescobrem o próprio emprego quando mergulham em quem elas são e mudam a relação com o trabalho que já têm. Vale lembrar que nessa descoberta não existem regras ou um único caminho. O grande propósito é sempre ser você mesmo.

Deseja o TCE-MA dar uma de “Choquitox”?

O Poder Legislativo está correto. Não se trata de enquadrar o TCE-MA, mas de colocar ordem nas relações institucionais entre as duas casas

A Assembleia Legislativa do Maranhão está correta em debater uma forma de frear o ímpeto do Tribunal de Contas do Estado (TCE-MA) em querer meter o bedelho onde não pode, principalmente de forma oportunista e casuística como aconteceu no caso da Instrução Normativa que proibiu as prefeitura maranhenses, que estão com a folha de pagamento dos servidores em atraso, de realizar as festas de carnaval.

No que a tal Instrução Normativa pode parecer uma decisão justa e acertada, na verdade ela acaba por passar a ideia para a sociedade de que o TCE-MA é uma instituição que, além de incompetente, serve pra coisa alguma, pois os gestores municipais fazem o que bem entendem com o dinheiro público durantw os quatros anos de mandato e sempre conseguem as benevolência da corte de contas estadual.

“Ah, Bob Lobato, mas quem aprova ou desaprova as contas dos municípios são as Câmaras, logo o TCE não têm culpa”, pode alegar um leitor de boa-fé.

Sim, é verdade, mas o TCE-MA historicamente tem sido omisso em relação às maracutaias de prefeitos, quando não “sócio” nas mais diversas formas de operações que envolvem milhões de reais. Quem não sabe disso? Ora, bolas!

O fato é que o Poder Legislativo está correto. Não se trata de enquadrar o TCE-MA, mas de colocar ordem nas relações institucionais entre as duas casas.

A Assembleia Legislativa não está apenas agindo dentro da legalidade, mas atuando, acima de tudo, com toda a legitimidade que lhe é garantida pela vontade popular.

O fato é que o TCE-MA não pode querer dar uma de “Choquitox” só para aparecer.

Essa opinião do Blog do Robert Lobato.

BARREIRINHAS: Léo Costa filia-se ao PSDB neste sábado 4

O ex-prefeito de Barreirinhas assina amanhã, sábado, 17, a ficha de filiação ao tucanato maranhense.

Foto: Blog do Aquiles Emir.

Pedetista e brizolista histórico, um dos primeiros assinar a ficha do PDT no Maranhão, Léo Costa deixou a legenda pedetista após duro golpe que sofreu nas eleições de 2016 quando foi abandonado à própria sorte pelo deputado federal Weverton Rocha, dono do PDT no estado, que o deixou sem legenda para disputar a sua reeleição pela sigla trabalhista.

Léo Costa foi um dos companheiros mais próximos do saudoso ex-governador Jackson Lago, com quem esteve nos principais e mais importantes momentos da trajetória de luta do PDT no estado.

Para o senador Roberto Rocha, presidente estadual do PSDB, “é uma honra receber nos quadros do PSDB uma liderança, um intelectual e um homem público da envergadura do companheiro Léo Costa. Certamente o nosso querido Jackson Lago está muito feliz com este momento”.

Ao Blog do Robert Lobato, o mais novo tucano do Maranhão afirmou: “é uma nova página da minha história pessoal e na minha militância política. Chego como um soldado para contribuir com a construção de um novo projeto para o Maranhão e para o Brasil. Tanto o nosso presidente estadual Roberto Rocha quanto nosso presidente nacional Geraldo Alckmin podem contar com este humilde, mas valente soldado”.

O Blog do Robert Lobato deseja todo o secesso para o amigo Léo Costa.

“Esse foi o maior Carnaval de Tuntum”, garante prefeito Tema

O presidente da Federação dos Municípios do Estado do Maranhão-FAMEM fez um balanço dos festejos carnavalescos na cidade que dirige e garantiu: “Esse foi o maior e melhor Carnaval de todos os tempos em Tuntum, sem registro de incidentes, marcado por uma alegria contagiante de toda a população”.

Do Sábado Gordo até a terça-feira de Carnaval, o povo esteve nas ruas e na Praça, pulando e acompanhando as bandas que embalaram a festa do Momo naquela cidade da região Central do Maranhão.

Foi verificada a participação de muitos turistas das mais variadas regiões do Maranhão, por saber que o Carnaval de Tuntum sempre foi marcado pela alegria e pela tranquilidade, por conta de um excelente trabalho das Polícias Civil e Militar, de acordo com o prefeito Tema

“O povo de Tuntum é festeiro, é muito ordeiro e extremamente hospitaleiro e isso garantiu também a tranquilidade e a alegria esfuziante desse Carnaval”, de acordo com o prefeito Tema, que esteve sempre acompanhado da primeira dama Daniela Tema durante todos os festejos.

Tema aproveitou ainda para agradecer o governador Flávio Dino e o secretário de Cultura, Diego Galdino, pelo apoio que deram a todos os municípios para que fosse realizado o que ele considera como o maior Carnaval do Maranhão de todos os tempos.

“O nosso governador entendeu o espírito festivo do povo maranhense e, além de haver investido para uma grandiosa festa, esteve participando ativamente do nosso Carnaval, nos circuitos de rua de São Luis”, salientou o presidente da FAMEM.
Vem com a Gente

No último dia do Carnaval de Tumtum, milhares de foliões saíram da Praça São Francisco de Assis em direção ao Balneário da Tiúba, embalados por vários paredões de som, entre eles o Paredão do Frango (do Alfredo), o do Pedro e o Barjay (do Frank). Foi uma autêntica folia do Bloco Vem com a Gente, que teve a liderança da primeira dama Daniela Tema.

A chegada na Tiúba foi triunfal Daniella, sempre acompanhada do seu esposo Tema estava a frente e foi recebida pelo artista tuntuense Mizael Teixeira o Miza Top.

Ainda foram entregues 1500 abadas e distribuídas mais de 500 bandejas de cerveja.

ELEIÇÕES 2018: PT se movimenta rumo à candidatura própria e Lula já deu o recado 19

Os cotados para liderarem uma eventual chapa majoritária seriam o ex-presidente do PT, Raimundo Monteiro e o deputado e ex-vice-presidente da Câmara Federal, Waldir Maranhão

Como o Blog do Robert Lobato vem afirmando e comentando há tempos (basta pesquisar nos arquivos desta página), o PT está a passos largos rumo a um projeto de candidatura própria ao governo do Maranhão.

A última movimentação nesse sentido aconteceu na noite de ontem, 16, quando do encontro entre vários dirigentes petistas e o deputado federal e pré-candidato a senador Waldir Maranhão (Avante).

Na pauta, a formação de uma chapa com o PT indicando o candidato ao governo e outro partido a vaga para o Senado Federal. Também foi considerado o cenário onde o partido pode sair só com chapa pura tanto para governador quanto senador.

Nesse caso, os cotados para liderarem uma eventual chapa majoritária seriam o ex-presidente do PT, Raimundo Monteiro, que já concorreu ao governo em 2002, e o deputado e ex-vice-presidente da Câmara Federal, Waldir Maranhão.

Ex-presidente da Câmara dos Deputados, Waldir Maranhão tem apoio da cúpula nacional do PT, inclusive do Lula, para ser o senador do partido e/ou pelo partido, bastando para isso que o parlamentar se viabilize nas bases petistas no estado.

O fator Lula

Segundo apurou o Blog do Robert Lobato, o ex-presidente Lula reiterou o compromisso de ter Waldir Maranhão como candidato a senador. O líder petista afirmou diante de várias lideranças nacionais do partido, durante a caravana pelo Nordeste, que Waldir é o nome do PT ao Senador Federal no nosso estado.

Na última conversa que o governador Flávio Dino teve com Lula, pouco antes do carnaval, o líder petista deixou claro que quer o PT numa posição de protagonista no processo eleitoral de 2018 no Maranhão e que a prioridade é a vaga de senador.

Depois dessa conversa com o Lula, Flávio teria procurado o presidente do PT, Augusto Lobato, e determinado que o mesmo procurasse a Gleisi Hoffmann para saber “qual o rumo” e quais as garantias que o governador tem de que o PT realmente estará no seu palanque de reeleição. Lobato cumpriu a missão e ouviu da presidenta do partido que o “quadro mudou” e que governador comunista tem que dar o seu jeito de contemplar o partido na chapa majoritária.

Em outra agenda, desta feita com José Dirceu, Lobato foi obrigado a escutar palavras mais duras, no melhor estilo do ex-ministro. “Companheiro, não é o PT que tem que ir ao Flávio Dino, mas sim o Flávio Dino que deve procurar o PT”, disparou.

O fato é que PT está em plena efervescência pré-eleitoral com forte tendência de construir um caminho político-eleitoral próprio nas eleições de 2018 no do Maranhão.

É aguardar e conferir.

EM TEMPO. Até o momento há PT três pretendentes a cargos majoritários no PT: Raimundo Monteiro, pré-candidato a governador; Márcio Jardim e Nonato Chocolate, ambos pré-candidatos a senador.