BENEFÍCIOS FISCAIS: Quem pariu Mateus que o embale

Com o advento da “Lei Mateus”, a relação do Palácio dos Leões com o Grupo Mateus virou quase uma relação de compadrio entre o empresário Ilson Mateus e o governador Flávio Dino

No curso da polêmica envolvendo a crise que abate a rede de supermercados Maciel, entre outros, supostamente causada pela politica de incentivos fiscais do Governo do Maranhão a grandes atacadistas, o empresário Ilson Mateus, líder do Grupo Mateus, decidiu convidar a imprensa para falar sobre o assunto.

O empresário marcou para amanhã, quinta-feira, 17, às 15h, uma entrevista coletiva.

Segundo a assessoria do grupo, Mateus tratará sobre o credenciamento tributário, balanço de investimentos de 2018, projeto de expansão e, logicamente, falará ou será obrigado a falar da Lei de Incentivos que teria beneficiado o seu grupo, também chamada de “Lei Mateus”

Incentivo – A lei em questão atende atacadistas com capital social de no mínimo R$ 100 milhões e que gerem 500 ou mais empregos diretos. Essas empresas pagavam em média 18% de ICMS, mas passam a pagar 2%.

O problema é que, além de beneficiar diretamente os grades atacadistas, particularmente o Grupo Mateus que hoje é quase um monopólio, na prática quebra os pequenos e médios empreendimentos do setor, e é exatamente o que está ocorrendo no Maranhão onde os empresários mais fracos estariam sendo tragados pela volúpia fiscal concedida sob medida para o Grupo Mateus, que, aliás, enfrenta várias denúncias de sonegação fiscal.

De “mafioso” a patrocinador de eventos governamentais

Chama atenção ainda o fato de que até antes da “Lei Mateus”, a mídia provida pelo Palácio dos Leões tratava o empresário Ilson Mateus como “mafioso” numa alusão ao caso que ficou conhecido como “Máfia da Sefaz”, que gerou um rombo de mais de 150 milhões ao erário estadual.

Entretanto, porém, contudo, com o advento da “Lei Mateus” a relação do Palácio dos Leões com o Grupo Mateus virou quase uma relação de compadrio entre o empresário Ilson Mateus e o governador Flávio Dino, a ponto de não apenas o comunistas fazer-se presente em todas as inaugurações de novas lojas do grupo, como o grupo virar o grande se não o maior patrocinador de eventos governamentais tipo réveillon, São João etc.

Agora é aguardar e conferir o que o empresário Ilson Mateus tem a dizer e explicar sobre todo esse imbróglio na tal coletiva de amanhã.

Em relação ao governo Flávio Dino, cabe o dito popular: “Quem pariu Mateus que o embale”.

16 comentários sobre “BENEFÍCIOS FISCAIS: Quem pariu Mateus que o embale

  1. Pablo disse:

    O que acho graça é que os blogs palacianos atribuem o problema do Maciel ao golpe milionário dado pela pessoa de confiança do dono da rede supermercadista alguns anos atrás como se fosse um fato isolado. Oras, se a empresa poderia se reerguer ou não só o tempo poderia dizer mas quando veio essa lei do Flávio Dino, aí pronto, era o bastante para quebrar as pernas do empresário. Se não podia ajudar, então que não atrapalhasse, mas o governador nem ligou pra isso ao fazer a assembleia dele votar a favor pela concorrência desleal.

  2. Henrique II disse:

    Conclamamos os nobres e atentos blogueiros do nosso estado para abrir uma enquete urgente, com o espaço amostral e prazo de duração bem amplos, com o fito de se consultar a população do MA a respeito da real motivação da quebradeira dos Supermercados Maciel:

    1) Se de Flávio Dino e seu governo injusto e voraz por ICMS;

    2) Se da modernidade gerencial do Mateus Supermercados;

    3) Ou da incompetência e/ou gestão arcaica do empresário Maciel.

    A voz do povo é a voz de Deus!

  3. Ronie disse:

    O amigo poderia se dignar a ler seu colega Gilberto Leda, ou assistir a explanação do próprio Ilson Mateus a respeito e, se assistiu, poderia agora dignar-se a expor a verdade.
    O Maciel tem umas particularidades que contribuíram para esse quadro. Quem entende de varejo em supermercado, sabe que o lucro médio é de 2%. O Mateus tem muitas lojas pelas quais paga aluguel , pois este nunca tem sido maior do que 0,5% do valor do imóvel , assim, o seu capital se volta completamente para a atividade fim, que é mercadoria, varejo etc … O Maciel é dono de todos os prédios onde funcionam suas lojas . O Maciel é dono de uma infinidade de terrenos, alguns de 3 a 4 mil metros quadrados, além de fazendas e gado. Ele não focou em fazer crescer sua rede como o mateus e, nesse ramo, quem não cresce definha.

    • Robert Lobato disse:

      Resposta: Meu caro, está claro que o Mateus foi beneficiado com a política fiscal do governo do estado através da “Lei Mateus”. Quanto à derrocada do grupo Maciel, não foi motivada realmente apenas pela “Lei Mateus”, mas também por uma visão conservadora de gestão do Maciel. Em relação à coletiva do empresário, parece até foi ensaiada antes no Palácio dos Leões. Abraço.

Deixe uma resposta