Sobre a tal “Escola sem Partido”

Nesse sentido, o governador Flávio Dino (PCdoB) está correto ao afirmar que “Escola Sem Partido tem servido para encobrir propósitos autoritários incompatíveis com a nossa Constituição e com uma educação digna.”

Há coisas que realmente parecem acontecer somente no nosso país.

É o caso, por exemplo, dessa história de “Escola sem Partido”.

Isso é de uma bobagem sem tamanho!

Se é verdade que há professores que tentam de alguma forma conquistar mentes e corações de alunos para a ideologia que eles professam, não é menos verdade que uma boa parte não está nem aí para questões políticas e ideológicas, querem somente dar suas aulas e pronto.

Eu mesmo fui muito influenciado por professores de esquerda, mas haviam muitos outros de orientação conservadora e vai do aluno se identificar ou não com uma ou outra posição.O que é ridículo é o Estado querer ordenar o que deve ou não deve ser abordado em sala de aula e, dessa forma, cercear a liberdade de expressão.

Com o advento da internet e das redes sociais, não é muito fácil para um docente “catequizar” alunos. Tiro pelos meus filhos que nem eu mesmo consigo fazê-los ser “esquerdistas’, aliás, nem tento em respeito às próprias escolhas deles.

“Escola sem Partido”, por tanto, é um debate sem sentido, invenção de quem acha que pode esconder fatos histórico por decreto!

Escolas têm quer ser abertas ao pensamento crítico, ao dissenso, à diversidade de concepções de mundo e ao direito dos professores ensinarem livremente, claro, sempre respeitando as diferença e crenças dos seus alunos.

Nesse sentido, o governador Flávio Dino (PCdoB) está correto ao afirmar que “Escola Sem Partido tem servido para encobrir propósitos autoritários incompatíveis com a nossa Constituição e com uma educação digna.”

Que venham escolas com “muitos partidos”, tal como é a nossa sociedade: plural e democrática.

É a opinião do Blog do Robert Lobato.

Deixe uma resposta