O teu governo é uma mentira, que a tua vaidade quer. Ou: Desculpa-me, Cazuza

O teu governo é uma mentira
Que a tua vaidade quer
E o povo, numa poesia cega
Não pode ver

Não pode ver que no teu mundo
Um governo qualquer morreu
Num corte lento e profundo
Entre você e a realidade concreta

O teu governo só inventa
Pra te distrair
E quando acaba a gente sente
Que ele nunca existiu

O teu governo
Você inventa
O teu governo
Você inventa

Te ver não é mais tão bacana
Quanto a semana passada
Você nem arrumou a casa
Parece que fugiu da realidade

Na verdade, ficou tudo fora de lugar
Café sem açúcar, dança sem par
Você podia parar dessa comunicação nada
romântica

O teu governo você inventa
Pra te distrair
E quando acaba a gente sabe
Que ele nunca existiu

O teu governo
Você inventa
Inventa
O teu governo
Você inventa

Só que nunca existiu.

PS: Parodiando a bela canção “O nosso amor a gente inventa”, do eterno Cazuza, a quem peço desculpas.

8 comentários sobre “O teu governo é uma mentira, que a tua vaidade quer. Ou: Desculpa-me, Cazuza

  1. ronie disse:

    Haja sofrência kkkkk Se ele pega o estado noutro contexto seria reeleito com 90% dos votos. mas, você tem o direito SAGRADO de discordar. De estar entre os 10%, quanto mais de 40% .

Deixe uma resposta