BRASIL, O PAÍS DAS COMPARAÇÕES: Pelé/Garrincha, Chico/Caetano, Cazuza/Renato, Ivete/Claudia Leitte, FHC/Lula…

Ao final das comparações, vamos chegar à conclusão de que todos são bons no que fazem e que o brasileiro deve ser orgulhar do que tem.

Penso que só a Psicologia Social pode explicar o porquê do brasileiro gostar tanto de comparações.

Seja no esporte, arte, música, política, enfim, sempre estamos lá nós fazendo comparações.

Quem é melhor, Pelé ou Garrincha? Chico Buarque ou Caetano Veloso? Cazuza ou Renato Russo? Ivete Zagalo ou Claudia Leitte? FHC ou Lula?

Vez e outra nos encontramos frente a essas comparações.

Ocorre que cada um bom no que faz e, assim, fica difícil chegar a um consenso sobre quem é melhor do que quem.

Quando vemos o que Pelé fez no futebol e os dribles desconcertantes de Garrincha não é fácil e nem justo fazer comparações, seja a favor de um ou do outro.

Escutar “Trocando em Miúdos” e depois se ligar em “Vaca Profana”, fica complicado dizer que Chico Buarque é melhor do que Caetano Veloso ou vice-versa.

No rock nacional idem.

Como e com quais critérios podemos afirmar que Cazuza é melhor do que Renato Russo, ou que o autor de “Faroeste Caboclo” é melhor do que compositor de “O Tempo não para”, dois monstros em termos de letras e poesias? Complicadíssimo!

Na política não é diferente, ainda que o povo, no geral, não esteja nem aí para saber quem é melhor do que quem. Na verdade, em se tratando de política, infelizmente, o povão prefere apontar o “menos pior”.

Fernando Henrique Cardos ou Luis Inácio Lula da Silva? O primeiro assegurou a estabilidade econômica, o segundo fez uma revolução social no país. Quem é o melhor?

E assim segue o brasileiro fazendo comparações: Melhor seleção, a de 70 ou de 82; melhor cantor de bolero, Nelson Gonçalves ou Altemar Dutra; melhor atriz, Regina Duarte ou Betty Faria; melhor ator, Francisco Cuoco ou Tarcísio Meira? etc, etc, etc.

Ao final das comparações, vamos chegar à conclusão de que todos são bons no que fazem e que o brasileiro deve ser orgulhar do que tem.

E nem Roberto Carlos é uma unanimidade.

Ainda que seja o “cara”.

Ótimo e abençoado sábado para todos.

Até amanhã.

Deixe uma resposta