Viva o professor Natalino Salgado!

São pessoas como o nosso eterno reitor da Ufma,  nosso imortal da Academia Maranhense de Letras, que ainda me motiva a acreditar que o Maranhão pode dar certo. Aliás, que o Maranhão nasceu para dar certo.

Amanheci com a vontade de falar/escrever sobre gente do bem (deixa Flávio Dino pra lá).

Aí veio em minha cabeça de imediato o professor Natalino Salgado.

Professor Natalino é uma prata da casa!

Prata da casa baixadeira, maranhense, nordestina, enfim!

Nosso professor rompeu os limites da sua cidade natal (Cururupu), do seu estado e hoje é conhecido e reconhecido nacionalmente, quiça internacionalmente!

Ex-reitor da Universidade Federal do Maranhão, aliás, o melhor reitor que a Ufma já teve, professor Natalino Salgado é uma personalidade que está acima, muito acima da pequinês política que impera no nosso estado.

Os candidatos ao governo do Maranhão sem exceção, por exemplo, deveriam ouvir o professor Natalino Salgado para saber o que o doutor pensa sobre o estado principalmente na área da saúde.

Digo “principalmente na saúde” porque é a área que o nosso mestre domina, mas pela inteligência e experiência de vida que possui, ele pode contribuir em muitos outros setores, como a educação, cultura, ciência e tecnologia etc.

Enquanto cidadão maranhense, tenho orgulho de conhecer e ser amigo do professor Natalino Salgado.

São pessoas como o nosso eterno reitor da Ufma,  nosso imortal da Academia Maranhense de Letras, que ainda me motiva a acreditar que o Maranhão pode dar certo. Aliás, que o Maranhão nasceu para dar certo.

Viva o professor Natalino Salgado!

4 comentários sobre “Viva o professor Natalino Salgado!

  1. Rubem Moreira da Costa Neto disse:

    Meu amigo Bob
    Temos muitos pratas de casa que foram abandonados ou até mesmo esmagados por aqueles que querem impor na gestão o conceito jurídico:- cumpram e obedeçam. Natalino e muitos outros deveriam estar compondo o governo, que deveria ser realmente de todos nós, mas como são pessoas que pensam e questionam, estão aleijados e vigiados

Deixe uma resposta