O silêncio sepulcral do presidente do TJ-MA sobre os ataques de políticos à magistrada Anelise Nogueira

Talvez a pra lá de ótima relação que o presidente possui com o governador possa não deixá-lo à vontade de sair em defesas da juíza, posto que Flávio Dino foi generoso com o Judiciário maranhense ao sancionar a criação de mais três vagas de desembargadores para a corte.

Estranho, para dizer o mínimo, o silêncio sepulcral do desembargador-presidente do Tribunal de Justiça do Maranhão (TJ-MA), José Joaquim Figueiredo dos Anjos, sobre o episódio envolvendo a juíza Anelise Nogueira Reginato, da 8ª Zona Eleitoral em Coroatá.

Nenhuma declaração, nenhuma nota, nenhum piozinho sequer do eminente presidente sobre as agressões sofridas pela magistrada após ter declarado a inelegibilidade do governador Flávio Dino (PCdoB) na semana passada.

Assim que tomou posse no cargo de presidente do TJ-MA, José Joaquim Figueiredo dos Anjos falou grosso ao declarar durante uma entrevista que: “Nós temos que dar ainda, imprimir melhores condições aos colegas, os juízes de 1º grau, porque é o alicerce. Sem os colegas o Tribunal de Justiça não funciona”.

Talvez a pra lá de ótima relação que o presidente possui com o governador possa não deixá-lo à vontade de sair em defesas da juíza Anelise Nogueira, posto que Flávio Dino foi generoso com o Judiciário maranhense ao sancionar a criação de mais três vagas de desembargadores para a corte em 2017.

Sem falar que o filho do desembargador-presidente, o jovem Karlos Parabuçu Santos Figueiredo dos Anjos, conhecido como Pará Figueiredo, é candidato a deputado estadual, e, dizem as boas e más línguas, que contará com uma “forcinha” de Flávio Dino para a sua eleição.

O fato é que até o momento o Tribunal de Justiça do Maranhão tem sido um “túmulo” em relação à juíza Anelise Nogueira Reginato.

E pelo jeito continuará sendo.

8 comentários sobre “O silêncio sepulcral do presidente do TJ-MA sobre os ataques de políticos à magistrada Anelise Nogueira

  1. Pablo disse:

    Não é só o presidente do TJ, mas também o do TRE se encontra surdo, cego, mudo e calado. Impressionante o alcance dos setores do judiciário estadual por Flávio Dino os quais se encontram mais seduzidos pelo poder do que comprometidos com a Justiça..

  2. Antonio Vidal disse:

    São todos submissos as vontades do ditador, arrogante e patético Flavio Dino, ou seja eles não são homens de verdade, pois homem de verdade de caráter e vergonha não se curva diante de outro, resumindo, eles não tem autonomia própria, ( como diria Marco d’Eça ) simples assim.

  3. Mariah Fort disse:

    Muito certo respeitar a lei, Robert, demonstração que o Sr. Flavio Dino, principalmente como juiz que já foi, estranhamente não manifesta em suas ações, como se observa! É certo, também, que, como veículo de informação, faça valer seu direito de livre expressão. Ou será que voltamos ao sistema obsoleto ditatorial?
    Obrigada pela informação.

Deixe uma resposta