ELEIÇÕES 2018: Washington Oliveira e o governo Flávio Dino

Pelo fato de estar responsável por julgar a prestação de contas do homem forte do governo Flávio Dino, torna o conselheiro Washington Oliveira um ator importante no jogo político e eleitoral de 2018.

O conselheiro do Tribunal de Contas do Estado do Maranhão (TCE-MA), Joaquim Washington Luiz de Oliveira, está com a bola toda nessas eleições de 2018.

Embora esteja atuando tecnicamente no TCE-MA, Washington Oliveira é monstro político, para alguns “mais monstro do que político”. Mas o Blog do Robert Lobato não vai entrar nesse mérito.

O que importa nesta postagem é a constatação da força de Washington Oliveira junto ao governo Flávio Dino.

Repousa no gabinete do conselheiro, ex-governador no governo Roseana Sarney, as contas de ninguém menos do que o secretário de Estado licenciado Márcio Jerry (ex-Comunicação e Articulação Política).

No que pode parecer apenas um fato corriqueiro de uma prestação de contas de secretário de Estado estar no TCE-MA, nesse caso em particular tem ingredientes políticos reais e concretos.

Márcio Jerry é coordenador da campanha de reeleição de Flávio Dino e pré-candidato a deputado federal. É também presidente estadual do PCdoB. Coloquem todos esses atributos do comunista no liquidificador e no final sai uma vitamina eleitoral com gosto de PT/PCdoB.

Não é por acaso que a fração do PT ligada a Washington Oliveira ainda mantém a pré-candidatura da presidente da CUT-MA, Adriana Oliveira, que nada tem de parentesco com Washington apesar do sobrenome. Adriana faz parte dos planos do coletivo petista chamado de “Comando do TCE”.

O fato de estar responsável por julgar a prestação de contas do ainda homem forte do governo Flávio Dino, torna o conselheiro Washington Oliveira um ator importante no jogo político e eleitoral de 2018 com força até para indicar o suplente do pré-candidato Weverton Rocha.

E o ex-vice-governador do PT sabe operar essas coisas.

É aguardar e conferir.

2 comentários sobre “ELEIÇÕES 2018: Washington Oliveira e o governo Flávio Dino

Deixe uma resposta