OPERÁRIO DA NOTÍCIA: Descanse em paz, amigo Jânio

Humildade, até no pedir ajuda a alguém é o segredo para vencer na vida. Essa humildade, deve vir sempre acompanhada de seriedade, honestidade, lealdade e respeito aos valores e princípios, enfim, a tudo e todos, afinal, “somos todos iguais” (Jânio Arlei).

Foi com tristeza e profundo pesar que recebi a notícia de que a vida deixou o jornalista Jânio Arlei, nesta quarta-feira, 27, ironicamente num dia que era para ser só de alegria por conta da vitória da seleção brasileira e, para alguns, também pela eliminação da Alemanha da Copa do Mundo, o que não é o meu caso, diga-se.

Conheci Jânio em meados do anos 90 nas boêmias da Cohab, quado o comunicador estava no auge da sua carreira como apresentador do programa Bandeira 2, da TV Difusora.

No entanto, foi somente poucos anos atrás que viríamos construir uma relação amigável mais sólida. Já não era o mesmo Jânio Arlei nem do ponto de vista da fama, nem do ponto de vista da saúde. Porém, era o mesmo Jânio amigo, companheiro, enfim, alguém que a gente costuma chamar de sangue bom.

O que me deixar feliz é saber que tive a oportunidade de reconhecer o talento profissional de Jânio Arlei enquanto ele estava vivo. Em nossos vários almoços, entre uns tragos de pingas e conhaque São João da Barra, ali na base de Dona Chica, na Ceasa, várias vezes disse que ele foi um dos mais maiores profissionais da imprensa maranhense.

Em 2012, tentando voltar ao batente do jornalismo desta feita na blogosfera, o Blog do Robert Lobato entrevistou exclusividade aquele que se autodenominava um “operário da notícia”.

É reproduzindo essa entrevista que presto a minha homenagem nosso querido e já saudoso Jânio Arlei.

Descanse em paz, amigo.

E que Deus fique “de olho em você”.

ENTREVISTA: Jânio Arlei

Quem não lembra do programa Bandeira 2, um dois maiores sucessos da TV maranhense apresentado nas primeiras horas da manhã por um sujeito franzino, feio, debochado, mas muito competente na telinha?

Pois bem. Jânio Arlei está de volta! O radialista concedeu entrevista exclusiva ao blog onde fala da experiência que foi fazer o Bandeira 2, sua experiência de 20 anos de televisão, casos polêmicos, vida, religião e muito mais.

O radialista inciou sua carreira na Rádio Imperatriz, em 1980, onde foi repórter, redator, editor etc. Trabalhou também na TV Imperatriz, Mirante, TV Ouro Verde (Band/Paragominas/Pa), jornal O Progresso, entre muitos outros veículos de comunicação. Sua última passagem profissional foi pela televisão foi na Guará, afiliada da Record News, em São Luís.

Você por um bom tempo o nome mais conhecido da televisão maranhense. Fale um pouco dessa experiência?

Bom, foi gratificante, mas, me vejo sempre com “um operário da notícia”. Ser conhecido tem seu lado bom e ruim. No meu caso, gosto mais quando passo desapercebido. Fico mais a vontade. O lado ruim fica por conta dos momentos em que você quer ficar sozinho, tem algum problema e a pessoa que te assiste não entende. Como você entra na casa dela todos dias, ela te considera da família e acha que você tem a obrigação de estar sempre solícito ao encontrá-la. A coisa não é por aí. Com todo o conhecimento que você tem, você continua sendo um ser humano como outro qualquer, às vazes até com mais problemas. Por isso que de vez em quando, um famoso “surta’ por aí. É que foi abordado num momento de crise. No meu caso, para evitar esses problemas, eu me isolo nesse momento de crise.

O sucesso mexeu com a sua cabeça?

Não. Fama, sucesso tudo isso é efêmero e não completa o ser humano. Sou um sujeito tímido e humilde. Vejo tanta gente em redações e corredores de revistas, jornais, rádio e TV em busca incessante pela fama e sucesso, às vezes passando sobre as pessoas. Isso é triste. Não tem ética e princípios. Nunca usei desses artifícios, porque me considero abençoado por Deus, com o “dom da fala ou da oratória”. Humildade, até no “pedir ajuda a alguém” é o segredo para vencer na vida. Essa humildade, deve vir sempre acompanhada de seriedade, honestidade, lealdade e respeito aos valores e princípios, enfim, a tudo e todos, afinal, “somos todos iguais”.

Qual o episódio que gerou mais polêmica no Bandeira 2?

(Risos) Quando o pastor Luis Cláudio da Igreja Universal foi a TV Difusora, me ameaçou e… menos de 24h depois estava pedindo desculpas. Não sabia ele, que tive formação cristã evangélica e, como se diz lá na Igreja, “eu conheço a Verdade”. Retirei a queixa contra ele, atendendo “a pedido de pessoas que considero amigas”. Nada teria acontecido, se o Pastor Luís Cláudio não tivesse ido à Difusora, em companhia de quatro elementos encapuzados, me ameaçar. Aliás, percebí que a intenção dele era apenas me intimidar porque falou demais, tentando explicar a atitude de alguns membros da Igreja. Na região onde fui criado (Imperatriz), ninguém para pra conversar. Resolve-se logo o caso e vai embora. Foi o caso mais relevante que aconteceu comigo, embora, eu tenha sido vítima de agressão (em São Bento por um segurança do filho de Isaque Dias), e fui alvo de muitos processos por injúria, difamação e calúnia, que considero “ossos do ofício”.Foi o caso mais relevante que aconteceu comigo, embora, eu tenha sido vítima de agressão (em São Bento por um segurança do filho do ex-prefeito Isaque Dias), além de alvo de muitos processos por injúria, difamação e calúnia, que considero “ossos do ofício”.

Você chegou andar com seguranças ou armado nos tempos do Bandeira 2?

Com seguranças não, mas armado sim, quando surgiam boatos de ameaças contra a minha vida. Além disso, estava sempre mudando meu itinerário (risos). Afinal, “gato escaldado tem medo de água fria”. Hoje meu segurança é Cristo e minha arma uma Bíblia. Sinto-me muito mais seguro

Por que você deixou o Bandeira 2?

Montei uma pequena empresa e partir para a carreira solo. Isto é normal nas redes de televisão. Exemplificando: é como ser ator, atriz ou jogador de futebol. Ontem na Mirante, Difusora, Guará, amanhã noutra emissora e hoje de volta a antiga casa. Costumo dizer, que nesses casos é importante sair e deixar sempre a porta aberta ao mudar de endereço profissional. Pessoalmente, visito e converso com colegas de trabalho, diretores e proprietários de todas as empresas onde trabalhei. Me relaciono muitíssimo bem e tenho carinho e apreço por cada um deles.

Você ainda pensa fazer Televisão?

Sim, mas não como setorista da área policial. Prefiro ancorar abordando temas variados, afinal foram mais de dez anos como redator, coordenador e editor geral de jornais em rádio e televisão, com os melhores do mercado no Maranhão. Eu começei como setorista do esporte. Fazer matérias policiais foi apenas uma casualidade. Se fosse pra escolher faria matérias na zona rural porque lá você trabalha apenas com pesquisas que envolvem o agronegócio.

Você agora tem um blog. Você vai investir profissionalmente na blogosfera?

Este é o meu projeto para o futuro, que já sendo colocado em prática. Na plataforma virtual, trabalho por enquanto com textos e fotos (uma volta aos tempos do jornal). Já estamos nos preparando (temos equipamentos com tecnologia de ponta), para investir em áudio e vídeo (retorno ao rádio e TV), que também fazemos com maestria. A net é o futuro,  já estamos navegando por ela com acessos dos EUA, Israel, Reino Unido, Rússia, Martinica, Japão e etc. É só acessar http://www.janioarlei.com/. Neste projeto, trabalhamos com informação e análise, porque entendemos que nossa função maior é a formação de opinião com seriedade e responsabilidade.

“Humildade, até no pedir ajuda a alguém é o segredo para vencer na vida. Essa humildade, deve vir sempre acompanhada de seriedade, honestidade, lealdade e respeito aos valores e princípios, enfim, a tudo e todos, afinal, “somos todos iguais” (Jânio Arlei).

4 comentários sobre “OPERÁRIO DA NOTÍCIA: Descanse em paz, amigo Jânio

Deixe uma resposta