Projeto de Roberto Rocha que regulamenta esportes eletrônicos será analisado pela Comissão de Educação

O chamado E-sports podem aparecer entre os esportes de demonstração das Olimpíadas. Comissão do Senado aprovou a regulamentação dos esportes eletrônicos, um projeto do senador Roberto Rocha.

No primeiro trimestre de 2018, US$ 2 bilhões já foram investidos nos e sports. (Foto: Divulgação).

Os e-sports estão atingindo patamares nunca antes imaginados. Para se ter ideia, os organizadores da Olimpíadas de Paris de 2024, segundo a BBC, estão negociando com a Federação Internacional de E-sports a inclusão dos esportes eletrônicos no evento.

Mas, ao contrário do que o Comitê Olímpico Internacional (COI) havia sinalizado, os e-sports não serão uma modalidade oficial da competição. A ideia agora é que apareçam como um esporte de demonstração.

No Brasil
Enquanto isso, aqui no Brasil, a Comissão de Ciência e Tecnologia do Senado aprovou
nesta quarta-feira (25) o projeto para regulamentação dos e-sports. Apresentada pelo senador Roberto Rocha (PSDB-MA) em janeiro, a proposta visa, por exemplo, reconhecer os jogadores profissionais de videogame como atletas e estipular 27 de
junho como o Dia do Esporte Eletrônico.

O projeto segue para análise da Comissão de Educação. Se receber mais esse aval, sem emendas, a proposta vai para votação no plenário e, na sequência, será encaminhada para a Câmara dos Deputados.

Investimento bilionário
Se alguém ainda tem dúvida de que os esports movimentam muito dinheiro, relatório do site The Esports Observer mostra que, no primeiro trimestre de 2018, as empresas do
setor já investiram US$ 2 bilhões no mercado.

Para termo de comparação, em 2017 inteiro foram destinados US$ 600 milhões aos esportes eletrônicos. Quer mais? A estimativa é que os e-sports faturem US$ 2 bilhões neste ano – em 2017, o arrecadamento foi de US$ 1,5 bilhão.

6 comentários sobre “Projeto de Roberto Rocha que regulamenta esportes eletrônicos será analisado pela Comissão de Educação

  1. jeffersson disse:

    Robert, Bom dia, você poderia sugerir ao Nobre Senador que, embora politicamente ele seja representante do Estado e não diretamente da população, que ele apresente propostas para correção da tabela do imposto de renda que esta defasada em 80% penalizando os trabalhadores.
    Hoje nas atuais condições em breve que recebe salario minimo vai pagar IRRF embora tecnicamente salario não “ser renda”.
    Abraços

    • Robert Lobato disse:

      Resposta: Vou levar a sua sugestão ao senador, embora não eu não esteja certo se essa matéria possa sair do parlamento. Mas vou ver sim.

  2. jeffersson disse:

    Robert essa materia do site do senado.

    “Senadores pedem correção da tabela do Imposto de Renda

    19/02/2018,

    O reajuste obrigatório da tabela do Imposto de Renda, previsto no Projeto de Lei do Senado (PLS 355/2015), do senador Reguffe (Sem partido-DF), aguarda apresentação de relatório na Comissão de Assuntos Econômicos. Para Reguffe, a falta de correção é uma forma disfarçada de aumentar os impostos pagos pela população. A senadora Ana Amélia (PP-RS) também critica a falta de reajuste. Segundo ela, trata-se de uma injustiça tributária e social. Um estudo do Sindicato dos Fiscais da Receita Federal aponta que a defasagem da tabela do IR entre 1996 e 2017 chega a quase 90%, como informa o repórter da Rádio Senado Floriano Filho.”

Deixe uma resposta