ELEIÇÕES 2018: “Inchaço” do grupo governista já irrita aliados de Flávio Dino

A reclamação com o governador Flávio Dino é grande nos bastidores políticos. Mas, claro, ninguém vai admitir em público e talvez amem esta postagem do Blog do Robert Lobato.

É de irritação, para dizer o mínimo, o ânimo de alguns aliados do governador Flávio Dino (PCdoB) em virtude do “inchaço” do grupo governista. Explica-se.

Temendo uma derrota eleitoral fragorosa nas eleições de 2018, os comunistas passaram a convidar, investir, cooptar, e que o mais o valha, lideranças políticas de tudo que é coloração partidária e ideológica.

A reclamação é tamanha que até o deputado federal Rubens Pereira Júnior (PCdoB), um dos mais leais defensores do governo e do governador, tem reclamado horrores da forma como aliados têm perdidos espaço importantes para os “neogovernistas”.

Numa roda de conversa em Brasília, semana passada, por exemplo, Rubens Júnior lamentou que para poder abrigar os novos aliados, o governador sacrifique quem esteve com ele “desde o começo”, segundo uma fonte que estava presente no bate-papo.

Não ficou claro, porém, se o deputado comunista estava se referindo exatamente ao seu tio Paulo Cruz Pereira, auditor do Tribunal de Contas do Estado, que foi catapultado do cargo de Ouvidor-Geral do Estado do Maranhão para dar lugar ao advogado Marcos Caminha, filho do também advogado Valdenio Caminha, destacado dirigente do PPS maranhense.

No PT mesmo, a insatisfação é crescente.

Depois que Márcio Jardim foi “fufucado” da Secretaria de Esporte e Lazer (Sedel), para dar lugar a um aliado do deputado Federal André Fufuca (PP), a fração petista que também esta com Flávio Dino “desde o começo”, não gostou nadica de nada pelo tratamento dispensado ao professor Márcio.

Tanto que a tese de candidatura própria do PT a governador e a senador já defendida abertamente dentro partido e conta com a simpatia até dos chamados “dinopetistas”.

REGIÃO SUL

Lá para as bandas da Região Sul do estado a “chiadeira” dos aliados que estão “desde o começo” com Flávio Dino também é grande.

A reclamação é principalmente entre pedetistas e comunistas que estão sendo obrigados a dar a “janela do ônibus” para antigos adversários, que chagaram agora, sentarem.

O caso mais emblemático é do ex-prefeito Ildon Marques, que após romper com o grupo Sarney, se filiou ao PSB a convite do senador Roberto Rocha (PSDB), disputou a eleição para prefeito de Imperatriz em 2016 pelo “40” e por pouco não foi eleito.

Agora é o empresário aparece ao lado do governador Flávio Dino indicando o seu parceiro Frederico Ângelo para o cargo de presidente da Agência Metropolitana do Sudoeste.

Detalhe: A filiação de Ildon Marques no PSB foi um dos motivos alegados por Flávio Dina para se aborrecer com Roberto Rocha, sob alegação de que o senador não o comunicou sobre a tal filiação de “Pisada”, como Ildon é carinhosamente chamado em Imperatriz. É mole?

Ontem…

(…) Hoje.

O fato é que reclamação dos aliados com o governador Flávio Dino é grande nos bastidores políticos. Mas, claro, ninguém vai admitir em público e talvez amem esta postagem do Blog do Robert Lobato.

Agora em coisa os “insatisfeitos” têm razão: nada garante que os “neogovernistas” estejam no palanque de Flávio Dino em 2018. #Fato!

2 comentários sobre “ELEIÇÕES 2018: “Inchaço” do grupo governista já irrita aliados de Flávio Dino

  1. julio vinicius disse:

    Rapaz o teu desespero e incomodo é latente. O governador faz traça uma engenharia precisa e amplia as suas alianças para 2018 deixando vocês, viúvas da oligarquia em pleno desespero. O choro é grande por aí.

Deixe uma resposta