O repúdio de Joaquim Haickel ao governo Flávio Dino

Fiquem com o artigo do ex-deputado Joaquim Haickel. Comentarei sobre o mesmo amanhã.

Ontem elogiei, hoje repudio!

No dia 1º de julho publiquei um texto intitulado “O que é bom tem que ser aplaudido” onde comentava uma excelente iniciativa do governador Flávio Dino, que orientara seus secretários Carlos Lula e Pedro Lucas a providenciarem o aluguel do prédio da Santa Casa de Misericórdia, para que ali fosse implantado um grande hospital de emergência que atendesse nossa capital, desafogando assim as unidades municipais que se encontram totalmente incapacitadas de atender de maneira minimamente satisfatória os nossos cidadãos.

O fato é que a intenção do governador Flávio Dino de realizar tal obra, seria no meu ponto de vista, uma das mais importantes ações de saúde que um governo poderia realizar no Maranhão. Essa opinião não é apenas minha, haja vista os mais de 600 comentários favoráveis sobre esse assunto nas redes sociais, e outras centenas de compartilhamentos da matéria.

Ocorre que agora soube que o governador voltou atrás em seu intento e decidiu não mais realizar a obra para a qual destacou dois de seus melhores auxiliares. Vejam! O interesse era tão grande que até os projetos arquitetônicos já estavam sendo providenciados!

Ao tomar conhecimento da nova decisão de Flávio Dino, procurei saber os motivos que o levaram a mudar tão radicalmente de ideia, uma vez que no meio das negociações com a Santa Casa, como sua direção não se decidia pelo aluguel do imóvel pelo prazo de 20 anos, ele chegou a ameaçar desapropriá-lo, alegando necessidade imperativa de Estado. Investigando, descobri que o motivo que fez o governador desistir dessa importante ação foi o mesmo que levou outro governante a não realizá-la em 2004: palpite infeliz de assessores despreparados e sem nenhuma visão, seja ela administrativa, política, econômica ou social.

Em 2004, outro governante teve essa mesma boa ideia e na época foi desaconselhado a colocá-la em prática, pois não traria ganhos do ponto de vista midiático para seu governo, diziam que a população teria dificuldade de entender que aquela seria uma ação do Estado e não da própria Santa Casa.

Não me arrependo de ter elogiado o governador Flávio Dino no artigo que publiquei anteriormente, até porque nele deixei claro que o meu espírito independente me faz elogiar quem eu acredite que mereça, mas esse mesmo espírito me obriga a criticar com veemência e contundência a quem eu acredite esteja sendo covarde, que não esteja agindo em defesa dos melhores interesses do nosso povo, alguém que diga uma coisa e faça outra, alguém que imagine que esteja acima de qualquer tipo de crítica.

Só haverá uma de duas opções para o governador Flávio Dino se justificar pelo fato de não implantar no prédio da Santa Casa um hospital de emergência, como ele mesmo incumbiu seus secretários de fazer: Ou ele assume que é um governante incompetente, que estabelece metas para seus auxiliares cumprirem sem a devida análise e os estudos necessários, ou ele reconhece que é mal aconselhado, se não pelos mesmos maus conselheiros de outra gestão, por outros tão ruins quanto aqueles.

Se ele disser que o Estado não tem os recursos para realizar essa ação, estará da mesma forma se dizendo incompetente por não ser capaz de detectar tal demanda antes. O mesmo ocorrerá se ele disser que melhor seria construir um hospital novo, em outro lugar. Serão apenas desculpas, nada mais!

O fato é que ele jamais reconhecerá que o motivo pelo qual resolveu não usar o prédio da Santa Casa para implantar ali um hospital de emergência com 300 leitos, é porque essa ação não traria nenhum ganho político midiático para si ou para o seu governo. Atitude nojenta!

Mais uma vez Flávio Dino comprova aquilo que venho dizendo desde que ele assumiu o comando do Maranhão: Mudaram os marujos, mudou o timoneiro, pode até ter mudado a pintura do casco do barco, mas o novo capitão age do mesmo modo dos anteriores! A propaganda continua enganosa como antes, os favorecimentos dos amigos continuam existindo… É bem verdade que estão acontecendo alguns pequenos avanços pontuais, mas nada que se possa considerar uma revolução.

Se antes elogiei o governador Flávio Dino por uma ação que ele iria fazer, hoje eu o repudio pela mesma ação que ele não fará, por falta de competência ou de coragem, não importa.

Deixe uma resposta