ELEIÇÕES 2018: Nomeações do Lawrence Melo e Terezinha Fernandes são vistas como “golpe” por militantes do PT e do PCdoB

As mexidas do governador Flávio Dino causou insatisfação tanto no PT quanto no seu partido, o PCdoB. No caso do PT, não agregou absolutamente coisa alguma, já Terezinha Fernandes é da corrente “Articulação de Esquerda”, a mesma do secretário Chico Gonçalves (Direitos Humanos). Ou seja, mais do mesmo!

Fechou o tempo no território petista depois das nomeações para o governo de Flávio Dino (PCdoB) do delegado Lawrence Melo (Agência Estadual de Mobilidade Urbana) e Terezinha Fernandes (Secretaria da Mulher).

No caso do doutor delegado a reclamação é de que o homem “nunca havia passado sequer na calçada do PT e agora já chega sentando na janela”, conforme disse um dirigente petista ao Blog do Robert Lobato.

Lawrence Melo desembarca no PT pelas bênçãos e graças do advogado Sálvio Dino Júnior, irmão do governador Flávio Dino, que também se filou no PT quando da passagem de Lula pelo Maranhão.

O doutor delegado não conhece o PT e muito menos os assuntos da pasta que irá comandar. Aliás, dizem as más línguas que a nomeação de Lawrence Melo para o governo comunista também tem a ver com as peripécias do vereador Honorato Fernandes no âmbito da Câmara de Vereadores de São Luis. Ou seja, o vereador estaria querendo uma “blindagem”. A conferir.

Crise grande no setorial de Mulheres e movimento negro

Mas a crise não para por aí.

A nomeação de ex-deputada Terezinha Fernandes, por exemplo, foi recebida como um “golpe” dos comunistas nas pretensões do PT tê-la como candidata à deputada estadual na Região Tocantina e, dessa forma, melar os planos de reeleição do deputado Marco Aurélio.

Na avaliação de um alto dirigente petista, ligado aos movimentos sociais, “a nomeação da companheira Terezinha é uma sacanagem dos comunas, um golpe para tirá-la da disputa de 2018 visando não atrapalhar o deputado Marco Aurélio na reeleição dele, já que é nome do PCdoB para prefeito em 2022”.

Houve reação também entre os militantes do movimento negro que não engoliram a defenestração de Laurinda Pinto da Secretaria da Mulher.

Ontem, lá no Convento das Mercês, por exemplo, houve uma espécie de rebelião do “Unegro”, que é o coletivo de negros do PCdoB. As mulheres quilombolas, ligadas ao referido coletivo pensam em fazer um protesto em frente ao Palácio dos Leões como numa espécie de desagravo pela destituição de Laurinda Pinto. Fala-se até na mulherada ficar nua em frente a sede do governo estadual!

O fato é que as mexidas do governador Flávio Dino causou insatisfação tanto no PT quanto no seu partido, o PCdoB.

No caso do PT, não agregou absolutamente coisa alguma, já que Terezinha Fernandes é da corrente “Articulação de Esquerda”, a mesma do secretário Chico Gonçalves (Direitos Humanos). Ou seja, mais do mesmo!

Já no PCdoB, a nomeação da petista para a Secretaria da Mulher não agradou as camaradas que, como dito acima, pensam até em tirar a roupa em protesto pela exoneração da da Laurinda Pinto.

Enquanto isso, meu amigo Ribamar Praseres, “comunista da gema”, vai tomando a “gelada” dele no Mercado da Praia Grande.

Tá certinho!

Deixe uma resposta